Saúde

 
Esportes (14) +
Páginas: [<<] ... 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 ... [>>]

    • Identificação de grupos mais vulneráveis à desnutrição infantil pela medição do nível de pobreza

      Objetivo: Testar o uso de um instrumento de medição do nível socioeconômico, especialmente elaborado para populações urbanas pobres, na identificação de grupos mais vulneráveis à desnutrição infantil. População e Métodos: Este é um estudo transversal, cuja amostra foi constituída por 477 crianças entre 12 e 59 meses, residentes em bolsões de miséria da Vila Grande Cruzeiro, em Porto Alegre, RS. As crianças foram submetidas à avaliação antropométrica e suas famílias foram estratificadas sob o ponto de vista socioeconômico segundo instrumento desenvolvido no Chile para populações urbanas carentes e adaptado às características locais. Foram consideradas desnutridas as crianças com peso/idade, altura/ idade e/ou peso/altura inferiores a -2 desvios padrão da mediana da população de referência (NCHS). Resultados: As crianças cujas famílias pertenciam ao quartil inferior da classificação socioeconômica apresentaram uma chance 3,4 vezes maior de apresentar baixo peso para a idade, 2,7 vezes maior de ter retardo no crescimento e 11,0 vezes maior de possuir um peso baixo para a altura, controlando possíveis fatores de confusão.

      (Adicionado: 4ªf Set 05 2007 | Visitas: 179 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Conhecimentos sobre saóde ocular entre profissionais de um hospital universitario

      O conhecimento em relação à saúde ocular constitui condição necessária e antecedente às ações do indivíduo para preservar a visão. Embora reconheça-se que a ampliação e a melhoria do conhecimento —per se" nem sempre resultem em mudança comportamental, conjuntamente às atitudes, crenças, valores e percepções do indivíduo, compõem o grupo de fato-res responsáveis pela justificativa ou motivação para recusar ou adotar um comportamento específico. Esses fatores incluem dimensões cognitivas e afetivas do saber, sentir, acreditar, valorizar e da autoconfiança ou percepção da própria competência para agir de determinada maneira(1). Tais aspectos devem merecer especial atenção na medida em que se pretenda obter um diagnóstico prévio da realidade, que antecede alguma intervenção. Desse modo, pode-se direcionar apropriadamente o planejamento de ações de saúde, tendo em vista grupos-alvo diverso(2).

      (Adicionado: 6ªf Ago 31 2007 | Visitas: 156 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Efeitos do exercício moderado e da orientação nutricional sobre a composição corporal de adolescente

      Este estudo foi desenvolvido com a finalidade de avaliar o efeito da atividade física moderada, associada à orientação nutricional, sobre a composição corporal de adolescentes obesos, para esse propósito, 11 adolescentes ( x = 12,8 anos) foram submetidos a exercício aeróbio (cicloergômetro -60% FC máx), em duas sessões semanais, durante nove meses, sendo avaliada a composição corporal por Densitometria Óssea antes e após o período de treinamento. Os valores iniciais (I) e finais (F) para as variáveis antropométricas e da composição corporal foram: IMC (I: 33,3 ± 5,2; F: 31,8 ± 6,9* kg/m2); percentual de gordura corporal (I: 48,5 ± 6,7; F: 47,2 ± 5,1* %); peso de massa magra (I: 40,6 ± 4,9; F: 42,5 ± 5,4* kg). Tais resultados indicam que, houve um aumento significativo no peso da massa magra e reduções na porcentagem de gordura corporal e no Índice de Massa Corpórea (IMC). Isto sugere um provável efeito do programa de treinamento e da orientação nutricional. As adaptações observadas no presente estudo nos permitem sugerir que o exercício aeróbio e a orientação nutricional podem promover importantes adaptações sobre a composição corporal de adolescentes obesos, atenuando os efeitos adversos decorrentes da obesidade. Composição corporal; Adolescência; Obesidade; Densitometria óssea; Exercício moderado; Orientação nutricional.

