Agricultura e Pecuária

Categorias relacionadas:
Páginas: [<<] 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 ... [>>]

    • Plantas arbóreas frutíferas

      Estudo das plantas arbóreas frutíferas do sítio sonho meu de Lagoa Seca - Pb. Lagoa Seca sua origem é permeada por várias versões, a mais precisa é atribuída à existência de um engenho com essa denominação, de propriedade do Coronel Vila Seca. Como homenagem ao Coronel surgiu o nome da cidade. Estando situada na região do Agreste e Brejo Paraibano, de clima tropical úmido, é conhecida por suas tradições turísticas, por exemplo, a imagem da Virgem dos Pobres está situada na entrada da cidade, para onde convergem, em romaria, inúmeros fiéis nos domingos e dias santificados. Sendo também de grande importância suas famosas casas de shows, a Vila do Forró e o Vale do Jatobá. O desenvolvimento deste trabalho tivera objetivo de constatar o número existente da flora encontrada no sítio, identificando e qualificando as plantas arbóreas frutíferas.

      (Adicionado: 2ªf Out 29 2007 | Visitas: 205 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Abordagens freqüentista e bayesiana para avaliação genética de bovinos da raça Canchim para caracter

      Este trabalho foi realizado com os objetivos de: a) comparar os componentes de (co)variância obtidos por meio dos métodos da Máxima Verossimilhança Restrita (REML) e da inferência bayesiana (IB); b) realizar a avaliação genética do peso à desmama (P240) e aos 18 meses de idade (P550) de bovinos da raça Canchim, padronizados ou não para 240 e 550 dias de idade, respectivamente, utilizando-se a metodologia dos modelos mistos e a obtenção dos componentes de (co)variância por REML ou IB; e c) verificar a semelhança entre os animais selecionados considerando-se a avaliação genética realizada com os pesos reais ou padronizados e por meio de abordagens freqüentista ou bayesiana. Foram obtidos os componentes de (co)variância, herdabilidade e correlação genética para P240 e P550. Os valores genéticos obtidos foram utilizados para simular um processo de seleção em que 10% dos touros e 50% das vacas com os maiores valores genéticos aditivos diretos teriam chance de reproduzir. Os componentes de (co)variância e os parâmetros genéticos estimados por REML, na maioria dos casos, foram inferiores às médias a posteriori obtidas por IB. Ocorreram diferenças quanto aos animais selecionados, provavelmente em decorrência das diferenças entre os componentes de (co)variância e dos parámetros genéticos obtidos. Adotando-se a IB, a inclusão da idade do animal no momento da pesagem como covariável no modelo estatístico não provocou grande alteração dos touros e vacas selecionados. Amostrador de Gibbs, intervalo de alta densidade, médias a posteriori, seleção Frequentist and bayesian approachs for genetic evaluation of Canchim beef cattle for growth traits.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 199 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Acidente rural ampliado

      Introdução – "acidente rural ampliado" e metodologia da pesquisa-ação. Contexto sociotécnico: a agroindústria (insustentável) de Lucas do Rio Verde. A "chuva" de agrotóxico e a análise interdisciplinar e participativa do acidente. A implantação do movimento pelo desenvolvimento sustentável. O caso das "chuvas" de agrotóxicos sobre a cidade de Lucas do Rio Verde - MT. O artigo aborda o acidente ambiental causado por derivas de pulverizações aéreas de agrotóxico que atingiram o espaço urbano de Lucas do Rio Verde-MT, em março de 2006. Caracterizou-se como "acidente rural ampliado" de caráter ocupacional e ambiental, cuja gravidade e extensão ultrapassaram a unidade produtiva rural, causando impactos sanitários, sociais e ambientais. Este estudo de caso objetivou conhecer o cenário sociotécnico do acidente e o processo de vigilância em saúde-ambiente, numa dinâmica de pesquisa-ação. As informações foram colhidas através de entrevistas, documentos e registro de observações do cotidiano. Referenciou-se ainda na análise interdisciplinar e participativa de acidentes, com envolvimento de instituições locais de Saúde, Agricultura e Ambiente, lideranças sindicais e políticas, chacareiros e fazendeiros, Promotoria de Justiça, jornalistas e a Universidade. O estudo mostra que as ações de vigilância do "uso e abuso" de agrotóxicos ampliaram-se para "movimento pelo desenvolvimento sustentável da região", apoiado na vigilância participativa, articulada com a luta pela democracia e justiça social, na busca de uma agricultura e/ou ambiente sustentável. Acidente rural ampliado, Agrotóxico, Vigilância em saúde-ambiente, Análise participativa.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 193 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Atividade agrícola e externalidade ambiental

