Educação

Páginas: [<<] ... 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 ... [>>]

    • Gestão do Conhecimento e Convergência Educacional

      Texto elaborado para uso do Comitê de Educação, do Programa Mineiro de Qualidade. Belo Horizonte, agosto, 2006. Em recente evento intitulado "Convergência Educacional" (1), seus organizadores argumentavam textualmente que a convergência tecnológica, já bem conhecida, faz-se cada vez mais presente e se manifesta na medida em que um equipamento "aprende" e incorpora funções próprias de outros. Assim, no universo da educação, algo similar se passa: cada vez mais intensamente, empresas aprendem a ser escolas - implementando portais de treinamento e universidades virtuais que incorporam preocupações pedagógicas ás ferramentas tecnológicas - e escolas aprendem a ser empresas, na medida em que implementam metodologias e instrumentos de gestão empresarial. Daí poder-se falar de convergência educacional.

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 89 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Jogos teatrais na escola pública

      O artigo apresenta os resultados parciais de pesquisa etnográfica que acompanha aspectos do desenvolvimento cultural de pré-adolescentes com a linguagem teatral em classe multisseriada, através do ensino regular de Teatro, em escola de ensino fundamental da rede pública estadual de São Paulo-SP. Os dados obtidos permitem afirmar que a linguagem cênica contribui na conscientização das novas possibilidades de significação da palavra na prática discursiva. Palavras-chave: metodologia do ensino de artes; teatro-educação; jogos teatrais; psicologia cultural.

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 94 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Metodologias do ensino de Teatro. Procedimentos didático-pedagógicos na perspectiva de uma educação

      Inicialmente quero, sinceramente, agradecer ao Colegiado de Graduação em Artes Cênicas e á Escola de Belas Artes da UFMG - particularmente á professora Rita de Cássia Buarque de Gusmão - a oportunidade de poder compartilhar com vocês algumas idéias que possuo, no momento, a respeito da apropriação e produção do conhecimento em Teatro na escolarização. Antes de dar início ao excurso que me foi proposto sob a consigna Metodologias do ensino de Teatro, considero oportuno problematizar o sentido da palavra "metodologias" - metodologia, com "s" no final. Isso vai ajudar no entendimento do que vou dizer. Entendo por metodologia - sem o "s" - o conjunto dos métodos; no caso, o estudo comparado e historicizado de diferentes caminhos didático-pedagógicos que se apresentam como via para a apropriação do fazer teatral e da apreciação estética dos enunciados cênicos na escolarização. é o que eu faço no livro homônimo de minha autoria [2] - evidentemente estabelecendo alguns recortes no vasto universo metodológico do ensino de Teatro. [3]

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 90 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O aspecto situacional na relação aluno-professor, alguns aspectos da alteridade

      Tenta-se buscar a capacidade de contraposição do outro para que ocorra por parte do professor maior percepção da realidade social do grupo de estudantes com o qual trabalha. Analisa-se a alteridade sob alguns aspectos de modo a se criar o entendimento da necessidade da contextualização. Apresenta-se a contextualização como ferramenta da compreensão e para aproximar o que se ensina ao que se pratica sem perder os objetivos didáticos da disciplina. A afirmação de que o ensino se dá em um espaço ou ambiente favorável ao aprendizado (LIBÂNEO 2003, p. 249 e MARTINS 2003, p. 164) leva a compreensão do papel do educador como o facilitador e o condutor deste processo favorável. O papel do professor na formação universitária é fundamental, principalmente quando procura-se aproximar os conceitos ao cotidiano sem perder a ligação com a ciência. Esta necessidade de correlação ou de reunião social ocorre devido a penetração da classe trabalhadora nas escolas (MARTINS 2003, p.117) e segundo LIBÂNEO (2003, p.106) não basta ao professor conhecer o livro didático, este precisa conhecer a matéria para então instigar o aluno a pensar com conhecimento adquirido sobre um caso real, um assunto que o leve a se desenvolver seu intelecto.

