Historia

Páginas: [<<] 1 2 3 4 [>>]

    • O conflito entre vontade geral e vontade de todos – ou do risco da guerra civil em J.-J. Rousseau

      O interesse comum. Vontade geral e vontade de todos. O condicionamento do pacto. Actualidade em Rousseau. A cidadania. Logo nas primeiras linhas do seu Du Contrat Social ou Principes du Droit Politique (1762), Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) esclarece o desígnio, ambicioso, a que se propõe com esta obra. Diz-nos o autor: «quero investigar se na ordem civil pode existir alguma regra de administração legítima e segura, tomando os homens tais como são, e as leis tais como podem ser.» Tratar-se-ia, pois, de investigar da possibilidade de uma regra de administração, mas, note bene, sob o escrutínio de um duplo critério a satisfazer - por um lado, um critério de legitimidade, questão em torno do bem fundado que possa estar um governo civil e, antes disso, uma comunidade civil, uma civitas. Por outro lado, um critério de segurança, mesmo confiança que os homens possam depositar nessa regra de administração.

      (Adicionado: 3ªf Out 28 2008 | Visitas: 120 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Centenário do Regicídio

      Neste livro em formato digital, o site www.monarquicos.com reúne alguns dados sobre o trágico acontecimento ocorrido no dia 1 de Fevereiro de 1908 : O Regicídio de um dos Chefes de Estado mais dedicados que alguma vez Portugal teve, El-Rei D. Carlos I, e do seu filho, o Príncipe Herdeiro D. Luís Filipe. Passados 100 anos, é notório o facto de que a história que tem vindo a ser escrita sobre o fatídico acontecimento e factos adjacentes ao mesmo não tem sido clara e em muitas ocasiões omissa, errónea e até mesmo intencionalmente falsificada. Desde a criminosa acusação feita por quem faz d’El-Rei justa vítima de tamanho crime que é o assassinato; à elevação ao estatuto de heróis dos assassinos de um Chefe de Estado; passando pelas surreais afirmações de que por altura do Regicídio, Portugal se encontrava atrasado – quando, comparativamente com os tempos presentes, se encontrava imensamente mais avançada em termos culturais, sociais, económicos e até mesmo políticos – a todos os níveis. A desinformada associação do início da Democracia em Portugal à República, quando a mesma Democracia foi instituída sob o regime Monárquico, e da qual D. Carlos era fervoroso defensor.

      (Adicionado: 3ªf Out 21 2008 | Visitas: 136 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Olisipo pré-romana. Um ponto da situação

      O subsolo do casco histórico da actual cidade de Lisboa, e mais concretamente a encosta do Castelo de São Jorge, forneceu já informações valiosas sobre a sua ocupação durante a Idade do Ferro, dispersas por cerca de uma dezena de intervenções. Embora este seja ainda um número reduzido, não deixa no entanto de ser significativo quando comparado com o número de intervenções e acompanhamentos efectuados nesta zona da cidade. Tal situação deixa antever uma área ocupada cujas dimensões levantam questões sobre o papel de Olisipo no contexto da fachada atlântica e o seu relacionamento com os mundos tartéssico e turdetano. Este trabalho é motivado pela necessidade de avaliar em conjunto os resultados das intervenções efectuadas até á data, e reflectir sobre que tipo de questões podem de momento ser levantadas, bem como o género de conclusões que se podem retirar, e se de facto já podemos chegar a algum tipo de conclusão.

      (Adicionado: 3ªf Out 21 2008 | Visitas: 125 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O nepotismo

      Etimologicamente, nepotismo deriva do latim nepos, nepotis, significando, respectivamente, neto, sobrinho. Nepos também indica os descendentes, a posteridade, podendo ser igualmente utilizado no sentido de dissipador, pródigo, perdulário e devasso. A divulgação do vocábulo (ao qual foi acrescido o sufixo ismo), no sentido hoje difundido em todo o mundo, em muito se deve aos pontífices da Igreja Católica. Alguns papas tinham por hábito conceder cargos, dádivas e favores aos seus parentes mais próximos, terminando por lapidar os elementos intrínsecos ao nepotismo, que, nos dias atuais, passou a ser associado à conduta dos agentes públicos que abusivamente fazem tais concessões aos seus familiares.