      Uso de agrotóxico, externalidades e instrumentos de regulação. Revisão da literatura. Metodologia e fontes dos dados. Resultados e discussão. Regressão logística. Uma análise a partir do uso de agrotóxicos no cerrado brasileiro. Esse artigo tem como objetivo discutir as externalidades negativas associadas ao uso intensivo de agrotóxicos nos municípios do cerrado brasileiro, área em franca expansão da atividade agrícola. Tais externalidades estão relacionadas principalmente aos danos ambientais e à saúde humana (de trabalhadores, famílias rurais e consumidores,) cujos custos acabam sendo socializados. O presente estudo analisa como externalidade a contaminação do solo e da água por esses produtos a partir de dados obtidos por meio da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (IBGE), que em 2003 aplicou um questionário suplementar com questões ambientais. Mapas foram construídos procurando associar áreas contaminadas e o grau de atividade agrícola dos municípios, captado na Pesquisa Agrícola Municipal (IBGE, 2003). Por meio de uma regressão logística, foi possível encontrar fatores de risco da contaminação no solo e na água por agrotóxicos e fertilizantes, tais como área de lavoura temporária, poluição no ar por queimadas e proliferação de pragas. Conclui-se que o artigo pode contribuir para a formulação de políticas no sentido de auxiliar o desenho dos instrumentos de regulação e o diagnóstico das áreas prioritárias em que essas ações preventivas deveriam ser implementadas. Agrotóxicos, Externalidades, Cerrado, Contaminação ambiental.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 194 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Cabritos Boer x Saanen

      Desempenho e digestibilidade aparente em cabritos Boer x Saanen em confinamento recebendo rações com casca do grão de soja em substituição ao milho1. Foram utilizados 27 cabritos Boer x Saanen (15 machos e 12 fêmeas, 25,75 ± 3,80 kg PV) distribuídos em delineamento inteiramente casualizado para avaliar os os efeitos da substituição de casca do grão de soja (CGS) por grão de milho moído (GMM) sobre o desempenho e a digestibilidade aparente dos nutrientes da dieta. As rações foram compostas de feno de grama-estrela (Cynodon spp.), farelo de soja, milho, casca do grão de soja e minerais, sendo os tratamentos constituídos de 0 (GMM), 50 (CGS50) e 100% (CGS100) de substituição do milho pela casca do grão de soja. O período experimental foi de 42 dias e a digestibilidade dos nutrientes foi determinada utilizando-se a FDN indigestível como indicador. Os tratamentos não diferiram quanto às ingestões de MS, MO e PB, ao ganho de peso médio diário e à conversão alimentar. A utilização da CGS resultou em diminuição dos coeficientes de digestibilidade da MS, MO e PB e aumento dos coeficientes de digestibilidade da FDN e do amido. A digestibilidade in vitro da MS foi maior no tratamento GMM, mas a da parede celular não diferiu entre os tratamentos. A casca do grão de soja apresentou 23,87; 0,19; 55,89 e 20,05% das frações A, B1, B2 e C dos carboidratos e 35,22; 8,19; 31,61; 15,46 e 9,52% das frações A, B1, B2, B3 e C da proteína. A casca do grão de soja, quando utilizada em até 100% de substituição ao milho nas rações, não altera o desempenho de cabritos em crescimento, mas diminui a digestibilidade da MS, MO e da proteína e aumenta a da FDN. Caprinos, digestão, ganho de peso, subprodutos.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 191 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Carne de caprinos