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 99 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O Programa InfoEsp - "Informática, Educação e Necessidades Especiais"

      Objetivos. Histórico. Introdução: Educar para a autonomia. Referência Primeira: Construtivismo/Construcionismo. Aprendizagem baseada em projetos. O Programa InfoEsp - "Informática, Educação e Necessidades Especiais" - do Centro de Reabilitação e Prevenção de Deficiências (CRPD), unidade das Obras Sociais Irmã Dulce, tem como missão promover, utilizando os recursos de um ambiente computacional e telemático, o desenvolvimento das potencialidades cognitivas de alunos com necessidades educacionais especiais, entendidos como sujeitos do seu processo de aprendizagem e construção de seus conhecimentos. E, por meio de sua inclusão sócio-digital, torná-los mais autônomos no equacionamento e solução dos próprios problemas, capacitando-os a uma melhor interação com as pessoas e com seu meio, além de, para os alunos dos cursos técnicos oferecidos, prepará-los para um trabalho efetivo.

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 90 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • REUNI: vamos continuar calados?

      O REUNI é um programa do governo federal brasileiro que tem como meta o apoio a planos de reestruturação e expansão das universidades federais. Trata-se de uma proposta que se publica em plena vigência de políticas restritivas de investimentos no setor público, o que, á primeira vista, pode parecer um item do debate travado ao longo dos anos 1990, década de plenos ventos neoliberais. Mas isso, como foi dito, apenas á primeira vista, uma vez que aquela pode muito bem ser determinada como "a década que nunca termina" porque a concepção de Estado gestada ao longo dela permanece "vivíssima da silva", sob um governo brasileiro que, também á primeira vista, é de esquerda, mas que foi concebido ao longo das últimas décadas do século passado pelo próprio capitalismo como uma alternativa viável aos modelos que pugnavam pela transformação do sistema. Em verdade, a proposta do Estado mínimo não foi um vento que soprou apenas nos anos 1990. Ele ainda bate em nossa cara. Pede rearranjos do Estado de modo a que ele se configure como Estado-empresa ao molde capitalista. Razão pela qual propor a expansão das universidades federais em época de desinvestimento no setor público parece-me um paradoxo.

      (Adicionado: 3ªf Dez 30 2008 | Visitas: 79 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A Educação por Vir

      A fuga do presente. A autoridade do projeto. O tempo do projeto. A hora atual. Enganar o destino. A substituição do sagrado. A educação que vem. Questionário sobre a educação por vir. Antes mesmo de prescrever, de esboçar um futuro, de dizer o que deve ser feito, antes mesmo de exortar, ou somente dar o alerta, o pensamento, na raiz de sua existência, de sua forma mais matinal, é em si mesmo uma ação - um ato perigoso. Indagar pelo futuro da educação, pela educação "no século XXI", é uma dessas tarefas que, confessemos, quase nunca compensa o investimento. Poderíamos escrever" provavelmente alguém, neste exato momento, o esteja fazendo " uma história ou um compêndio das brilhantes profecias que vêm engrossando o já imenso arquivo composto pelas tolices e disparates travestidos de projeção científica. Não há como fugir a uma constatação preliminar, por amarga que pareça: o futuro não existe " a não ser na imaginação de certos primatas que, se alguma coisa têm de diferente em relação ao resto da natureza, é precisamente o fato de não se conformarem em não tê-lo. Junto com tal evidência, porém, é preciso levarmos em conta uma outra coisa, ainda mais amarga, se é que é possível: no fundo, toda cultura é uma negação do presente em nome daquilo que " por enquanto, como diriam, fazendo coro, o sonhador e o "homem de ação" " não existe.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 91 | Colocação: 9.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Alguns aspectos da didática e prática na virada do século