      (Adicionado: 2ªf Out 06 2008 | Visitas: 124 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Para entender o pós-modernismo

      A idéia de "pós-modernismo" surgiu pela primeira vez no mundo hispânico, na década de 1930, uma geração antes de seu aparecimento na Inglaterra ou nos EUA. Perry Anderson, conhecido pelos seus estudos dos fenômenos culturais e políticos contemporâneos, em "As Origens da Pós-Modernidade" (1999), conta que foi um amigo de Unamuno e Ortega, Frederico de Onís, que imprimiu o termo pela primeira vez, embora descrevendo um refluxo conservador dentro do próprio modernismo. Mas coube ao filósofo francês Jean-François Lyotard, com a publicação "A Condição Pós-Moderna" (1979), a expansão do uso do conceito. Em sua origem, pós-modernismo significava a perda da historicidade e o fim da "grande narrativa" - o que no campo estético significou o fim de uma tradição de mudança e ruptura, o apagamento da fronteira entre alta cultura e da cultura de massa e a prática da apropriação e da citação de obras do passado.

      (Adicionado: 3ªf Set 23 2008 | Visitas: 118 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Os familiares e a inquisição no Brasil colonial

      As Origens e a Legitimação da Perseguição. Os Pecadores. Os Visitadores. Quem Eram, Suas Funções e Privilégios. Os Rejeitados. O Terror a Serviço do Santo Ofício e os Falsos Agentes. Monografia apresentada como pré-requisito para conclusão do curso de Licenciatura em História, da Universidade Veiga de Almeida, sob orientação do professor Valeriano Altoé. Monografia apresentada como pré-requisito para conclusão do curso de Licenciatura em História, da Universidade Veiga de Almeida, sob orientação do professor Valeriano Altoé. Uma análise da conivência entre a Igreja Católica e o Estado Português, no intuito de instaurar uma sociedade ideal na colônia, evitando prejuízos de ordem moral e financeira para a metrópole e sustentando a centralização do poder. Os pecadores e suas práticas, consideradas heréticas pela Igreja, que envolviam o comportamento social e sexual, iam do curandeirismo, judaísmo e qualquer outra que desafiasse o dogma católico, em plena Contra-Reforma. A não instituição do Tribunal Inquisitorial em terras brasileiras trouxe a figura dos Familiares: longa manus do poder eclesiástico, com fartos poderes e privilégios, levando o terror e o medo aos colonos, punindo com rigor e arbitrariedade, e, em muitos casos, atuando em proveito próprio.

      (Adicionado: 6ªf Ago 29 2008 | Visitas: 106 | Colocação: 5.00 | Votos: 2) Avaliar
    • A guerra da Amazônia – de Carlos Bornhofen

      Capitulo 2 Edit Novo Século 2004 O livro é um romance de ficção, não pretende ser uma história real, porém. Essa história toda de guerra começou muito tempo atrás, mas grandes e importantes movimentos desse jogo de xadrez foram realizados em 2000. Os principais jogadores eram os governos brasileiro, americano e colombiano, e os narcotraficantes. A Colômbia estava perdendo a luta para os traficantes de droga. Os grupos de traficantes-terroristas dominavam a maior parte do território colombiano e boa parte dos escalões governamentais. O governo tinha menos dinheiro, menos gente e menos território que os traficantes. A Colômbia estava se tornando um peque no país feudal, onde cada feudo era controlado por um grupo de traficantes, que era vassalo de algum grupo maior que por sua vez, era vassalo não se sabe de quem. Mas eles efetivamente controlavam o país e as exportações. O problema é que essas exportações eram de cocaína, e a principal via de escoamento era a Amazônia brasileira. O grande compra dor todo mundo sabe: Estados Unidos da América. Aí é que começa o problema. Os Estados Unidos resolveram apoiar o governo colombiano em sua guerra contra os traficantes, e isso foi ótimo. O que não foi nada bom foi a declaração do governo americano avisando ao mundo (e especialmente ao Brasil) que eles iriam tomar todas a medidas para o controle do tráfico de drogas em toda a Amazônia, fosse com o apoio dos países envolvidos ou não. Isso obviamente gerou um grande mal-estar nas comunidades latino-americanas, e algumas respostas diplomáticas foram dadas.

