Analise da musica Calice - Chico Buarque

3606 palavras

Analise da musica “Calice – Chico Buarque” A letra da música “Cálice”, composta por Chico Buarque e Gilberto Gil em 1973, expõe a realidade do regime militar nas entrelinhas. Com a intenção de informar, através da arte, sobre um período marcado pela degradação humana. A analise é extensa por conta de que todos os versos possuem metáforas usadas para descrever o drama da tortura no Brasil. “Pai, afasta de mim esse cálice” é uma suplica desejando que algo vá para longe ou simplesmente deixe de existir. Por ser um pedido feito em forma de suplica já denuncia o aspecto negativo daquilo que se deseja afastar. O objeto de rejeição da musica é o “cálice” que se refere a forma imperativa do verbo calar, cale-se.diretamente ligada a censura imposta pela ditadura.

“Na arquibancada, pra a qualquer momento ver emergir o monstro da lagoa” entretanto, o espetáculo poderia ser, ironicamente, o surgimento de mais um mecanismo de imposição de poder do regime, representado pelo monstro da lagoa. “De muito gorda a porca já não anda” essa “porca” refere-se ao sistema ditatorial, que, de tão corrupto, já não funcionava. Alem que porco é um símbolo da gula, que está entre os sete pecados capitais, retomando a temática da religião. “De muito usada a faca já não corta” demonstra inoperância que o regime tinha, ou seja, mostra o desgaste de uma ferramenta política utilizada à exaustão. “Como é difícil, pai, abrir a porta” é expresso o apelo para que sejam diminuídas as dificuldades, mas ao mesmo tempo apresenta a tarefa como sendo muito difícil. A porta representa a saída de um contexto violento. Biblicamente, sinaliza um novo tempo. “Essa palavra presa na garganta” é a dificuldade para encontrar a liberdade, a livre expressão. É o desejo de falar.