Biologia

Páginas: [<<] 1 2 3 4 5 [>>]

    • Produtos Preservados por Açúcar doce em massa

      Conservação por Adição de Açúcar. Doce em Massa. Formação do Gel e seus Componentes. Substâncias Pécticas. Ácidos. Açúcar. Processamento de Doce em Massa. Descrição das Etapas do Processamento. Defeitos do Processamento de Doce em Massa. Processamento de Doce em Massa de Goiaba (Goiabada). Processamento de Doce em Massa de Banana (Bananada).

      (Adicionado: 4ªf Jun 13 2007 | Visitas: 241 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Análise temporal da heterogeneidade florística e estrutural em uma floresta ribeirinha

      Neste trabalho, foram estudadas a composição florística e a estrutura fitossociológica da vegetação em um fragmento de floresta ribeirinha, ao longo do rio Passa Cinco, Ipeúna, SP. Foram amostradas 157 parcelas contínuas de 5 x 10 m, em uma área de 0,785 ha. Foram feitas medidas de diâmetro e mapeados todos os indivíduos com DAP maior ou igual a 5 cm, em 1989 e 1998. Constatou-se a presença de um mosaico vegetacional e discutiram-se os possíveis fatores definidores deste mosaico. Foram, também, verificadas as alterações florísticas e fitossociológicas na área após nove anos. As análises multivariadas da vegetação mostraram a presença de três grupos vegetacionais com grande sobreposição aos três tipos de solo identificados na área. As análises quantitativas da estrutura da comunidade mostraram diferenças em cada um destes grupos, que se mantiveram ao longo do tempo, indicando associações florísticas próprias com grande correlação à cada tipo de solo. O grupo vegetacional sobre solo aluvial, na faixa imediatamente paralela ao curso d’água, apresentou diferenças florísticas mais pronunciadas, e maior diversidade de espécies, área basal e densidade de indivíduos. Em nove anos, poucas alterações na estrutura fitossociológica foram observadas para as espécies de maior valor de importância na área, com um aumento de 2,01% do número total de indivíduos e 2,80% na área basal total.

      (Adicionado: 4ªf Jun 06 2007 | Visitas: 228 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Florística e fitossociologia de área de cerrado S.S. no município de Patrocínio Paulista, nordeste d

      A necessidade de se conhecer mais sobre o Bioma Cerrado torna-se cada vez mais urgente, devido à sua destruição acelerada. Este trabalho realizou o levantamento florístico-fitossociológico de uma área de cerrado sensu stricto na Fazenda Santa Cecília, município de Patrocínio Paulista, nordeste do Estado de São Paulo (20º 46' 2" S e 47º 14' 24" W, 836 m de altitude e Neossolo Quartzarênico). Em 30 parcelas de 10 x 10 m, foram amostrados 511 indivíduos arbustivo-arbóreos de PAP > 15 cm, pertencentes a 30 famílias, 38 gêneros e 53 espécies. As famílias com maior riqueza específica foram Fabaceae (sete espécies), Myrtaceae (cinco espécies), Vochysiaceae (quatro espécies), Annonaceae (três espécies) e Caesalpiniaceae (três espécies), totalizando 45% das espécies. As espécies de maior valor de importância (IVI) foram: Qualea grandiflora (62,38), Dalbergia miscolobium (22,24), Styrax camporum (21,86), Ocotea corymbosa (18,02), Qualea parviflora (14,97) e Qualea multiflora (11,46). A comunidade arbórea apresentou densidade de 1.703 indivíduos por hectare, índice de Shannon (H') de 3,05 e índice de similaridade de Jaccard (ISj) de 45% quando comparado com área próxima de cerrado.

      (Adicionado: 4ªf Jun 06 2007 | Visitas: 233 | Colocação: 9.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Comunicações Técnicas Florestais. Idade e crescimento das árvores

      A idade de qualquer organismo vivo é o período de vida que ele tem, considerado desde a sua origem ou surgimento até um ponto determinado no tempo. Souza (1973) define a idade da árvore como o número de anos transcorridos desde a germinação da semente, ou da brotação das touças de uma raiz, até o momento em que é observado ou medido. Genericamente o estudo da idade e crescimento da árvore, das florestas, e suas implicações são tratados pela epidometria (Mackay, 1964). A idade de uma floresta ou povoamento florestal torna-se um conceito vago, pois nem todas as árvores que as compõe iniciam o seu crescimento ao mesmo tempo. Nesse sentido, emprega-se a idade média das árvores como maneira de aproximação. Porém para as práticas de manejo florestal, se faz necessário que as florestas nativas e os reflorestamentos possam ser caracterizados por uma idade definida. Chama-se de povoamentos coetâneos ou maciços florestais equietâneos ou equiâneos, quando as árvores neles existentes são da mesma idade. Normalmente os plantios de reflorestamentos pertencem a essa categoria. Florestas nativas são geralmente maciços multiâneos, também chamadas de idades múltiplas e variadas. Também é encontrado na literatura o termo de idades irregulares, quando os plantios florestais ou florestas nativas apresentam árvores com diferentes idades. (Formato PDF).