      Avaliaram-se as características de carcaça, os rendimentos dos cortes, a proporção dos tecidos, a composição química e o perfil de ácidos graxos do músculo Longissimus dorsi de cabritos confinados alimentados com rações contendo casca do grão de soja em substituição ao grão de milho moído. Foram utilizados 15 cabritos machos inteiros Boer x Saanen distribuídos em delineamento inteiramente casualizado (cinco animais por tratamento) e abatidos com 33,82 ± 4,40 kg de peso corporal. As rações foram compostas de feno de grama-estrela (Cynodon spp.), farelo de soja, milho moído e/ou casca do grão de soja e minerais. Os tratamentos foram constituídos de 0, 50 e 100% de substituição do milho pela casca do grão de soja. Os níveis de substituição do milho pela casca do grão de soja não alteraram as características de carcaça, mas influenciaram o rendimento dos cortes comerciais do lombo e do pescoço. A porcentagem de carne do músculo Longissimus dorsi não foi afetada pelos tratamentos, entretanto, os animais do tratamento que não receberam casca do grão e soja apresentaram maiores proporções de gordura e menores de osso. A composição centesimal e o perfil dos ácidos graxos não diferiram entre os animais, contudo, o músculo Longissimus dorsi daqueles alimentados com casca do grão de soja apresentou maiores teores de colesterol. A casca do grão de soja pode ser utilizada como substituto do milho em rações, pois não alterou as características de carcaça e de carne dos animais. Ácidos graxos, alimentação, caprinos, colesterol, rendimento.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 191 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Codornas japonesas

      Foi conduzido um experimento para determinação da exigência nutricional de cálcio de 360 codornas japonesas fêmeas (peso médio inicial de 121,5 g), durante o período inicial de produção (56 a 171 dias de idade). As aves foram distribuídas em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 6 x 4, com seis níveis de Ca na ração (1,6; 2,0; 2,4; 2,8; 3,2 e 3,6%) e quatro períodos experimentais de 28 dias. Cada tratamento foi constituído de seis repetições e a unidade experimental foi representada pela gaiola contendo dez aves. Não houve efeito significativo da interação níveis de Ca ' períodos sobre nenhuma das variáveis avaliadas. Verificou-se, no entanto, aumento linear para produção de ovos, peso de ovo e espessura de casca. Houve ainda redução linear para conversão alimentar por massa de ovos e porcentagem de Ca na tíbia e efeito quadrático para massa de ovo, ganho de peso das aves, peso específico dos ovos, peso de casca e porcentagem de cinzas na tíbia. Observou-se que a produção e a massa de ovos obtidas com o nível de 3,2% de Ca foi 3,3 e 3,8% superiores, respectivamente, em valores absolutos, quando comparada àquela contendo 3,6% de Ca. A exigência de Ca estimada de codornas japonesas na fase inicial de produção variou de 3,0 a 3,6% na dieta, de acordo com os parâmetros avaliados. Recomenda-se o nível de 3,2% de Ca na dieta, que corresponde a um consumo diário de 882 mg de Ca/ave, ou de 87 mg de Ca/g de ovo, como exigência satisfatória para obtenção de melhor produção e de eficiente conversão alimentar (por massa e por dúzia de ovos) e para manutenção da qualidade dos ovos. Coturnix coturnix japonica, desempenho produtivo, níveis de cálcio, qualidade do ovo.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 145 | Colocação: 1.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Comportamento ingestivo de cabras lactantes