      (Adicionado: 3ªf Ago 26 2008 | Visitas: 121 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • As amazonas da Grécia para o novo mundo

      As primeiras Amazonas, de que há notícia, viveram há mais de 5000 anos na Grécia. Vamos conhecê-las. Cristóvão Colombo e as amazonas. As amazonas da Grécia. Amazonas nouto registo. Desfazer um erro. O Rio Amazonas. Fontes principais.

      (Adicionado: 2ªf Jul 07 2008 | Visitas: 144 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A Liderança Segundo Maquiavel

      Cargos conquistados com recursos próprios e qualidadespessoais. Cargos conquistados por influencias externas independentes das virtudes do Líder. Apresentar uma tese sobre liderança gera, em todos os sentidos que se queira analisar, um grande desafio. Em primeiro lugar existem diversas escolas de liderança pregando métodos diferentes, todos buscando alcançar o mesmo objetivo. Existem as escolas mais humanistas, outras democráticas, já algumas defendem uma forma mais autoritária de conduzir a liderança, e tantas outras formas de abordar o mesmo tema. Escolhemos apresentar uma tese de liderança específica, influenciada na teoria de Nicolau Maquiavel sobre o assunto, fazendo as adaptações necessárias e, claro, incluindo conceitos modernos que estejam de acordo com as idéias citadas.

      (Adicionado: 3ªf Mar 04 2008 | Visitas: 269 | Colocação: 5.50 | Votos: 2) Avaliar
    • A Eugenia de Hitler e o racismo da ciência

      Sempre que se consulta qualquer arquivo histórico sobre a origem do nazismo, o principal argumento é que Adolf Hitler buscava incessantemente o sucesso de seus três erres: reich (império), raum (espaço) e rasse (raça). O primeiro se referia ao resgate do nacionalismo alemão, abalado desde o final da Primeira Guerra Mundial. O segundo era a conquista de territórios tomados da própria Alemanha em virtude da perda da Guerra. E o terceiro era a busca de uma raça pura, denominada por ele de ariana, segundo a qual somente os alemães mais fortes deveriam sobreviver. O resultado de toda essa planificação foi uma atrocidade sem precedentes em nossa história, com resultados aterrorizantes e assustadores.

      (Adicionado: 5ªf Jan 31 2008 | Visitas: 239 | Colocação: 6.33 | Votos: 3) Avaliar
    • História da Ética

      A autora elabora em apertada síntese um breve relato sobre a história da ética percorrendo diferentes filósofos e épocas a fim de propiciar ao leitor uma visão palpável das principais questões éticas ainda por serem respondidas. Gisele Leite. É engraçado perceber que depois de tantos avanços científicos e conquistas tecnológicas que a ética ainda se revela em ser um tema atual e intrigante. Um pensamento científico é aguçado para prover métodos e instrumentos, mas é completamente cego e insensível quanto fins e valores. A ciência pode perfeitamente nos demonstrar e até mesmo determinar como as coisas são, todavia não o podem indicar como devem ser.

      (Adicionado: 3ªf Nov 27 2007 | Visitas: 301 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A dissociação entre a licenciatura e a pósgraduação em História

      Esta reflexão tem por finalidade destacar alguns aspectos relativos à dissociação entre a licenciatura e a pós-graduação em História, tomando o Estado de Pernambuco como locus de referência do debate. A questão será aqui discutida em dois focos de análise: a) a forma como a licenciatura em História tem se organizado no processo de formação de seus profissionais, as novas exigências da demanda acadêmica, social e profissional requerendo seu ingresso na pós-graduação stricto sensu; e, b) os limites e a cobrança da pós-graduação no processo de seleção que, em virtude do limite de vagas, se comparado à procura, tem favorecido os egressos dos cursos de bacharelado em História em detrimento dos provenientes da licenciatura. Licenciatura; pós-graduação; história.