      (Adicionado: 5ªf Mar 22 2007 | Visitas: 247 | Colocação: 9.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Estudo das plantas arbóreas e ornamentais dos cemitérios públicos de Campina Grande-PB

      Campina Grande é conhecida também como Rainha da Borborema, homenageada por ser uma das importantes cidades da Paraíba. Localizada no planalto da Borborema, de clima agradável, é conhecida nacionalmente por suas tradições juninas, carnavalescas e folclóricas. Apresenta atualmente 8 cemitérios distribuídos no centro, bairros e periferia, em condições físicas parcialmente precárias. Sendo de maior importância para os campinenses, em uma data homenageada nacionalmente no dia 02 de novembro, conhecido como dia de finados, no qual são feitas visitas in loco oferecendo suas preces aos entes perdidos. O desenvolvimento deste trabalho teve objetivo de constatar o número existente da flora encontrada nos cemitérios públicos, identificando as plantas ornamentais e quantificando as arbóreas nestes cemitérios públicos. As visitas aos mesmos foram feitas num período de 10 meses, utilizando blocos para anotações do nome vulgar, do número de vegetais presentes, em seguida, através de livros de Botânica, constatava-se o nome científico, família, características e a origem do vegetal, podendo, desta forma, saber o número de espécies nativas e exóticas; com uma máquina fotográfica fez-se registros fotográficos de algumas espécies. Durante o levantamento, percebeu-se uma grande freqüência das famílias: anacardíceae, araceae, arecaceae. Foi possível verificar, também, as espécies herbáceas, arbustivas e arbóreas, onde se constatou as 45 famílias existentes nos cemitérios. Nas visitações rotineiras, viu-se o bom gosto de algumas pessoas, que são conhecidas como zeladoras, que trabalham conservando as espécies encontradas nos cemitérios públicos de Campina Grande-PB.

      (Adicionado: 3ªf Mar 06 2007 | Visitas: 250 | Colocação: 9.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Divergência genética em acessos de quiabeiro com base em marcadores morfológicos

      Vinte e sete caracteres morfoagronômicos, 13 quantitativos e 14 qualitativos, foram utilizados para a avaliação da diversidade genética em 39 acessos do gênero Abelmoschus, por meio das análises de agrupamento hierárquico do vizinho mais próximo e de componentes principais, utilizando-se a distância Euclidiana média padronizada como medida de dissimilaridade. As plantas foram cultivadas em condições de campo na Universidade Estadual do Norte Fluminense, em Campos dos Goytacazes, utilizando-se o delineamento experimental em blocos ao acaso com quatro repetições. A formação dos grupos de acessos, com base no método hierárquico do vizinho mais próximo, revelou resultados semelhantes aos obtidos pela análise em componentes principais, já que ambos os métodos reuniram os acessos de A. esculentus e A. caillei. O método hierárquico agrupou os genótipos de forma idêntica tanto para os 27 descritores quantitativos e qualitativos quanto para os 13 descritores quantitativos separadamente, demonstrando que os descritores qualitativos tiveram pouca influência na discriminação genotípica. Por outro lado, os descritores qualitativos foram capazes de classificar corretamente as espécies, porém mascararam a variabilidade genética no germoplasma, não possibilitando um rastreamento mais abrangente dos genomas. Os descritores que menos contribuíram para a discriminação dos acessos foram, largura do epicálice, peso de 100 sementes, número de segmentos do estigma, altura da planta, comprimento da folha, largura da folha, nó do primeiro florescimento e comprimento do fruto.