      Procura-se a delimitação de alguns aspectos da didática e da prática em um contexto econômico mundial vinculado aos problemas históricos e sócio-econômicos do Brasil como o centro de sérias discussões sobre o ensino brasileiro. Identifica-se a necessidade de desenvolver a competitividade da mão de obra nacional para fazer frente aos efeitos negativos da Globalização em países em vias de desenvolvimento e a preocupação de se aproximar os ideais didáticos do cotidiano das pessoas como agente promotor desta competitividade. O interesse do autor pela didática e da prática na formação universitária ocorreu por meio do contato deste com a vida acadêmica ao ingressar no curso de graduação, por ter vivido e acompanhado as transformações dos anos 80, 90 e do início deste século, além de sua experiência docente em cursos de três de graduação noturna. Também houve o interesse ao observar-se a mudança no mercado de trabalho durante a década de 90 que exigiu maior competitividade no perfil profissional por parte dos jovens ingressantes neste mercado e dos esforços do corpo docente em discutir e tentar propor alterações didáticas que atendam as demandas de mercado e as dificuldades em delinear e aplicar esta abordagem.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 66 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Arcaísmo e modernidade: as profissões

      Para o autor, toda profissão é o resultado de um processo de redução pelo qual saberes se transformam em disciplina. Com isso o aperfeiçoamento profissional constitui um empobrecimento, e não há formação integral que elimine ou atenue tal condição ambígua; mas, paradoxalmente, é ela que vai permitir ao profissional construir e fixar sua identidade. O profissional sabe que não pode saber tudo; por isso mesmo, sabe que pode mais do que qualquer curioso. Como não somos nada, o melhor é ter um canudo. Quando, porém, os títulos já não significam grande coisa, é preciso verificar se a idéia mesma de formação profissional sobreviverá. Pois o que se questiona é se as profissões serão capazes de absorver esse espírito trans, ou até anti disciplinar, que caracteriza boa parte da cultura contemporânea.

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 66 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Endereçamento curricular da ética nos PCN: O que é? Como se fez? O que fazer com ele?

      Por que o endereçamento é um problema?Primeira: De cunho onto-sociológica. Segunda: De matiz antropo-epistêmico. Terceira: De caráter ético-político. Quarta: De natureza pedagógico-curricular. Quinta: De caráter didático-escolar. Vou ler um texto incompleto e inconcluso que escrevi pensando neste momento. Meu objetivo aqui é o de apresentar algumas idéias que me vieram do estudo sobre o endereçamento curricular. O caminho que escolho pressupõe a análise documental, ainda que me valha da liberdade expositiva que esta modalidade de comunicação oferece. Em 1999, encontrava-me lecionando Filosofia Política para estudantes universitários. Certo dia, recebi a caixa contendo os dez volumes dos Parâmetros Curriculares Nacionais, os PCN, documentos do Ministério da Educação que oficializaram o currículo de parte da Educação Básica brasileira. Diante do currículo, indaguei: quem o envia? Por trabalhar com filosofia, conferi o que ele trazia sobre o assunto. Notei previsto nele o ensino do tema transversal ética. Daí vem o título da tese que hoje defendo: O Ensino de Filosofia e o Problema do Endereçamento da ética nos PCN: Controle ou Democracia?

      (Adicionado: 2ªf Dez 29 2008 | Visitas: 62 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Do desenho de palavras à palavra do desenho

      Artes e formação de professores. Por uma estética do grafismo infantil. A evolutiva do grafismo infantil segundo Vygotsky. A estética do grafismo infantil. Recursos pedagógicos para a coleta sistemática do grafismo infantil. O artigo expõe a evolutiva do grafismo infantil segundo a perspectiva da psicologia sócio-histórica e apresenta uma proposta terminológica original para a etapização do desenvolvimento gráfico-plástico infantil. Discute ainda a problemática relativa á formação do professor em arte-ensino na educação infantil e séries iniciais da escolarização nacional. A problemática relativa ao ensino das artes no país, hoje, põe em cheque a formação de professores oferecida nas licenciaturas em arte (Artes Visuais, Dança, Música e Teatro), nos cursos de pedagogia, em escolas normais superiores, habilitações para o magistério de nível médio e em programas para o aperfeiçoamento em serviço do educador.

