Ciências sociais

Páginas: [<<] ... 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 ... [>>]

    • Variações disciplinares: Uma leitura foucaultiana da trilogia Matrix

      A caracterização teórica de elementos disciplinares. As variações disciplinares decorrentes da constituição do indivíduo na trilogia Matrix. Este estudo aborda aspectos disciplinares através de uma leitura foucaultiana da trilogia Matrix. O objetivo é enfocar como esses elementos estão inseridos no contexto social, e consequentemente, na constituição do indivíduo. A disciplina, portanto, será o fator estrutural que conduzirá o caminho a ser trilhado durante a composição deste trabalho. Contudo, não a disciplina como forma de poder vigente, e sim as variações disciplinares que são ocasionadas pelo indivíduo frente às alterações significativas em sua constituição. O que pretende-se é esclarecer a importância dos elementos disciplinares no tocante às relações de poder que coagem os indivíduos na sociedade, e mostrar que, independentemente de sua constituição, haverá sempre uma forma de poder disciplinar atuando sobre o indivíduo. Para isso, foram feitas análises de situações apresentadas na trilogia Matrix frente ao pensamento foucaultiano, para que a análise emprrendida tenha um embasamento teórico consistente no tocante às variações disciplinares, decorrentes da constituição do sujeito. E, de fato, o que pôde ser percebido, é que o indivíduo está sempre sofrendo alguma forma de controle disciplinar pelo sistema detentor do poder. Quanto aos elementos que moldam a constituição do indivíduo, sejam quais forem, não são capazes de mudar esse fato. Palavras-chave: Constituição do indivíduo, variações disciplinares, leitura foucaultiana, trilogia Matrix, sociedade, disciplina.

      (Adicionado: 6ªf Mar 06 2009 | Visitas: 48 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Recebendo visitantes estrangeiros

      Receber visitantes estrangeiros, fazendo-os sentir em casa, é uma arte que nem todos dominam. E, no entanto, «não há hoje actividade profissional, cultural ou empresarial que possa isolar-se dentro de portas.»[1]. Segundo o Prof. Nelson Speers[2]: «estando o cerimonial inerente a todo convívio do homem, certamente ele está envolvido na atividade econômica da "globalização". Em decorrência, o homem dentro dessa circunstância da globalização, terá que viver certamente em mais de uma cultura. Os meios de comunicação, incluindo os transportes e a Internet, tornam intenso o ritmo dessa convivência, resultando em uma necessidade cada vez maior de informações.» Quando se trabalha em cerimonial, o desconhecimento dos valores e tabus das outras culturas pode levar-nos a cometer erros e a melindrar pessoas involuntariamente. é certo que em cada país prevalece o cerimonial nacional e que quem organiza uma cerimónia com representantes de 30 países não precisa de conhecer as regras que regem o cerimonial em cada um destes países. Mas saber um pouco mais sobre a cultura de cada um dos participantes pode ajudar ao êxito da reunião ou encontro.

      (Adicionado: 4ªf Dez 31 2008 | Visitas: 98 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Mensagens subliminares em anúncios de revistas em quadrinhos

      Jornalista e professor universitário. Além de ser especialista em Teorias e Técnicas da Comunicação e mestre em Comunicação e Mercado, ele também é colecionador de revistas, "gibis" e de outros produtos oriundos da Indústria Cultural, por isso um entusiasta das discussões sobre essa área. Esta é uma análise que pretende descrever e comparar anúncios de revistas em quadrinhos de super-heróis de três épocas distintas. Para um estudo descritivo preliminar de peças publicitárias dos anos 40, 70 e 90, publicadas nas próprias revistas em quadrinhos brasileiras, foi necessária uma descrição detalhada desses próprios anúncios. Neste sentido, foram realizadas análises baseadas na Teoria da Comunicação Subliminar e na Midiologia, por meio das quais foram des-critas, principalmente, formas, cores e técnicas publicitárias utilizadas na criação e no desenvolvimento das peças e das campanhas. É sabido que a criação publicitária sofre, de época em época, algumas influências, principalmente no comportamento do consumidor. Por isso, quando comparamos anúncios publicitários de um mesmo produto, mas que foram publicados em décadas distantes, verificamos apelos e enfoques completamente diferentes. é claro que o desenvolvimento das técnicas e teorias publicitárias, midiáticas, psicológicas e mercadológicas também contam nas abordagens de cada época.