      (Adicionado: 2ªf Dez 11 2006 | Visitas: 251 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Diversidade genética em quiabeiro baseada em marcadores RAPD

      Avaliou-se a utilização de marcadores RAPD para estimar a diversidade em 42 acessos do gênero Abelmoschus e um de Hibiscus. As estimativas das distâncias genéticas foram feitas com base no complemento aritmético do Índice de Jaccard. Foram utilizadas as técnicas de análise multivariada, através de agrupamento hierárquico do vizinho mais próximo e método de Tocher, para estudar os arranjos dos grupos de genótipos, bem como analisar os métodos de agrupamentos empregados. Trinta e um iniciadores foram utilizados para amplificar fragmentos de DNA pela reação de polimerização em cadeia (PCR) e foram gerados 103 fragmentos RAPD. O agrupamento hierárquico dos 43 genótipos com base no método do vizinho mais próximo separou os acessos, de modo geral, conforme as espécies botânicas, formando 6 grupos distintos. Isto foi confirmado pela projeção das distâncias genéticas no plano bidimensional, onde o primeiro e maior dos grupos reuniu os acessos de A. esculentus e A. caillei. Por outro lado, o método de Tocher reuniu 90% do germoplasma no grupo I incluindo, neste, os acessos de A. moschatus e A. manihot, além das outras duas espécies anteriores. O método de otimização de Tocher permitiu a formação de apenas 4 grupos de genótipos, mostrando-se coerente apenas em parte à análise de agrupamento hierárquico. Porém, o reagrupamento dos acessos do grupo I de Tocher pelo método hierárquico, revelou a existência de maior heterogeneidade genética no germoplasma estudado.

      (Adicionado: 2ªf Dez 11 2006 | Visitas: 248 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Alimentação de codornas com milho moído e ração de postura no período pós-jejum urante a muda

      O experimento foi realizado com o objetivo de avaliar o desempenho de codornas poedeiras alimentadas por diferentes períodos com milho moído ou ração de postura durante sete dias após três dias de jejum, método de muda utilizado. Após esse período, as aves foram alimentadas com ração de postura durante as 20 semanas do período experimental. Utilizou-se um delineamento inteiramente ao acaso com três tratamentos (ração de postura por sete dias, ração de postura por três dias e milho moído por quatro dias e milho moído por sete dias), e quatro repetições de 24 aves por parcela. Os resultados mostraram que aves alimentadas apenas com ração de postura nos sete primeiros dias após o jejum apresentaram maior produção de ovos nas seis primeiras semanas do período de produção pós-muda. Porém, não foi constatado efeito de tratamento sobre a produção de ovos, peso dos ovos, consumo de ração e conversão alimentar durante as 20 semanas do período experimental.

      (Adicionado: 3ªf Nov 21 2006 | Visitas: 259 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Alterações morfólogicas de codornas poedeiras submetidas a muda forçada

      Objetivou-se avaliar as alterações físicas, produção de ovos e mortalidade de codornas poedeiras submetidas a muda forçada, durante um período de jejum. Utilizou-se um delineamento inteiramente ao acaso, com quatro tratamentos (0, 1, 2, e 3) dias de jejum, com três repetições de 36 aves por parcela. No início e ao final do período de jejum 2 aves por parcela foram abatidas, pesadas individualmente e sacrificadas para retirada e avaliação do ovário, oviduto, e fígado. Os resultados mostraram que no período de jejum de três dias houve uma redução de 25,64% no peso vivo, a produção de ovos caiu a 2,81% e a mortalidade foi de 4,60%.

      (Adicionado: 3ªf Nov 21 2006 | Visitas: 242 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Alterações morfológicas e desempenho de cordornas

      O experimento objetivou avaliar as alterações físicas, produção de ovos e mortalidade de codornas poedeiras alimentadas por diferentes períodos com milho moído após muda forçada. Utilizou-se um delineamento inteiramente ao acaso, com três tratamentos (0, 4 e 7) dias de alimentação com milho moído e quatro repetições de 30 aves por parcela para análise do peso vivo e mortalidade e duas aves por parcela para análise das características físicas. Os resultados mostraram involução do aparelho reprodutivo até o quarto dia após muda forçada. Após sete dias, as aves alimentadas com ração de produção atingiram o peso que possuíam antes da muda forçada, e aos onze dias, as aves alimentadas com milho moído por sete dias não haviam ainda recuperado o peso de aparelho reprodutivo existente antes da muda forçada.

