A Perspectiva Quadridimensional (1997)

 

Em 1995, terminei uma série de estudos e análises sobre a Teoria das Projeções e, mais especificamente, sobre o modo como o ser humano percebe visualmente o espaço. Publiquei um resumo dessa tese em 2011 sob o nome de Percepção quadridimensional (texto que pode ser facilmente encontrado na internet).

Tratarei agora da Perspectiva quadridimensional que, apesar da semelhança entre os nomes, é algo completamente diferente. Como todos os processos de perspectiva elaborados desde o Renascimento, este também é um método artificial com vantagens e limitações, as quais serão brevemente expostas neste artigo.

O quadríptico Observação no Tempo, pintado em agosto de 1997, foi a primeira pintura que fiz totalmente baseada nos fundamentos da perspectiva quadridimensional (fig. 1).

Usando o mesmo método que indico aos alunos, coloquei a pintura no computador a fim de analisá-la geometricamente. A figura 2 mostra diversos pontos de fuga para um observador que se movimentou lateralmente e, portanto, compôs a imagem a partir de, pelo menos, quatro momentos e locais diferentes de observação (T1, T2, T3 e T4). No esquema geométrico abaixo podem ser vistos oito pontos de fuga.

Na figura 3, parte superior da figura 2, vê-se que o observador ergueu e abaixou a cabeça, mudando a sua altura ao longo do processo. Como exemplo, são mostradas (em vermelho), quatro linhas do horizonte. Ao se mudar a altura do observador, mudase a linha do horizonte e é nela estão situados os pontos de fuga.

É claro que para um desenho feito com instrumentos de precisão, pode-se ter uma única linha do horizonte (fig. 4), embora seja questionável a qualidade expressiva do resultado alcançado, se comparado com o anterior. Para um desenho mais técnico parece-me aceitável uma padronização; para um desenho artístico e, portanto, mais preocupado com a expressão, perder-se-ia a gestualidade que o traçado à mão livre tem a oferecer.

Olhando-se rapidamente para a pintura, não parece que se está diante de um processo de representação muito diferente dos já existentes, por isso algumas comparações serão feitas com outros métodos. A figura 5 mostra uma possível interpretação da mesma cena pelo processo de um ponto de fuga. Nele, vê-se que a paisagem fictícia foi representada de uma forma completamente diferente. A frontalidade dos planos, característica comum dos desenhos feitos com um único ponto de fuga, não combina com a casualidade das construções esboçadas no quadríptico. Isso não significa que o trabalho com um ponto de fuga ficaria ruim. Pretende-se aqui demonstrar a diversidade entre os processos e não a pretensa superioridade de um sobre o outro.

 



(Ver trabalho completo)

 

Denis Mandarino
contato[arroba]DenisMandarino.com

 
As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.