Psicologia

Páginas: [<<] 1 2 3 4 5 6 7 [>>]

    • Como Realizar Mudanças Pessoais

      Etapa Um – identificação do comportamento a ser modificado. Etapa Dois – Entender o comportamento e o propósito no contexto de sua vida. Etapa Três – Especificar a necessidade e a importância da mudança pessoal para a pessoa. Etapa Quatro – Desenvolver um grande desejo de mudança pessoal. Etapa Cinco – Criar novas alternativas de comportamentos. Etapa Seis – Imaginar as novas mudanças ocorrendo em sua vida. Etapa Sete – Assumir o compromisso de implantar a mudanza. O processo de mudança pessoal é provavelmente uma das tarefas mais difíceis de realizar pelo ser humano. Em geral as pessoas não estão totalmente satisfeitas com seus comportamentos, seja pessoal ou profissional, e encontram grandes dificuldades em realizar as mudanças necessárias. Há casos de condutas que gostaríamos de abandonar, mas continuamos a repeti-los compulsivamente, ou às vezes tentamos ser diferentes do que somos e ter comportamentos que não conseguimos. Em todas estas situações falta-nos uma estratégia para realizar as mudanças que precisamos.

      (Adicionado: 4ªf Mar 05 2008 | Visitas: 181 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A coragem(1) essencial: formação pessoal em Psicopedagogia

      Coragem e essência no re-significar de caminhos em Educação. Formação Pessoal em Psicopedagogia: dilemas, tensões, desafios. Este artigo pretende abordar algumas questões essenciais no que concerne à formação pessoal em Psicopedagogia no nosso tempo presente. Compreende ser necessário ter coragem para re-significar os caminhos da Educação contemporânea e procura traçar os principais dilemas, desafios e tensões presentes na formação pessoal do/a psicopedagogo/a. A partir de uma sucinta discussão sobre os processos de autoria de pensamento como alternativa a tal questão, reforça que a pesquisa e práxis permanente, no agir e no pensar cotidiano, podem colaborar para que novas e significativas aprendências e ensinagens surjam no cenário da formação em Psicopedagogia no Brasil. Psicopedagogia, formação pessoal, oficinas psicopedagógicas, processos de autoria de pensamento.

      (Adicionado: 3ªf Mar 04 2008 | Visitas: 186 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A Expressão da Sexualidade das Pessoas com Síndrome de Down

      A Expressão da Sexualidade das Pessoas com Síndrome de Down. "A sexualidade faz parte de nossa conduta. Ela faz parte da liberdade em nosso usufruto deste mundo". (Michel Foucault). Ao iniciarmos este artigo sobre sexualidade, pensamos na responsabilidade em falar sobre o tema sexo, cujo assunto faz parte dos três tabus universais do homem: sexo, vida e morte. Três mistérios, que emanam: curiosidade, medo, preconceito, controle, poder, paixão, fascínio, repúdio, castigo, destruição, mas também amor, aproximação, desejo, crescimento, envolvimento, respeito, liberdade, carinho.

      (Adicionado: 3ªf Mar 04 2008 | Visitas: 193 | Colocação: 10.00 | Votos: 1) Avaliar
    • A Felicidade existe?

      Sujeito x felicidade. Freud, a psicanálise e a felicidade. "Esse homem encontrou a felicidade ao descobrir o tesouro de Príamo, o que prova que a realização de um desejo infantil é o único capaz de proporcionar a felicidade" S. Freud. "não escapa a Freud que a felicidade é (…) o que deve ser proposto como termo a toda a busca, por mais ética que seja". J. Lacan. "Ninguém pode me obrigar a ser feliz a sua maneira". I. Kant. Das clássicas proposições filosóficas aos atuais manuais de auto-ajuda, passando pelos trabalhos científicos e as construções utópico-ideológicas predominantes no século 20, a verdade é que o ser humano ainda não conseguiu dar uma resposta definitiva e satisfatória sobre o que é ser feliz e como conseguir sê-lo.