      Objetivou-se definir o intervalo de registro do comportamento ingestivo de cabras Saanen lactantes alimentadas com dietas contendo farelo de cacau e torta de dendê em substituição ao concentrado. Ao final de cada período experimental, cinco cabras (41,6 kg de PV) alojadas em baias individuais foram observadas continuamente (24 horas/dia). O concentrado padrão (milho e farelo de soja) foi substituído por 0, 15 e 30% de farelo de cacau ou torta de dendê. O comportamento ingestivo consistiu dos tempos despendidos em alimentação, ruminação e ócio. Foram testados os intervalos de 10, 15 e 20 minutos contra o registro de observação a intervalos de cinco minutos. O farelo de cacau e a torta de dendê não provocaram alterações no comportamento ingestivo em nenhum dos intervalos avaliados. Não houve diferença entre os tempos médios despendidos em alimentação, ruminação e ócio nos diferentes intervalos de tempo avaliados, indicando que os animais podem ser observados a intervalos de até 20 minutos. Alimentação, observação, ócio, ruminação.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 145 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Consumo, digestibilidade e desempenho de bovinos

      Consumo, digestibilidade dos nutrientes e desempenho de bovinos de corte recebendo silagem de sorgo (Sorghum bicolor (L.) Moench) e diferentes proporções de concentrado. No atual cenário da pecuária de corte, é nítido o aumento da competitividade com carnes de outras espécies e com outros mercados. A possibilidade de o Brasil se consolidar no mercado mundial de carne bovina tem requerido da atividade pecuária de corte a oferta de produto de qualidade de maneira contínua durante o ano. O atendimento dessa meta é dificultado principalmente pela estacionalidade de produção das forrageiras, visto que grande parte da carne produzida no Brasil é proveniente de animais criados em sistemas de produção em pastagem.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 145 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Digestibilidade em bovinos

      Avaliação da digestibilidade de nutrientes, em bovinos, de alguns alimentos concentrados pela técnica de três estádios. Este trabalho foi realizado com o objetivo de determinar a digestibilidade de componentes nutricionais não-degradados no rúmen por meio da técnica de três estádios. Foram avaliados oito alimentos concentrados: grão de girassol integral (GI), torta de girassol com uma (TG1x) e com duas passagens pela prensa (TG2x), grão de soja integral (SI) e parcialmente desengordurado (SD), farelo de soja (FS), farelo de gérmen de milho desengordurado (GM) e concentrado comercial (CC) com 36% de PB. Os alimentos foram incubados no rúmen de bovinos por 33, 20 e 12 horas, correspondendo a taxas de passagens de 3, 5 e 8%/h, respectivamente. Os resíduos não-degradados no rúmen foram submetidos à digestão com solução de pepsina com pH 1,9 durante 1 hora e, posteriormente, em solução de pancreatina com pH 7,8 durante 24 horas, ambas a 38ºC. Nos resíduos desta incubação, foram determinados a MS, MO e os teores de nitrogênio total. A digestibilidade intestinal in vitro da MS não degradada no rúmen, considerando taxa de passagem de 5%/h, variou de 7,88 a 37,72%, sendo que o CC e a SI apresentaram as maiores digestibilidades. A digestibilidade da PB não-degradada no rúmen variou de 13,67 a 81,76% para mesma taxa de passagem. O GI apresentou a menor e o CC e o FS as maiores digestibilidades da PB. A digestibilidade da MO variou de 7,93 a 37,14% para a mesma taxa de passagem, sendo que o GI foi o menos digestível e o CC e a SI, os mais digestíveis. Os menores valores para a proteína digestível não degradável no rúmen (PNDRD), em g/kgMS, foram obtidos nas tortas de girassol com uma ou duas passagens, sugerindo que estes alimentos não devem ser empregados quando se deseja maiores teores de PNDRD. Concentrado, farelo de soja, gérmen de milho, girassol, soja integral, torta de girassol.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 144 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Ganho compensatório em cordeiras na fase de recria