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 190 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Ecoética e o principio da responsabilidade de Hans Jonas. Aplicação à Saúde Pública

      Retrospectiva histórica. Hans Jonas e a ecoética. Saúde pública e ambiente. Durante toda a História da Humanidade até á época medieval, a Natureza afigurou-se como duradoira e permanente, que sofria ciclos e alterações mas era sempre capaz de recuperar sem dificuldade, inclusivamente das pequenas agressões que o Homem lhe causava com as suas localizadas intervenções. Esta concepção mudou radicalmente com a ciência moderna e a técnica dela derivada. O Homem passou a constituir, de facto, uma ameaça para a continuidade da Vida na Terra. Não só pode acabar com a sua existência como também pode alterar a essência do Homem e desfigurá-la mediante diversas manipulações. Tudo isto representa uma mutação tal no campo da acção humana que nenhuma ética anterior se encontra á altura dos desafios do presente. Torna-se necessária uma nova ética: uma ética orientada para o futuro. Tal não significa que seja concebida para que a pratiquem apenas "os homens de amanhã". Ao contrário, trata-se duma ética que deve reger precisamente os "homens de hoje" por forma a garantir que haja "os homens do futuro". Hans Jonas dedicou-se a esta problemática, tendo proposto uma filosofia baseada no Princípio da Responsabilidade, apresentando um novo paradigma ético, vocacionado para o nível colectivo e para acção dos agentes político-sociais, grandes responsáveis e contribuintes para "regrar e orientar da acção humana", "uma ética actual que se preocupa com o futuro, que pretende proteger os nossos descendentes das consequências das nossas acções presentes". Este documento de reflexão circunscreve-se á Natureza Ambiental extra-humana e á Ecologia no sentido referente ás relações entre o comportamento humano e as consequências da intervenção sobre o Ambiente Natural.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 106 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Ética nos negócios, alguns desdobramentos práticos

      A ética como alicerce da sociedade e das ações, impondo limites e estabelecendo valores. As empresas como desdobramento prático da organização humana e a necessidade de princípios e valores na tomada de decisões. As vantagens de se orientar por princípios éticos e os erros mais comuns ao se propor programas sobre ética. A ética como questão de sobrevivência para as organizações. O acirramento da concorrência global entre empresas, as crises econômicas e as transformações no mercado de trabalho com regras ditadas pelo Capitalismo coloca em jogo questões sobre crenças, valores, ideais de felicidade e bem estar comum. As novas tecnologias lidam não apenas com avançados aspectos técnico-científicos, lidam com conceitos, religiões e com a cultura das pessoas. Hoje as novas tecnologias desenvolvem-se mais visando resultados de mercados do que resultados para o bem estar, muitas empresas privadas transnacionais investem mais em tecnologia e pesquisa do que muitas nações poderiam fazer. Estes avanços científicos e constantes evoluções mercadológicas muitas vezes abalam e colocam em discussão se não há limites no avanço destas novas ciências, se a corrida desenfreada rumo ao desenvolvimento para uns não significa o prejuízo de outros.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 95 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Ética, tecnologia e sociedade no espaço da organização