      (Adicionado: 3ªf Mar 04 2008 | Visitas: 186 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • A questão do diagnóstico na vida atual

      "Tenho idéias, mas que fazer com elas... partilhar.... pensar alto.... prosear.... como fui inventando meu modo de vida? Parece que o fazer, às vezes é tratado como da ordem de um privado. Quem sabe porque o que se faz traz consigo uma espécie de denúncia de nossa posição no mundo que nunca será igual a do outro, é sempre passível de outra abordagem. É quase um se expor à realidade e correr o risco de frustrar e se decepcionar. Mas isto é o que chamamos de teste de realidade,de ir a cultura é o que nos faz humanos diferentes e semelhantes, nunca iguais. Só nossa raça humana é igual!. Portanto vamos fazer, criar, poetizar, sonhar, compartilhar..." Quero partir então do pensar sobre o modo de vida humana e a necessidade última de um diagnóstico para tudo, porém nem tudo tem diagnóstico. Modo de vida é uma maneira de ser no mundo, ou seja, configurações de afetos, de tempo, de lugar, das relações, percepções focais e genéricas que podem tomar um sujeito, um grupo, um coletivo dentro das composições que vão se desenhando as relações humanas, podemos chamar de sociedades e comunidades. Hoje em dia para tudo se tem diagnóstico, se meu carro quebra o mecânico fala... "preciso fazer um diagnóstico do seu veiculo, uma checkagem", vem o encanador em casa.. vai fazer diagnostico para consertar a torneira porque não sabemos porque não sai a água" e se é com nossa saúde, aí complica?.

      (Adicionado: 3ªf Mar 04 2008 | Visitas: 168 | Colocação: 10.00 | Votos: 1) Avaliar
    • O burnout e os enfermeiros

      Do conceito de burnout. Características e consequências do burnout. O burnout nos enfermeiros. Prevenção e tratamento do burnout. A finalidade do artigo é apresentar a síndrome de burnout, suas características, consequências, estratégias de prevenção e estabelecer a sua relação com o trabalho dos enfermeiros. Em primeiro lugar, aborda-se o conceito de burnout, suas principais características e consequências para a pessoa e o seu meio. Em segundo lugar, descrevem-se alguns estudos que analisam a relação entre o burnout e a prática de Enfermagem. Finalmente, descrevem-se algumas estratégias de prevenção e tratamento do burnout, reforçando-se a necessidade de encarar o fenómeno não apenas como um problema individual, mas também como problema organizacional.

      (Adicionado: 2ªf Fev 11 2008 | Visitas: 217 | Colocação: 8.00 | Votos: 3) Avaliar
    • O lugar da teoria: aprender e ensinar em Psicopedagogia

      Introdução - Reflexões sobre a prática de formação de educadores e em Psicopedagogia. Descrevendo uma trajetória: da prática à práxis. Oficinas psicopedagógicas: uma proposta metodológica de formação. O lugar da teoria nas oficinas : ensinar e aprender em Psicopedagogia. Como uma possível conclusão: articulando idéias, clarificando pressupostos no caminhar psicopedagógico da autoria de pensamento na construção da identidade do psicopedagogo. Este artigo é resultado de reflexões sobre a prática de formação de psicopedagogos vivenciada pelo autor enquanto educador facilitador e mediador em cursos de pós-graduação lato-sensu. Preocupa-se, fundamentalmente, em discutir sobre o lugar da teoria numa proposta metodológica de oficinas psicopedagógicas na formação em Educação, onde novos modos de ser e estar em sala de aula ganham novas dimensões, significações e sentido. A pretensão da articulação de idéias aqui elaborada é clarificar aspectos teóricos presentes em tal prática e, ao assim fazer, contribuir para o debate acerca da formação em Psicopedagogia em nosso país.