      Objetivou-se estudar o ganho compensatório de cordeiras submetidas a restrição alimentar e, posteriormente, a realimentação à vontade. Foram adotados dois períodos de 60 dias, de modo que, no primeiro, 18 cordeiras 7/8 Ile de France 1/8 Ideal foram distribuídas em três tratamentos, em delineamento inteiramente casualisado: sem restrição = alimentação à vontade por todo o experimento; restrição 30% = restrição alimentar de 30% em relação ao consumo do grupo sem restrição; e restrição 60% = restrição alimentar de 60% em relação ao consumo do grupo sem restrição. No segundo período, todas as cordeiras receberam alimentação à vontade. Ao final do primeiro período, as cordeiras alimentadas à vontade e aquelas sob restrição alimentar de 30%, tiveram ganho de peso corporal de 18 e 0,8%, respectivamente, enquanto aquelas sob restrição alimentar de 60% perderam 15% de peso corporal. No segundo período, todas as cordeiras ganharam peso, observando-se maior ganho naquelas sob restrição 30% (196,24 g/dia) em relação às sem restrição (116,20 g/dia). O ganho de peso desses dois grupos, no entanto, não diferiu do grupo restrição 60% (178,03 g/dia). A conversão alimentar das cordeiras alimentadas à vontade foi 10,09 e a daquelas com restrição alimentar de 30% foi de 5,97. As medidas biométricas foram semelhantes no início do experimento, mas, ao final da restrição alimentar, houve diminuição de 16% na largura do ombro, de 21% na largura da garupa, de 6,9% no perímetro torácico e de 39% na condição corporal das cordeiras do grupo restrição 60% em relação às medidas iniciais. A restrição alimentar de 60% resultou em menor consumo de MS e em peso corporal final mais baixo, ocasionando prejuízos na maioria das medidas corporais. A restrição alimentar de 30%, no entanto, pode ser indicada como alternativa de manejo alimentar para melhorar a conversão alimentar e reduzir o consumo total de alimento. Ovinos, realimentação, restrição alimentar.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 142 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Inclusão de polpa de caju desidratada na alimentação de ovinos

      A pesquisa foi realizada para avaliar o desempenho, a digestibilidade e o balanço de nitrogênio e analisar a viabilidade econômica da inclusão de polpa de caju desidratada na alimentação de ovinos em confinamento. Foram utilizados 20 ovinos machos mestiços da raça Santa Inês em confinamento, distribuídos em delineamento de blocos casualisados, com cinco tratamentos (0, 10, 20, 30 e 40% de polpa de caju desidratada - PCD) e quatro repetições. As dietas, isoprotéicas, foram compostas de feno de tifton - 85 moído (Cynodon spp.) como volumoso e concentrado formulado com milho, farelo de soja, polpa de caju desidratada e sal mineral. Os níveis de polpa de caju desidratada na dieta não interferiram no consumo de MS e PB (g/dia) e na conversão alimentar. O consumo de FDN elevou e o ganho de peso diminuiu com o aumento da inclusão da polpa de caju desidratada na dieta. Para ganho médio diário, a polpa de caju desidratada pode ser incluída em proporções de até 30% (nível que proporcionou o melhor retorno econômico). A inclusão de polpa de caju desidratada em rações para ovinos na fase de terminação reduziu a retenção de nitrogênio e afetou negativamente a digestibilidade dos nutrientes (MS, PB, FDN e FDA). Alimentos alternativos, conversão alimentar, ganho de peso.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 188 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Intoxicação por agrotóxicos no Brasil