      O descompasso entre evolução tecnológica e a discussão ética. As empresas assumindo seu papel social diante da evolução dos mercados. A ética na sustentação de mercados, a imagem das organizações e o emprego da ética como vantagem competitiva para os negócios. Talvez, nos dias atuais, todo o conhecimento que uma criança de oito anos possua represente muito mais que quase todo o conhecimento prático que um monge medieval possuía do mundo ao final da vida naqueles tempos. Agora, é muito provável que um jovem leitor de Ficção Científica nos anos 40 ou 50 ficaria decepcionado se visse até onde chegamos, ou melhor, evoluímos, nas áreas de conservação e geração de energia, sem falar nas áreas de propulsão e locomoção e em métodos para deter o envelhecimento ou prolongar a vida. Ainda em 2005 o Homem não pousou em Marte, não gerou novas formas de energia e nem transpôs a barreira tempoespaço. Porém os criadores do supercomputador ENIAC I nos Estados Unidos da América ou do COLOSSUS, o super-secreto decifrador de códigos nazista inglês da II Guerra Mundial, não imaginariam que seria possível escrever este texto em uma residência com um notebook que cabe em uma pasta e bem mais poderoso do que os históricos computadores valvulados dos anos 40 e 50, isto pouco mais de 60 anos depois.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 99 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Futuros antecipados: Um estudo sociológico sobre o risco genético de cancro hereditário

      Futuros antecipados: Um estudo sociológico. sobre o risco genético de cancro hereditário. Nesta comunicação apresentam-se alguns dos dados da pesquisa realizada no âmbito do doutoramento em sociologia, subordinada ao tema "o quotidiano dos sujeitos em risco genético de cancro hereditário". O objectivo foi saber como é que este sujeitos experienciam e gerem o diagnóstico de risco genético de cancro hereditário e quais as estratégias que encetam, para no seu quotidiano, viverem com o risco de que são portadores. Verificou-se que, face ao risco genético de que são portadores e que escapa á sua lógica de controlo, a pressão é colocada sobre a ciência e a medicina, de forma a encontrarem novos formas de se relacionarem com o impacto de decisões passadas ou presentes. Quando a mestria individual se revela inoperante, surge a necessidade de assumir a responsabilidade por aquilo que lhes sobrevive e criar futuros contemporâneos, que, mais não são que presentes para as gerações futuras. O que ressalta é a força desta projecção responsável, de que a ciência e a medicina são os protagonistas, mas onde é o tempo que marca os ritmos de actuação. Não depende deles, mas da ciência (e da sua contínua evolução), que o presente cumpra a sua promessa de futuro. Para os indivíduos em risco genético de cancro hereditário, o futuro torna-se o refúgio da esperança.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 97 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Gestão institucional para a inclusão social na escola e na comunidade

      O Estudo de caso tem como eixo temático á Qualidade na Educação. Apresenta uma experiência institucional muito bem sucedida com a Educação Emancipadora e a Gestão da Inclusão Social. Avalia a contribuição das Práticas Pedagógicas inovadoras no Projeto Recreação e Cidadania de forma alternativa e interativa. Percebe na Gestão do Professor a qualidade na educação, pois a sua ação favorece a aprendizagem e a cidadania pró-ativa. Transforma as pessoas, melhora a convivência e a participação social. Nos aspectos metodológicos é do tipo misto, de nível exploratório e descritivo. Atua numa linha de investigação sócio-educativa, por meio da pesquisa-ação e percebe a escola como uma instituição capaz de favorecer a inclusão social.

      (Adicionado: 4ªf Nov 12 2008 | Visitas: 135 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Movimento Negro e a relação Classe/Raça

      Neste início de século, parece não haver dúvidas sobre a consolidação do movimento negro no cenário das lutas sociais do Brasil. Seu combate contra o racismo, chega ao século XXI de modo bastante forte e atuante. Numa demonstração de importância em relação ao conjunto dos movimentos sociais. Graças a isso, a discriminação racial, que é um dos principais problemas estruturais da nação brasileira, ganhou uma ampla visibilidade social. O que, de certa forma, forçou mais uma vez o debate sobre a questão racial no Brasil e a situação subalterna dos negros. Entretanto, esse avanço não se deu de modo harmônico e consensual internamente. Em muitos momentos o próprio movimento negro demonstra fragilidades em relação á sua unidade. Principalmente sobre a questão que envolve a relação classe/raça. De um lado, existem setores defensores de uma luta anti-racismo desvinculada com a questão de classe, já que para eles, no Brasil o elemento determinante para a situação social de um indivíduo é muito mais racial do que classista. De outro, argumentam que no Brasil, assim como em qualquer outro país capitalista, a situação de classe interfere diretamente nas questões raciais. E neste sentido, a luta anti-racismo deve ser vinculada á luta de classes.