      (Adicionado: 3ªf Dez 04 2007 | Visitas: 259 | Colocação: 8.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Compreendendo o fio, a rede e o/a equilibrista: teoria e busca em Psicopedagogia

      Sabemos que a Psicopedagogia no Brasil está se consolidando, cada vez mais, num movimento de busca concreta por respostas e alternativas aos problemas vinculados ao aprender, que se avolumam no cotidiano da escola, cujas conseqüências se fazem, cada vez mais, presentes no contexto social. Enquanto campo do conhecimento em construção sobre a articulação entre o psíquico e o cognitivo e suas profundas relações com a gênese da aprendizagem, a Psicopedagogia tem se constituído num espaço plural e multidisciplinar, na procura constante de aportes teóricos construtores de sua epistemologia e propiciadores de sua fundamentação. Minha proposta de reflexão neste trabalho é pensar como num mundo repleto de idéias tão abrangentes e plurais, é possível encontrar eixos fundadores desta epistemologia.

      (Adicionado: 2ªf Dez 03 2007 | Visitas: 218 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Psicopedagogia

      Competências, habilidades e construção do olhar em Psicopedagogia: criatividade e metodologias ativas na formação do/a psicopedagogo/a. Oficinas Psicopedagógicas e o Paradigma Luz Borges: um encontro de referenciais para uma prática de formação. Processos de Construção do Conhecimento, Vínculos em Aprendizagem e idéias enredadas e contextualizadas no fazer coletivo: aprendentes e ensinantes construindo significados e sentidos. Psicopedagogia institucional e formação do/a psicopedagogo/a numa perspectiva paradigmática: breve relato de uma experiência em processo. Este artigo busca relatar alguns relevantes aspectos da experiência do autor no campo da Psicopedagogia institucional e da formação do/a psicopedagogo/a considerando uma experiência em processo. A partir de uma breve discussão sobre competências e habilidades em Psicopedagogia e sobre a construção do olhar do psicopedagogo/a, tece algumas idéias sobre criatividade e metodologias ativas, sobre a metodologia de oficinas psicopedagógicas, sobre o Paradigma Luz Borges, além de fazer referencias aos processos de construção de conhecimento e estabelecimento de vínculos positivos em aprendizagem. Competências e habilidades em Psicopedagogia, construção do olhar, Criatividade e metodologias ativas, formação do/a psicopedagogo/a, oficinas psicopedagógicas, Paradigma Luz Borges, processos de construção de conhecimento, vínculos em aprendizagem.

      (Adicionado: 3ªf Nov 27 2007 | Visitas: 299 | Colocação: 1.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Sobre o tempo da loucura em Nise da Silveira

      Trata-se de um ensaio sobre a vivência do tempo no âmbito do hospital psiquiátrico. Após breve incursão acerca da escrita sobre o tempo e o tempo no hospital psiquiátrico, nos detemos no enfoque da psiquiatra e pesquisadora Nise da Silveira, cujo trabalho foi desenvolvido no Centro Psiquiátrico Nacional do Engenho de Dentro Rio de Janeiro (antigo Centro Psiquiátrico Pedro II e atualmente denominado Instituto Municipal Nise da Silveira), onde criou, em 1946, a Seção de Terapêutica Ocupacional e Reabilitação (STOR), chamada por um interno de "a sala da emoção de lidar". O tempo da loucura em Nise equaciona a síntese tempo versus afeto, sem reservas para com as susceptibilidades de um saber científico, mas em busca da real complexidade da condição humana. Reportando-se da vida ao sofrimento, Nise trouxe o afeto como condição sine que non para a compreensão da diferença e no limite para o questionamento do que o jargão psiquiátrico preconizava/esquadrinhava como "desorientado no tempo e no espaço". Com a tendência da reestruturação dos serviços psiquiátricos no Brasil, o tempo revisitado da loucura enclausurada traz a contribuição de Nise da Silveira como atitude digna de sobrevivência em tempos de atenção psicossocial. Tempo, Psiquiatria, Nise da Silveira.

      (Adicionado: 6ªf Nov 16 2007 | Visitas: 258 | Colocação: 10.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Ciência, vivência, consciência...