      (Adicionado: 6ªf Ago 31 2007 | Visitas: 156 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Alimentação complementar

      O que oferecer como alimentos complementares. Quantidade e frequencia. Praticas de higiene dos alimentos complementares. Fatores que facilitam/dificultam uma alimentacao complementar adequada. Como ofertar os alimentos complementares. Apresentar uma revisão atualizada sobre a alimentação complementar de crianças nos primeiros 2 anos de vida. Foram utilizados materiais relevantes sobre o tópico oriundos de revistas científicas, livros técnicos e publicações de organismos internacionais. A fonte mais importante de dados foi a publicação da Organização Mundial da Saúde resultante da reunião sobre alimentação complementar realizada em Montpellier, França, em dezembro de 1995.

      (Adicionado: 4ªf Ago 29 2007 | Visitas: 168 | Colocação: 8.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Amamentação: como e por que promover

      Porque promover. Como promover. Atividades educativas. Mudancas nas rotinashospitalares. Comunicacao de massa. Normas para comercializacao de alimentos para lactentes. Protecao a mae que trabalha. Acoes de base comunitaria. A promoção do aleitamento materno deve ser vista como uma ação prioritária para a melhoria da saúde e da qualidade de vida das crianças e de suas famílias. As estratégias de promoção da amamentação devem variar de acordo com a população, sua cultura, seus hábitos, suas crenças, sua posição sócio-econômica, entre outras características. No entanto, de fundamental importância em qualquer estratégia, é a conscientização da importância do aleitamento materno. Essa revisão procura contribuir para essa conscientização entre os profissionais de saúde, mostrando as evidências epidemiológicas da importância do leite materno para a saúde da criança e da mãe. São enfatizados o impacto da amamentação na mortalidade, na morbidade, no estado nutricional das crianças e no espaçamento entre os nascimentos. Num segundo momento, são discutidas algumas atividades promotoras do aleitamento materno, com ênfase nos programas educativos (educação dos profissionais de saúde, das gestantes, das puérperas e da população em geral). Mudanças nas rotinas hospitalares, comunicação de massa, normas para comercialização de alimentos para lactentes, proteção da mãe que trabalha e ações de base comunitária são também abordadas. J. Pediatr. (Rio). 1994; 70 (3) 138-151: aleitamento materno, leite humano, promoção da saúde, educação em saúde.

      (Adicionado: 4ªf Ago 29 2007 | Visitas: 210 | Colocação: 9.00 | Votos: 2) Avaliar
    • Atividade ocupacional e catarata senil. Opinião de pacientes de Hospital Universitário

      A vinculação do desempenho de atividades profissionais às afecções oculares constitui campo de estudo a merecer aprofundamento, tanto na análise de fatores sociocomportamentais e clínicos como sob o enfoque de aspectos ocupacionais específicos influentes na saúde do indivíduo. A ciência oftalmológica é processo cumulativo e progride à medida que apresenta novos conhecimentos que, por sua vez, dão origem a outras investigações e descobertas, uma vez que o conceito de "certeza" em ciência é sempre relativo. Embora raros, alguns estudos voltados para repercussões da atividade laboral sobre a saúde apontaram aspectos positivos – satisfação pessoal, aumento da auto-estima decorrente da produtividade – entre outros. Referiram, contudo, distúrbios da saúde ocular, decorrentes de atividades profissionais, que incluíam secura, queimação e lacrimejamento dos olhos, identificados entre trabalhadores de uma empresa federal de processamento de dados dos Estados Unidos, pelo "National Institute of Occupational Safety and Health".

      (Adicionado: 4ªf Ago 29 2007 | Visitas: 157 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Capacitação pedagógica de enfermeiros: uma construção a partir da concepção problematizadora

      O vestibulo olimpico. O olimpo academico. A teatralidade: os deuses em cena. As mascaras... Caem?. O artigo descreve o espaço e tempo do quotidiano acadêmico em seu deslizamento da racionalidade moderna para a socialidade pós-moderna. Utilizando um estilo estético e um recorte microssocial de abordagem compreensiva, olha para questões, como vestibular, recepção de calouros, prática pedagógica, reuniões e distribuição do saber, vislumbrando as possibilidades emergentes na (des)construção de novas relações acadêmicas. Educação em enfermagem, universidades, ciência.