      (Adicionado: 4ªf Dez 24 2008 | Visitas: 66 | Colocação: 6.00 | Votos: 1) Avaliar
    • O faz-de-conta e a criança pré-escolar

      O artigo expõe a concepção sócio-histórica da gênese e desenvolvimento cultural da representação dramática de natureza lúdica. Discute a complexidade da abordagem histórico-cultural ao faz-de-conta esclarecendo sua importância pedagógica na educação pré-escolar. Palavras-chave: Educação Pré-Escolar - Faz-de-Conta - Processos de Desenvolvimento - Psicologia da Educação - Teoria da Atividade.

      (Adicionado: 4ªf Dez 24 2008 | Visitas: 55 | Colocação: 9.00 | Votos: 1) Avaliar
    • A investigação da pratica pedagógica com o projeto recreação e cidadania

      A Presente Tese de Doutorado em Ciências da Educação apresentada pela aluna Lisete Maria Massulini Pigatto a Universidad Tecnologia Intercontinental investigou: a Prática Pedagógica desenvolvida com o Projeto Recreação e Cidadania na Escola Municipal de Ensino Fundamental Edy Maya Bertoia na Cidade de Santa Maria, RS, no intuito de delinear o Perfil do (a) Professor (a) para atuar com a Inclusão Social. Na Tese as idéias foram organizadas para serem discutidas, analisadas e desenvolvidas com bons resultados. A Pesquisa resulta numa experiência muito bem sucedida com o Projeto Recreação e Cidadania numa escola que inicialmente era para meninos de rua, abandonados pela sorte e atualmente é vista como uma escola modelo pelo processo de ensino aprendizagem que desenvolve com a Inclusão Social.

      (Adicionado: 6ªf Dez 19 2008 | Visitas: 79 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A Lista Negra do MEC e da OAB e o Mandado de Segurança da ANUP

      Recentemente, o Ministério da Educação e Cultura divulgou uma lista de 89 cursos jurídicos que deverão sofrer supervisão, pelo fato de terem obtido um desempenho "abaixo do esperado". O Ministro Fernando Haddad deu um prazo de dez dias para que as instituições apresentassem as suas justificativas, sob pena de se sujeitarem á suspensão dos vestibulares, á redução do número de vagas e até mesmo ao fechamento de seus cursos. Para chegar a essa "LISTA NEGRA" (http://www.profpito.com/ALISTANEGRADOMEC.html), daquelas que seriam as nossas piores instituições de ensino, o MEC utilizou o desempenho obtido pelos acadêmicos no seu ENADE - Exame Nacional de Desempenho de Estudantes e no Exame de Ordem da OAB. Veja a NOTÍCIA, publicada na página da OAB federal. Ou AQUI (http://www.profpito.com/MECdivulgalistadecursossupervi.html), para o caso de que essa notícia seja tirada do ar.

      (Adicionado: 4ªf Nov 19 2008 | Visitas: 105 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • As Práticas Curriculares e a Extensão Universitária

      A Extensão Universitária como uma das funções que compõem os pilares da instituição universidade tem sido alvo de críticas e proposições, cortejada por diversos setores da sociedade tem assumido ao longo da história diferentes concepções teóricas e ideológicas, que influenciam, inclusive, na própria concepção de Universidade. As Análises dos discursos dos estudiosos do tema apresentam abordagens teóricas que fundamentam a extensão como função social da Universidade, outrossim, no contexto da globalização, abertura de mercado e privatização das instituições públicas, uma nova abordagem teórica e prática tem se imposto á extensão universitária, qual seja, a mercadológica. Nesse sentido, torna-se importante analisar as abordagens de extensão como função acadêmica da Universidade, na perspectiva de uma ação incorporada ao que fazer universitária, estando no mesmo patamar de atividade curricular que o ensino e a pesquisa. Destarte, a extensão universitária é parte orgânica do currículo na formação de educadores e profissionais, pois a partir de sua dinâmica social se dar a produção das relações interdisciplinares entre as práticas de ensino e pesquisa, caracterizando-se como o elo de integração do pensar e fazer, da relação teoria-prática na produção do conhecimento. Palavras-chave: extensão universitária; função social; teoria-prática.

      (Adicionado: 2ªf Nov 10 2008 | Visitas: 75 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15