      (Adicionado: 3ªf Nov 21 2006 | Visitas: 240 | Colocação: 4.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Segundo registro de Sterrastrolepis brasiliensis Volkmer-Ribeiro & De Rosa-Barbosa (Demospongiae, Po

      A descoberta recente, no fundo rochoso do Rio Piquiri, Bacia do Paraná, Brasil, de Sterrastrolepis brasiliensis Volkmer-Ribeiro & De Rosa-Barbosa, 1978, uma espécie de esponja continental ameaçada, possibilitou o registro fotográfico de espécimes vivos, o aperfeiçoamento das ilustrações ao MEV e da descrição de algumas características, a descrição do habitat e o registro de uma assembléia de esponjas composta por S. brasiliensis, Oncosclera navicella (Carter, 1881) e Oncosclera tonolli (Bonetto & Ezcurra de Drago, 1968). Oncosclera tonolli tem seu primeiro registro para águas brasileiras e para a Bacia do Paraná. Gêmulas de O. navicella são tambem ilustradas ao MEV.

      (Adicionado: 6ªf Set 22 2006 | Visitas: 248 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Influência do tempo de contagem na determinação da densidade de nêutrons

      Com o objetivo de se estudar a influência do tempo de contagem na determinação da densidade de nêutrons moderados com uma sonda de nêutrons, num Latossolo localizado na área experimental do Departamento de Engenharia Rural, da Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu, SP, coletaram-se dados no interior de uma estufa de polietileno, a três profundidades no solo, 15, 30 e 45 cm, com tempos de contagem de 1, 4, 16, 32, 64, 128 e 256 s, com cinco repetições. Para avaliação da variabilidade entre as leituras, utilizaram-se métodos estatísticos descritivos: variância, desvio-padrão, valores de amplitude e coeficiente de variação. Para se determinar a influência do tempo de contagem no valor das leituras, utilizou-se o teste F e comparação entre médias através do teste de Tukey. Com exceção da profundidade de 45 cm, observou-se pequena variabilidade entre as leituras obtidas para cada tempo de contagem e uma significante variação entre as médias das leituras obtidas com curtos (1 e 4 s) e longos (tempos maiores de 16 s) tempos de contagem. O uso de longos tempos de contagem (maiores de 32 s) não ocasiona diferença significativa na magnitude das leituras.

      (Adicionado: 3ªf Ago 29 2006 | Visitas: 294 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A construção de um modelo de saúde complexo e transdisciplinar

      A saúde como um estado dinâmico coerente e construtivo do ser vivo é o fundamento da proposta deste texto. Nessa ótica, uma visão sistêmica e integrativa do ser humano a ser cuidado na prática diária da saúde está sendo proposta com base nos conceitos de pesquisadores e educadores das últimas décadas. Conceitos de caos, complexidade, transdisciplinaridade e auto- organização são introduzidos e fazem mais sentido como temas orientadores dos procedimentos sugeridos. Maneiras de promover a saúde assim compreendida são discutidas em algumas situações práticas, incluindo o atual programa oficial da Estratégia da Saúde da Família.

      (Adicionado: 3ªf Ago 22 2006 | Visitas: 268 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Aristóteles para biólogos

      Aristóteles: um classificador incansável. Empirismo e explicação teórica. O que têm em comum Aristóteles e os estudantes de biologia? Como pensar Aristóteles "conversando" com biólogos? É raro um estudante de biologia buscar em uma biblioteca alguma obra de Aristóteles, mesmo que ele tenha ouvido falar que as primeiras contribuições para a classificação animal tenham sido feitas por esse filósofo nos 12 últimos anos de sua vida. Afinal, deve pensar o estudante, as primeiras classificações biológicas, de fato, devemos a Lineu, no século XVIII. No entanto, não é bem assim. A leitura de Aristóteles, como a de Platão pode ser uma instigante tarefa para os biólogos em formação. Se pensarmos o que levou esses filósofos à procura de como se dá o conhecimento, de como conhecemos, vamos admirar mais ainda o espírito inquieto e perspicaz dos gregos antigos que são, de uma forma ou outra, a herança que temos para pensar o conhecimento de nossas áreas.

      (Adicionado: 4ªf Ago 16 2006 | Visitas: 272 | Colocação: 9.00 | Votos: 3) Avaliar
    • Homeopatía para Plantas

      O físico alemão Walter Kaufmann (1871- 1947) chegou um pouco antes aos mesmos resultados do físico Inglês, Joseph John Thonson (1856 - 1940) e até mais precisos, sobre os raios catódicos. Mas não afirmou ter descoberto partículas menores do que o átomo. Foi influenciado pelo físico e filósofo austríaco Ernest Mach (1838 - 1916), que defendia ser “anticientífico” propor a existência de algo que não podia ser observado. Tropeçou na filosofia e perdeu a chance de ser o descobridor do elétron.

      (Adicionado: 4ªf Ago 02 2006 | Visitas: 322 | Colocação: 5.00 | Votos: 1) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15