      (Adicionado: 4ªf Ago 29 2007 | Visitas: 161 | Colocação: 10.00 | Votos: 1) Avaliar
    • O aleitamento materno na prática clínica

      Duracao da amamentacao. Por que amamentar e importante. Aconselhamento em amamentacao. Apresentar uma revisão atualizada sobre aspectos práticos na promoção e no manejo do aleitamento materno. Foram utilizados materiais relevantes sobre o tópico oriundos de revistas científicas, livros técnicos e publicações de organismos internacionais.

      (Adicionado: 4ªf Ago 29 2007 | Visitas: 198 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Representações sociais dos adolescentes acerca da violência doméstica

      Com o objetivo de analisar as representações sociais dos adolescentes sobre a violência doméstica, realizou-se esta pesquisa qualitativa junto a 18 alunos de escolas de ensino médio em Passo Fundo - RS, com técnicas projetivas e entrevistas semi-estruturadas, evidenciando-se a representação da violência como um fenômeno presente na sociedade, ancorada no consumo de drogas, na defesa pessoal com porte de armas e na conduta anti-social. A violência doméstica é representada como uma atitude de fuga e defesa, maléfica, intencional e impune e como uma banalização legitimada. Essas representações ancoram-se na sensação de abandono e rejeição, cuja superação deverá ser buscada de forma multidimensional para a internalização de novas práticas e condutas socialmente aceitas. Violência; Adolescência; Saúde Pública.

      (Adicionado: 4ªf Ago 29 2007 | Visitas: 160 | Colocação: 4.20 | Votos: 5) Avaliar
    • Melhorando à qualidade de vida das pessoas com necessidades especiais através de terapias complement

      Medicinas complementares. A musicoterapia. Reiki. Cromoterapia. A aromoterapia. "Quanto aos filhos de sujeitos sem valor e aos que foram mal constituídas de nascença, as autoridades os esconderão, como convém, num lugar secreto que não deve ser divulgado." Neste trabalho, uma revisão bibliográfica foi realizada com o objetivo de identificar terapias não tradicionais que descrevessem modalidades terapêuticas complementares, a serem usadas em pessoas com necessidades especiais, para proporcionar um bem-estar e equilíbrio físico, mental e emocional. As modalidades descritas foram Musicoterapia, Reiki, Cromoterapia e Aromoterapia. A Música pode reconstruir identidades, integrar pessoas, reduzir a ansiedade e proporcionar a construção de auto-estima positiva. O Reiki promove a restauração do equilíbrio das pessoas. É reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como Terapia de Toque Vibracional, tendo seus princípios baseados na Física Quântica. A Cromoterapia assim como o Reiki, promove a restauração do equilíbrio vibracional através da interferência luminosa. A Aromoterapia baseia-se na utilização de um aroma puro ou composto e na premissa de que o melhor modo de prevenir a enfermidade é fortalecer os mecanismos de autodefesa do corpo. Ela ajuda a restabelecer a harmonia entre o corpo e a mente. No Acompanhamento Terapêutico, a pessoa com necessidades especiais é acompanhada na realidade de sua rotina diária, buscando sua reintegração às diversas situações integrativas na sociedade. As Terapias Complementares permitem a melhora da memória, reduz a tensão emocional, a depressão, a ansiedade e a irritabilidade, promove relaxamento e maior sentimento de autodomínio. Toda atividade deve estar integrada a um plano terapêutico global para cada usuário e fazer parte de uma programação terapêutica que pode ser usada também como uma ferramenta educacional. Educação Especial; reiki; cromoterapia; musicoterapia, aromoterapia.

