Língua e Literatura

Páginas: 1 2 3 4 5 6 [>>]

    • A leitura na sala de aula: uma proposta de trabalho com o gênero tira (nuevo) 

      O presente trabalho está centrado na prática de leitura na sala de aula e tem por objetivo principal apresentar uma proposta de atividade com o gênero tira. Nessa pesquisa, buscamos apresentar estudos sobre o conceito de texto, dando ênfase ao gênero tira, evidenciando alguns aspectos linguísticos frequentemente encontrados nos textos. Também tratamos sobre o conceito de gênero textual e suas funções na sociedade que são de grande relevância, já que são responsáveis para a organização da vida em sociedade. Ainda, trazemos um breve conceito de leitura, enfatizando sua relevância e contribuições. Por fim, com a intenção de criar situações de aprendizagem para o desenvolvimento da competência leitora dos educandos, bem como propiciar meios para que o gênero tira seja introduzido e explorado no contexto escolar de forma eficaz, propomos uma sequência didática, na qual fazemos uso das teorias tratadas nesse trabalho objetivando trazer uma proposta diferente para se trabalhar tanto leitura, compreensão e interpretação, na prática pedagógica cotidiana.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A leitura que o vestibulando faz das instruções da proposta de redação (nuevo) 

      O vestibular tem apontado muitas dificuldades do candidato em lidar com a produção de sua redação. Mas será que uma das dificuldades em escrever pode estar relacionada à leitura inadequada que o vestibulando faz de sua tarefa de escrita? Para responder a essa questão foram analisadas redações dos concorrentes ao curso de Jornalismo/manhã, primeiro semestre de 1998, do UNI-BH (Centro Universitário de Belo Horizonte), a fim de observar nelas se os estudantes deixaram evidências em seus textos de que entenderam os objetivos propostos na tarefa de escrita. Os resultados obtidos sugerem que o problema maior dos candidatos não está relacionado à leitura e compreensão da proposta, como inicialmente se supôs. A qualidade de muitas produções, provavelmente, foi afetada pela falta de habilidade dos candidatos em lidar com os processos que envolvem a tarefa de escrita.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Análise crítica do conto Mestre Tamoda (nuevo) 

      A literatura angolana, desde muito cedo, foi marcada no seu percurso histórico por características singulares, não só no seu tecido estético e conteudístico, mas também, no seu itinerário evolutivo, de afirmação e impacto. Um dos vários exemplos para esta asseveração é o recurso constante às línguas locais; a referência aos costumes; hábitos e rituais da vida rústica dos musseques e sanzalas. Não só como gesto de regresso às origens, mas também, como acto de pertença e de vínculo umbilical à terra, e, é isto que acontece muitas vezes, no conto Mestre Tamoda de Uanhenga Xitu, objecto de análise neste Trabalho. Para além de traçarmos em breves linhas o percurso histórico do autor, pretendemos analisar também, ao detalhe, a escrita do conto como veículo de valores culturais, muitas vezes usada fora dos padrões canónicos. O nosso Trabalho estrutura-se em dois capítulos, antecedidos de uma Introdução. Considerações finais, Bibliografia e Anexo completam a parte final do estudo.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Borges, co-autor do Poema Sujo? (nuevo) 

      Que fique bem claro que esta história/estória nasceu da leitura de Ficciones, que data de 1944 e em particular de "Pierre Menard, autor do Quixote" – não sendo, porém, modelar, nem um bis. Isto é, alguma coisa, como o excesso de notas de rodapé, é também paródia do poeta argentino, no sentido que Borges alimentava as ficções como quem dá alpiste a passarinho, de miudinho em miudinho, ele buscava dar veracidade ao inverídico e vice-versa. Assim – de mito em mito – se foi juntando, descolando, achegando ao estilo plástico da collage, criando pé, corpo e cabeça. A montagem amontoou cuentos e estórias, paisagens portenhas, as lembranças vividas (e imaginadas), as tragédias assistidas (e imaginadas), até mesmo uma ou outra lágrima. Borges sempre foi assim: prolífico e breve, literatura curta e grossa, de onde fugiam as alegorias, as histórias policialescas, as fantasias.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Nem mais uma palavra (nuevo) 

      ARMAS LETAIS Filho, volta cedo, O mundo está cheio De monstros reais. Nunca é demais, Precaução e zelo; Acho que esse anseio, Herdei de meus pais. Devagar rapaz, A pressa é atropelo, Haja com respeito Aos ideais alheios. Pense no que faz, Fuja de si mesmo, Ódio e preconceito São armas letais. Somos tão normais Quanto nossos erros. Mas ao cometê-los, Já não dará mais Para voltar atrás.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O texto jornalístico sob o olhar da enunciação (nuevo) 