      Fontes oficiais de registro sobre intoxicação por agrotóxicos. Análise dos sistemas oficiais de informação. Banco de dados dos Receituários Agronômicos. Estudos brasileiros dimensionando a freqüência de intoxicações entre trabalhadores rurais. Receituário Agronômico como fonte de informação de exposição. Questões sobre a classificação toxicológica. A confirmação laboratorial: dificuldades em relação a acetilcolinesterase e outros exames. Estudos brasileiros sobre intoxicações por agrotóxicos. Os sistemas oficiais de informação e desafios para realização de estudos epidemiológicos. O Brasil é um dos líderes mundiais em consumo de agrotóxicos e os trabalhadores expostos são numerosos e diversificados. As intoxicações agudas são a face mais visível do impacto destes produtos na saúde. A avaliação dos vários sistemas oficiais de informação que notificam os casos de intoxicações concluiu que nenhum deles responde adequadamente ao papel de sistema de vigilância. Na prática, só se registram os casos agudos e mais graves. Uma importante lacuna é a informação de exposição a agrotóxicos: a avaliação da única fonte oficial (os Receituários Agronômicos) revelou muitas limitações. A revisão das publicações brasileiras aponta um crescimento quantitativo e qualitativo dos estudos nesta área, com vários tipos de abordagens. O impacto da intensa carga química e o enorme contingente de trabalhadores expostos são duas importantes razões para o desenvolvimento da pesquisa epidemiológica sobre intoxicações por agrotóxicos, que no Brasil ainda tem um vasto campo para se desenvolver. Pesticidas, Sistemas de informação, Saúde ocupacional.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 145 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Substituição do milho pela casca de café ou de soja em dietas para vacas leiteiras

      Comportamento ingestivo, concentração de nitrogênio uréico no plasma e no leite, balanço de compostos nitrogenados e produção de proteína microbiana. Objetivou-se avaliar o efeito da substituição do milho pela casca de café ou pela casca de soja em dietas à base de cana-de-açúcar, com 60% de concentrado, sobre o comportamento ingestivo, o pH e a concentração de amônia no líquido ruminal, a excreção de uréia na urina (EU), a concentração de N-uréia no plasma (NUP) e no leite (NUL), o balanço de compostos nitrogenados e a síntese de proteína microbiana em vacas leiteiras, em comparação a uma dieta com silagem de milho. Foram utilizadas 12 vacas holandesas, puras e mestiças, distribuídas em três quadrados latinos 4 x 4. A dieta controle foi composta de silagem de milho e 40% de concentrado (SiMi), com base na MS. Foram utilizadas três dietas contendo cana-de-açúcar e 60% de concentrado, de modo que os percentuais de substituição do milho foram 0% (CMi), 25% com casca de café (CCC) ou 50% com casca de soja (CCS), com base na MS total da dieta. O tempo total de mastigação foi menor para a dieta SiMi e não foi afetado pela inclusão de casca de café ou casca de soja. O pH ruminal não diferiu nos tempos 0 e 3 horas após a alimentação matinal. A dieta CCC resultou, três horas após alimentação, em menor concentração de amônia ruminal em relação às demais, com exceção da dieta CMi. Não foram observadas diferenças na EU e NUL, sendo registrados valores médios de 179,31 mg/kg de PV e 12,59 mg/dL, respectivamente. A substituição do milho pela casca de café ou de soja não promove melhora no ambiente ruminal. A síntese de compostos nitrogenados microbianos e a eficiência microbiana ruminal não são influenciadas pelas dietas e apresentam valores médios de 273 g/dia e 130,08 gPBmic/kg de NDT, respectivamente. Eficiência do nitrogênio, funcionamento ruminal, subprodutos.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 144 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Influência da velocidade de deslocamento da plantadora sobre a uniformade de distribuição de tubércu

      Este trabalho teve como objetivo avaliar a influência da velocidade de deslocamento de uma plantadora de duas linhas sobre a uniformidade de distribuição da batata, verificando o espaçamento longitudinal, profundidade do tubérculo, número de tubérculos por metro e a capacidade operacional. Foram realizadas determinações em 88 pontos, em delineamento em blocos ao acaso, com 2 tratamentos definidos pelas velocidades de trabalho, com 4 repetições. De acordo como os resultados obtidos, verifica-se que a menor velocidade proporcionou mais adequada profundidade de plantio e melhor distribuição de tubérculos por metro, concorrendo, também, para que se obtivesse maior eficiência da máquina durante a operação de plantio. Distribuição longitudinal de tubérculos, profundidade de plantio, desempenho da plantadora.

      (Adicionado: 3ªf Out 02 2007 | Visitas: 157 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15