      (Adicionado: 4ªf Nov 12 2008 | Visitas: 123 | Colocação: 1.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Não conte a ninguém! Gênero e homofobia na América Latina

      A partir da descrição do filme peruano Não conte a ninguém, dirigido por Francisco Lombardi em 1988, este artigo pretende uma discussão acerca de algumas representações da homossexualidade presentes nas culturas latino-americanas. Recorre-se a uma revisão dos estudos de sexualidade e gênero até a constituição de um corpo teórico que permite menos a explicação das diferenças do que o questionamento dos discursos hegemônicos, a queer theory, bem como esboça-se algumas representações da homossexualidade recorrentes nas culturas latino-americanas. Dessa forma, há um questionamento acerca das idéias que circundam os discursos sobre a homossexualidade que acabam por legitimar a heteronormatividade, ainda que carreguem propostas de emancipação dos sujeitos. Palavras-chave: Homossexualidade - Cinema GLBTT - Teoria Queer - Performatividade

      (Adicionado: 4ªf Nov 12 2008 | Visitas: 108 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O Carnaval das identidades: homossexualidade e liminaridade na Ilha de Santa Catarina

      O artigo aborda o carnaval gay realizado em determinados territórios de Florianópolis, como praias, bares, boates e também numa rua do centro da capital, tendo como base central a ocupação destes espaços e a sociabilidade que neles tem lugar. Realiza-se desta maneira um estudo da homossexualidade brasileira, mas por via de uma territorialidade, em vez de se centrar a análise numa suposta identidade homossexual comum a homens e mulheres que se relacionam afetiva e sexualmente com pessoas de seu próprio sexo. Através de um levantamento histórico e bibliográfico, de conversas informais e da observação participante, compreende-se este carnaval gay como a dramatização de uma vivência homossexual no Brasil, particularmente na capital catarinense, e suas possibilidades de reterritorialização para sujeitos que possuem um histórico de vidas desterritorializadas por conta de sua orientação sexual. Palavras-chave: homossexualidade; liminaridade; territorialidade.

      (Adicionado: 4ªf Nov 12 2008 | Visitas: 104 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O princípio da proporcionalidade e a validade das provas ilícitas colhidas no Inquérito Policial

      No fatídico dia 11 de setembro, Osama Bin Laden, a mais significativa figura do terrorismo mundial, foi responsável pela morte de mais de quatro mil e seiscentas pessoas, com a destruição do World Trade Center, em Nova York. Na Europa, nos últimos trinta anos, ocorreram onze atentados contra aviões e aeroportos. No último, explodiram, no ar, dois aviões Tupolev, ambos haviam decolado de Moscou, oitenta e nove pessoas morreram. No Brasil, as coisas não são muito diferentes, em São Paulo, trinta policiais civis e militares foram mortos pela facção criminosa denominada de Primeiro Comando da Capital, o maior chefe da organização, Marcos Willians Herbas Camacho, conhecido como "Marcola", ao ser chamado pelo Delegado Godofredo Bittencourt e instado a interromper a matança, respondeu: "Não, eu não posso fazer parar isso . . ., a ordem já foi dada . . ., eu posso entrar numa delegacia e matar um policial, mas um policial não pode entrar na cadeia e me matar, pois é obrigação do estado me proteger". No Rio de Janeiro, bandidos fizeram mais de uma dezena de ataques, incendiaram ônibus, metralharam postos da polícia e delegacias, dezoito pessoas morreram, algumas queimadas vivas, vinte e duas ficaram feridas.