      O presente trabalho inclui-se na linha de pesquisa relativa aos estudos da linguagem, numa perspectiva enunciativa, tendo como tema o estudo e o aprofundamento de conceitos propostos na teoria enunciativa de Émile Benveniste, aplicados à leitura de textos jornalísticos. A área de estudos em que se inscreve o tema desta pesquisa são as Teorias da Enunciação, principalmente, a de Benveniste. O trabalho aprofundará os conhecimentos sobre a teoria da enunciação, utilizando-a para analisar a produção de textos jornalísticos, tendo como princípio norteador a perspectiva enunciativa de Émile Benveniste. Este trabalho tem por objetivo mostrar que na construção dos textos jornalísticos impressos há a presença de um sujeito que se percebe pelas marcas linguísticas deixadas pelo locutor que escreve o texto, imprimindo sua opinião.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Poesia de João Felinto Neto (nuevo) 

      O poeta potiguar João Felinto Neto publica em junho de 2003 seu primeiro livro, Cabaz - Com frutos do meu delírio, e em apenas dez anos de extrema dedicação à caneta, em Agosto de 2013 o Trigésimo nono livro, NEM MAIS UMA PALAVRA é publicado.Nascido aos 04 de outubro de 1966, em Apodi, Rio Grande do Norte, ingressa no serviço publico aos dezenove anos e aos vinte e cinco anos torna-se bacharel em Ciências Econômicas pela UERN. Casado, pai de dois filhos, somente aos trinta e quatro anos, começa escrever e catalogar poemas e crônicas. Até então seu mundo literário se resumia à leitura e ao pensamento.

      (Adicionado: 6ªf Jan 17 2014 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Palavra Cantada: A música brasileira como ferramenta pedagógica para interpretação e produção textua

      Alfabetización, no es apenas representación y decodificación de códigos linguísticos, en su sentido amplio, alfabetización es la capacidad de interpretar, comprender, criticar, resignificar y producir conocimiento; en el Brasil de hoy es notoria la dificultad de un gran número de personas, entre estas estudiantes de un nivel superior, en producir e interpretar textos orales y escritos; esa dificultad puede ser asociada a diferentes factores, entre tanto, la ausencia del contacto placentero con materiales escritos contribuye significativamente para este deficit educacional. El instinto de este trabajo es comprobar, a partir de investigar de campo y bibliografías, que Platón tenga razón al firmar que la música es "el instrumento educacional más potente que cualquier otro". Utilizando la música como herramienta pedagógica para la interpretación y la producción textual en el ciclo ll del enseño fundamental, comprobaremos que la música brasileira es un instrumento motivador y facilicitador en el proceso de apropiación de la lectura e de la escritura debido al rico texto inserido en el contexto de la sonoridad ritmica brasileira, a las popularidades regionales, dialécticas y temporales.

      (Adicionado: 2ªf Set 05 2011 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Século XXI: A presença de jovens escritores no sistema literário do Grande Do Sul

      A literatura promove no homem o desenvolvimento de sua intelectualidade, proporcionando-lhe um equilíbrio moral e psicológico, bem como uma maior integração com a realidade que o cerca, e é na escola que ela exerce a sua função por excelência. Esta monografia argumenta sobre a importância da literatura, tanto na construção do homem, quanto da sociedade, atentando para a necessidade vigente de despertar o interesse do jovem pela leitura, na intenção de contribuir para a reversão da realidade atual que retrata a indiferença deste enquanto leitor acarretando em dificuldades de aprendizagem, de compreensão e produção textual. Objetivando a motivação desses, o presente trabalho propõe a inclusão da leitura de novos autores, a fim de que os discentes tenham acesso a outras obras, além das "leituras obrigatórias" impostas pelo vestibular, e, pela afinidade - relação supostamente sustentada pela semelhança de linguagem, temática, contexto e idade (considerando que a idade foi um dos critérios deste trabalho e os autores escolhidos tem em média 35 anos) – possam não só encontrar satisfação e prazer na literatura, chegando a transformá-la em um hábito perene, como também adquirir certa experiência literária, que fará com se apropriem efetivamente das obras clássicas, facilitando a compreensão e elaboração de textos próprios.