      (Adicionado: 2ªf Out 29 2007 | Visitas: 266 | Colocação: 9.67 | Votos: 3) Avaliar
    • A ascencao dos governos de esquerda na America Latina no seculo XXI

      A proposta desta monografia consiste em mostrar as mudanças ocorrida na América latina, no cenário político.O estudo faz uma analise dos anos 70 passando pelos anos 80 e 90 chegando por fim no século XXI, para constar e levantar os motivos que levaram a ascensão da esquerda ao poder. No decorrer do texto encontra-se definido o conceito de esquerda e direita, assim como os movimentos sociais, a fim de elucidar os termos a mencionados e facilitar a compreensão do tema. Identifica os tipos de esquerdas. Por ultimo identifica os tipos de esquerdas existentes na América Latina, aplicando alguns conceitos dos autores utilizados no decorrer do estudos...

      (Adicionado: 2ªf Jan 15 2007 | Visitas: 432 | Colocação: 7.28 | Votos: 7) Avaliar
    • Os socialistas desarmados -memórias pecebistas de oposição à ditadura civil-militar

      Nas próximas páginas se propõe analisar, a partir de depoimentos orais, a atuação ao longo da ditadura civil-militar (1964-1985) do partido de esquerda que iria iniciar aquela quadra histórica como o mais importante daquele período: o partido comunista brasileiro (pcb). Sua atuação ao longo de todo o período ditatorial esteve voltada para a superação pacífica daquele regime. A proposta pecebista defendia a mobilização popular aliada à negociação política, a convocação da constituinte, o aumento progressivo das liberdades (aí incluída a legalização do próprio pcb) como únicos meios possíveis para a superação do regime. Com isso, se contrapunha frontalmente à linha defendida por grande parte da esquerda nos primeiros anos da ditadura civil-militar: superação da ditadura pelas armas. Tal diferenciação só aumentaria a "má fama" que a política pecebista nutria em amplos setores das esquerdas desde a atuação anterior ao golpe de 1964: uma política "reformista", de "conciliação de classes". Os anos seguintes mostrariam a inviabilidade da proposta armada, ao mesmo tempo em que o movimento de massas e a mobilização eleitoral retomavam a linha ascendente (o que para os pecebistas parecia confirmar o acerto de suas posições). Por fim, a redemocratização através da negociação, a formação do Colégio Eleitoral que elegeu o primeiro presidente civil depois de 21 anos de regime ditatorial e a convocação da Assembléia Constituinte simbolizaram para a maioria dos pecebistas a vitória de seu projeto político. E aí está um dos maiores paradoxos da trajetória do PCB. Um momento que parecia representar a vitória de seu projeto coincidiria com sua crise mais grave, culminando no esfacelamento do partido anos mais tarde (em 1992). O partido que em 1964 ocupava papel hegemônico no seio da esquerda brasileira chegaria ao fim daquele período com visível perda de representatividade e influência.

      (Adicionado: 2ªf Dez 04 2006 | Visitas: 400 | Colocação: 8.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Resgatando os fundadores

      Nem sempre a paisagem que se vê, quando se lança o olhar para trás, meio século ou um pouco mais depois, assemelha-se a uma fotografia, mesmo que retocada. Os anos turvaram a visão, quando não seu alcance, e aquilo que vislumbramos é apenas o que a memória, traiçoeiramente, nos leva a ver. E é desses fragmentos em que luz e sombra se misturam a tal ponto que muitas vezes aquilo que se vê escuro foi claro – mas como escuro foi gravado na memória e como escuro será sempre lembrado – que a memória histórica se compõe. O que não significa que aquilo que se vê claro, hoje, tenha sido assim; quantas vezes a luz se turvou pela emoção que trazia lágrimas aos olhos que então viam tudo de maneira diferente porque filtrada pelo sentimento. É com essa consciência que olho para trás nestes 70 anos da Universidade de São Paulo; mais do que dela, da Faculdade, hoje de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, mas que foi como de Filosofia, Ciências e Letras que conquistou seu lugar ao sol junto às demais que passaram a integrar a universidade, e foi como de Ciências e Letras que se afirmou na paisagem intelectual, primeiro de São Paulo, depois do Brasil, nem sempre compreendida, nem sempre compreendendo os outros, os que não pertenciam à grei dos escolhidos.

      (Adicionado: 2ªf Dez 04 2006 | Visitas: 392 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15