      (Adicionado: 6ªf Ago 24 2007 | Visitas: 171 | Colocação: 8.00 | Votos: 4) Avaliar
    • Comportamento Biológico de prematuros nascidos num serviço público

      O presente trabalho pesquisou o comportamento biológico (crescimento e desenvolvimento) de bebês nascidos prematuramente. Foram analisadas 270 fichas de prematuros de um serviço público e de um serviço privado de assistência a gestantes e lactentes, em Recife, Pernambuco. O objetivo principal foi verificar o crescimento e desenvolvimento dos prematuros através da situação biológica (peso, estatura e problemas diagnosticados ao nascer e aos 6 meses) e do ambiente (atendimento pré e pós-natal, serviço público e particular, alimentação e algumas características maternas). Os prematuros foram agrupados de acordo com a idade gestacional (IG1 =menor que 30 semanas, IG2= entre 31-36, IG3= entre 37-38). Os dados foram transformados em percentuais e médias e a partir delas montados gráficos e tabelas. Em geral, mais de 97% das mães submeteram-se ao acompanhamento pré-natal e todos os prematuros ao pós-natal. Os resultados gerais mostraram que a maioria dos prematuros: era do sexo feminino; tinha mães com menos de 20 anos de idade e primíparas; apresentava peso ao nascer de 2001-2500g e, aos 6 meses, de 8001-8500g; apresentava comprimento ao nascer de 41-50cm e, aos 6 meses, de 61-65cm; tinha icterícia, ao nascer, e problemas respiratórios aos 6 meses; foi amamentada de forma parcial. (En Formato PDF).

      (Adicionado: 4ªf Jun 06 2007 | Visitas: 211 | Colocação: 9.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Problemas comuns na lactação e seu manejo

      OBJETIVO: Apresentar uma revisão atualizada sobre problemas comuns relacionados à lactação e seu manejo. FONTE DOS DADOS: Foi realizada extensa revisão bibliográfica sobre o tópico, sendo utilizadas publicações selecionadas a partir de pesquisa na base de dados MEDLINE e de organismos nacionais e internacionais. Foram utilizados também livros-texto e alguns artigos-chave selecionados a partir de citações em outros artigos. SÍNTESE DOS DADOS: Vários dos problemas comuns enfrentados durante a lactação – ingurgitamento mamário, traumas mamilares, bloqueio de ducto lactífero, infecções mamárias e baixa produção de leite – têm a sua origem em condições que levam a um esvaziamento mamário inadequado. Assim, má técnica de amamentação, mamadas infreqüentes e em horários predeterminados, uso de chupetas e de complementos alimentares constituem importantes fatores que podem predispor ao aparecimento de complicações da lactação. Nessas condições, o manejo adequado é imprescindível, pois, se não tratadas adequadamente, com freqüência levam ao desmame precoce. Para a abordagem dos fatores que dificultam o esvaziamento adequado das mamas, há medidas específicas. Além disso, o suporte emocional e medidas que visem dar maior conforto à lactante não podem ser negligenciadas. CONCLUSÕES: A maioria dos problemas comuns relacionados à lactação pode ser prevenida com esvaziamento adequado das mamas. Uma vez presentes, os problemas devem ser manejados adequadamente, evitando-se, assim, o desmame precoce decorrente de situações dolorosas e, por vezes, debilitantes para a nutriz.

      (Adicionado: 6ªf Mar 16 2007 | Visitas: 251 | Colocação: 0.00 | Votos: 0) Avaliar
    • Quem são as crianças que se sentem gordas apesar de terem peso adequado?

      OBJETIVO: Investigar a prevalência de crianças com peso adequado que se sentem gordas e os fatores associados a essa percepção. METODOLOGIA: Estudo transversal com 901 escolares, entre 8 e 11 anos, selecionados por conglomerados. As crianças tiveram peso e altura aferidos e responderam um questionário com escala de auto-estima, autopercepção do peso e percepção da expectativa dos pais e amigos em relação a seu peso. RESULTADOS: A prevalência de escolares com percentil do índice de massa corporal (IMC) < 85 que se sentem gordos foi 13%, e as variáveis significativamente associadas a essa percepção foram sexo feminino (RC = 2,45; IC95% 1,42-4,24), ter 11 anos de idade (RC = 2,35; IC95% 1,13-4,89), quartil inferior de auto-estima (RC = 2,08; IC95% 1,17-3,68), percepção de que os pais gostariam que eles fossem mais magros (RC = 3,00; IC95% 1,52-5,91) e percentil do IMC (RC = 1,04; IC95% 1,03-1,06). CONCLUSÃO: A percepção de ser gordo, mesmo com peso adequado, atinge crianças antes da adolescência, em especial meninas de 11 anos de idade, com maior IMC, menor auto-estima e que pensam que seus pais gostariam que fossem mais magras. São necessários mais estudos que aprofundem as causas e conseqüências desse comportamento.