      (Adicionado: 4ªf Jul 06 2011 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Definição de equilíbrio e seus corolários

      Uma das contingências com que os cientistas muitas vezes se confrontam prende-se com questões de linguagem. Sendo a linguagem o método de transmissão entre Seres Humanos, é fundamental que a ciência, tal como todas as outras actividades, tenha uma linguagem e com ela se expresse para que se faça entender e divulgar. Claro está que um dos problemas prende-se com a linguagem complexa e por vezes até hermética utilizada no mundo científico, divergindo conforme a área do conhecimento.

      (Adicionado: 3ªf Maio 03 2011 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Definição de equilíbrio e seus corolários

      Uma das contingências com que os cientistas muitas vezes se confrontam prende-se com questões de linguagem. Sendo a linguagem o método de transmissão entre Seres Humanos, é fundamental que a ciência, tal como todas as outras actividades, tenha uma linguagem e com ela se expresse para que se faça entender e divulgar. Claro está que um dos problemas prende-se com a linguagem complexa e por vezes até hermética utilizada no mundo científico, divergindo conforme a área do conhecimento.

      (Adicionado: 3ªf Maio 03 2011 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Graciliano Ramos: escritor, narrador, autor e herói. Uma leitura do "eu" na obra Memórias do Cárcere

      Esse artigo discute o modo como a escrita autobiográfica revela a construção do "eu" de Graciliano Ramos, que em Memórias do Cárcere assume os papéis de escritor (profissional), narrador (voz que encena a história), autor (que garante a unidade do texto) e herói (personagem). A obra é um relato das experiências vividas por Ramos quando ele esteve preso durante a Ditadura de Getúlio Vargas, no ano de 1936. Para tanto, algumas questões são centrais: a primeira delas é a relação entre tempo e espaço que se apresenta de modo constitutivo na própria estrutura do texto, "o tempo deixara de existir" (RAMOS, 1953); a segunda é o uso dos pronomes que revelam a construção do gênero autobiográfico e da identidade dos participantes do discurso, "desgosta-me usar a primeira pessoa" (RAMOS, 1953); e a terceira é a discussão do "estilo" da autobiografia, "Quem dormiu no chão deve lembrar-se disto, impor-se disciplina, sentar-se em cadeiras duras, escrever em tábuas estreitas" (RAMOS, 1953).

      (Adicionado: 6ªf Fev 05 2010 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Reseña de "O pensamento mestiço" de Serge Gruzinski

      Prefaciando a obra Apologia da história, de Bloch,1 Le Goff lembra aos pesquisadores a necessidade de se fazer a boa história para ensinála, fazêla ser amada e não se esquecer de que, ao lado de suas necessárias austeridades, a história tem seus gozos estéticos próprios. Embora o autor de O pensamento mestiço diste mais de cinqüenta anos da obra de Bloch, firme algumas reticências aos fundadores dos Annales e apresente severas críticas ao europocentrismo acadêmico, a sintonia quanto à função da história, a concepção sobre o tempo presente, a erudição, o zelo e trato pelas fontes e o ruminar dos conceitos em torno do tema analisado tornam ambos os historiadores muito próximos. (Em formato PDF)

      (Adicionado: 6ªf Fev 05 2010 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Histórias esquecidas - um estudo sobre as obras: Memórias do Cárcere e Cemitério dos Vivos

      Esse texto procura descrever e comparar as visões de mundo dos narradores das obras Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos e Cemitério dos Vivos, de Lima Barreto. Os narradores dessas obras apresentam as experiências de enclausuramento forçado vividas por seus respectivos autores, embora sejam obras de ficção. Graciliano Ramos foi preso político durante a ditadura de Getúlio Vargas sem nunca saber a real razão de ter sido mandado para a cadeia, pois não houve contra ele nenhum processo. Ele permaneceu preso por onze meses: esteve num navio, passou por diversas delegacias, ficou um tempo no Pavilhão dos Primários, foi mandado para a Colônia Correcional, e por último ficou na Casa de Correção.

      (Adicionado: 3ªf Jan 26 2010 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • O ícone e a possibilidade de informação

      Este artigo aborda a potencialidade informacional do signo icônico a partir da Semiótica de Charles Sanders Peirce, instrumento utilizado para tratar tanto do estatuto ontológico da informação – a sua inscrição na secundidade – como da sua presença no interior da tríade semiótica – na forma de objeto imediato do signo. A partir dessa abordagem verifica-se que a mera possibilidade, modo como a informação se apresenta em estado de primeiridade, é o elemento que vai caracterizar o ícone, o signo que se inscreve na primeira categoria. Palavras chave: Semiótica. Informação. Categorias Peirceanas.

      (Adicionado: 3ªf Jan 26 2010 | Visitas: 0 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
Próximos 15