      Faculdade. Tempo de luta. Polônia. Rumo ao Sul. A volta. Nicarágua, Nicaraguita. Gerações. Prefeitura. Áreas de pesquisa em desenvolvimento. A formação científica é apenas parcialmente um processo técnico. Conjugam-se e se articulam raízes emocionais, história vivida, meio social e também instrumentos técnicos e visões teóricas. A ênfase do presente artigo será portanto na "mistura" dos diversos níveis. Sugere-se ao leitor uma leitura crítica: nada mais perigoso do que um economista falando de si mesmo, com a imensa propensão que temos, porque uma nuvem de hipóteses sempre nos circula na cabeça, de pensar que o ocorrido já nos era previsto. Esta capacidade de previsão a posteriori não ocorre, é preciso dizê-lo, somente entre economistas.

      (Adicionado: 2ªf Out 22 2007 | Visitas: 192 | Colocação: 1.00 | Votos: 1) Avaliar
    • O processo de construção dos projetos polìtico pedagógicos na enfermagem

      Apresenta parte dos resultados obtidos a partir de uma pesquisa realizada junto a nove cursos de enfermagem da Região Sul. O tema condutor da investigação foi a construção de Projetos Político Pedagógicos. Iniciou com o diagnóstico da situação; seguiu com a proposição de uma metodologia condutora; desenvolveu-se através do acompanhamento do processo. Incluiu aplicação de instrumentos, grupos focais e análise documental. Resulta na produção de vários projetos pedagógicos que sinalizam as dificuldades e tendências atuais da enfermagem nos cursos estudados. Enfermagem; Projeto Político Pedagógico.

      (Adicionado: 6ªf Ago 31 2007 | Visitas: 219 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Concepções de doença por familiares de pacientes com diagnóstico de esquizofrenia

      A elaboração de um significado para a compreensão e a convivência com a esquizofrenia constitui uma das maneiras de os familiares lidarem com a doença e a evidencia como um fenômeno culturalmente constituído. A partir de uma abordagem antropológica, este estudo entrevistou 14 familiares de 8 pacientes com diagnóstico de esquizofrenia, buscando formular uma compreensão da esquizofrenia através dos conceitos e imagens do universo cultural e social familiar. Os dados produzidos foram analisados segundo metodologia qualitativa. Três categorias de concepção de doença são discutidas, Problema de Nervoso, Problema na Cabeça e Problema Espiritual. Argumenta-se que as concepções analisadas podem ser compreendidas como construções culturais e discute-se a importância desta abordagem para a compreensão da evolução da doença e para a elaboração de programas de intervenção culturalmente apropriados.

      (Adicionado: 3ªf Nov 21 2006 | Visitas: 311 | Colocação: 9.50 | Votos: 2) Avaliar
    • Estudo do inventário de sintomas psiquiátricos do DSM-III aplicado em amostra populacional

      O objetivo foi estudar a confiabilidade do inventário de sintomas psiquiátricos do DSM-III aplicado em amostras representativas da população geral de três cidades brasileiras. Foram utilizados os métodos do entrevistador-observador e de consistência interna para medir a confiabilidade. Os diagnósticos de ansiedade generalizada, na vida (k = 0,46), no ano (k = 1,00), depressão na vida (k = 0,77) e os diagnósticos de abuso e dependência de álcool na vida (k = 1,00) foram confiáveis de forma consistente nos dois métodos empregados. Os diagnósticos de agorafobia (k = 1,00), fobia simples (k = 0,77), transtorno psicótico não esquizofrênico (k = 1,00) e o de fatores psicológicos que afetam o físico (1,00), todos feitos para a vida, apresentaram confiabilidade excelente medidos por meio do Kappa. O principal problema de medir a confiabilidade em estudos populacionais é a baixa prevalência de alguns diagnósticos que resulta em uma pequena variabilidade nas respostas positivas, o que impossibilita o cálculo do Kappa. Por causa disso, apenas 11 dos 39 diagnósticos que compõem o inventário puderam ser examinados. Recomenda-se a utilização do método de teste e re-teste com um tempo curto entre as entrevistas para diminuir esse problema.

      (Adicionado: 3ªf Nov 21 2006 | Visitas: 297 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15