      (Adicionado: 6ªf Mar 16 2007 | Visitas: 227 | Colocação: 6.00 | Votos: 1) Avaliar
    • Recomendações para alimentação complementar da criança em aleitamento materno

      OBJETIVO: Apresentar uma revisão sobre as evidências que embasam as recomendações atuais da alimentação complementar de crianças em aleitamento materno. FONTES DE DADOS: Foi realizada extensa revisão bibliográfica sobre o tópico, tendo sido consultados artigos selecionados a partir de pesquisa das bases de dados MEDLINE e Lilacs, publicações de organismos nacionais e internacionais, dissertações e teses. Alguns artigos-chave foram selecionados a partir de citações em outros artigos. SÍNTESE DOS DADOS: Novos conhecimentos sobre alimentação infantil adquiridos nos últimos 20 anos resultaram em mudanças significativas nas atuais recomendações alimentares de crianças amamentadas em relação às recomendações anteriores. As atuais necessidades nutricionais recomendadas são menores que as anteriores, os alimentos complementares são introduzidos em uma idade mais precisa, em torno dos 6 meses, e são recomendados novos métodos de promoção da alimentação saudável da criança. As novas recomendações enfatizam as práticas alimentares saudáveis, as quais englobam tanto a quantidade quanto a qualidade adequadas dos alimentos, inclusive o cuidado com o manuseio, preparo, administração e armazenamento dos alimentos e o respeito e adequação às características culturais de cada povo. CONCLUSÕES: A alimentação complementar adequada da criança em aleitamento materno é crítica para o ótimo crescimento e desenvolvimento da criança. Portanto, é um fator essencial para a segurança alimentar e para o desenvolvimento das populações e seus países. Cabe aos profissionais de saúde repassar efetivamente às mães/cuidadores as novas recomendações para a promoção da alimentação complementar saudável da criança amamentada. Cabe aos governos propiciar as condições adequadas para essa promoção.

      (Adicionado: 6ªf Mar 16 2007 | Visitas: 227 | Colocação: 6.00 | Votos: 3) Avaliar
    • Relações entre violência doméstica e agressividade na adolescência

      Este é um estudo exploratório sobre violência doméstica realizado na cidade de Porto Alegre, com alunos de duas escolas: uma pública e outra particular. Foram entrevistadas 76 famílias, 36 com adolescentes considerados agressivos pelos professores e quarenta com aqueles não agressivos, perfazendo um total de 213 pessoas. A punição física grave, freqüente ou ocasional, foi um acontecimento presente em mais da metade da amostra: 41 relatos ­ 53,9%. Um terço dos relatos (37%) ocorreu na escola particular, e praticamente o dobro, na escola pública (67%). Porém, episódios graves e freqüentes estiveram presentes em proporções semelhantes em ambas as escolas. A relação entre agressividade na adolescência e punição física grave foi estatisticamente significativa. Isto significa que adolescentes agressivos foram mais punidos que os não agressivos (razão de chances = 4,3). A prevalência de abuso físico foi maior nos adolescentes do sexo masculino, mais velhos, na presença de violência entre irmãos, procedentes de famílias de baixa renda e rígidas. Este estudo mostrou que a punição física é um comportamento mais difundido na sociedade do que se poderia imaginar.

      (Adicionado: 6ªf Mar 16 2007 | Visitas: 226 | Colocação: 8.40 | Votos: 5) Avaliar
15 Anteriores Próximos 15