      (Adicionado: 4ªf Nov 12 2008 | Visitas: 111 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogo para uma nova práxis. Roberto Leher e Mariana Setúb

      Neste momento histórico, em que os paradigmas teóricos que criticam a ordem do capital e as políticas neoliberais são revisitados, este livro representa o despertar de novos olhares e o florescer de novas perspectivas de luta para os que vivem e teorizam os movimentos sociais. Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogo para uma nova práxis, pode ser visto como uma luz na escuridão, pois possibilita uma viagem no tempo histórico das lutas vivenciadas pelo povo latino-americano na conquista da liberdade e autonomia, em que a força expressiva encontra-se centrada na cultura dos povos indígenas e negros, que não permitiram o domínio da alma. Ao contrário, fizeram pulsar neste continente o sangue da liberdade e da emancipação contra o colonizador e o imperialismo, que teimam, sob diversas formas, aterrorizar a fim de homogeneizar e dominar uma população que já nasceu livre. Reafirmando a necessidade de reflexão acerca das práticas políticas, sociais e culturais dos movimentos sociais na América Latina, o livro discute as formas de dominação das políticas neoliberais, situadas na sociedade do conhecimento, globalizada, todavia, sem perder de vista os fatores históricos que efetivaram as formas de segregação do povo latino-americano e a desapropriação dos seus saberes. Para a análise da temática “paradigmas teóricos”, os autores buscaram estudos filosóficos e sociológicos a respeito da contribuição das ciências sociais para pensar a realidade sociocultural, política e econômica dos povos da América Latina.

      (Adicionado: 4ªf Nov 12 2008 | Visitas: 109 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • "Este corpo não te pertence!". Algumas reflexões sobre saúde e doença na modernidade - O caso do "Ho

      Este artigo parte da premissa de que o indivíduo da modernidade, construído a partir da filosofia política do século XVIII, senhor absoluto dos direitos de igualdade e liberdade, não dispõe de tamanho poder no que concerne ao seu corpo físico. Considerar as possíveis relações entre o individualismo e a biomedicina, nos permite observar com outros olhos as questões mais contemporâneas que envolvem os debates sobre sexualidade e direitos reprodutivos, principalmente no que se refere à homossexualidade e ao aborto. O presente trabalho tem por objetivo abordar a construção da homossexualidade no Ocidente e as implicações dos conceitos de saúde e doença nessa história que se fortalece no século XIX, mas que começa a ser cunhada a partir da Revolução Industrial do século XVIII. Se o desenvolvimento da biomedicina na era moderna se dá por um controle cada vez mais preciso dos corpos, potencialmente perigosos à ideologia liberal-capitalista, é através de movimentos em torno da corporalidade que essa ideologia tem sido questionada, invertida ou renovada, no sentido de subverter ou construir novas formas de controle

      (Adicionado: 2ªf Nov 10 2008 | Visitas: 194 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Alfabetização, necessidades e inclusão social

      No contexto da sociedade da comunicação, da reestruturação produtiva e dos riscos generalizados, como a alfabetização de pessoas jovens e adultas possibilita a satisfação de necessidades e a inclusão social? Como pessoas de pouca ou nenhuma escolaridade aplicam os conhecimentos adquiridos com a alfabetização para satisfazer os seus desejos e suas necessidades cotidianas? Este artigo discute o que motiva pessoas jovens e adultas de baixa ou nenhuma escolaridade a buscarem aprendizagem escolar (alfabetização); se elas estão conseguindo aprender a ler e escrever; e se aplicam essa aprendizagem nas suas necessidades cotidianas. Questiona se é possível estabelecer uma relação alfabetização, satisfação das necessidades cotidianas (alargamento de espaços de cidadania). Aproveita depoimentos de pessoas de pouca ou nenhuma escolaridade sobre os seus processos de vida e de trabalho e sobre os possíveis benefícios da alfabetização na sua vida cotidiana e conclui que a alfabetização é uma ação social inclusiva, quando capaz de satisfazer as necessidades objetivas e subjetivas dos indivíduos, alargando seus espaços de cidadania - inclusão social. Palavras Chaves: alfabetização e satisfação das necessidades cotidianas; alfabetização e processos de inclusão; benefícios da alfabetização na vida cotidiana

      (Adicionado: 2ªf Nov 10 2008 | Visitas: 101 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15