Segurança para entretenimento

Um salto de qualidade para o chamado policiamento em eventos na Polícia Militar do Estado de São Paulo

  1. Resumo
  2. Referências bibliográficas

RESUMO

O presente trabalho trata da segurança para entretenimento em espetáculos públicos. É fruto da experiência do autor como Comandante da tropa especializada na execução das atividades de polícia ostensiva nos espetáculos desportivos, artísticos e culturais, nos principais espaços públicos e privados da Capital e em designações especiais nas demais cidades do Estado, somado à reflexão sobre a real dimensão da atuação da Polícia Militar do Estado de São Paulo nessa modalidade específica.

A partir de uma análise sintética, aborda o arcabouço legal à disposição dos profissionais de segurança pública. Mostra uma vertente científica do conceito de Segurança e finaliza apresentando uma nova proposta de estratégia organizacional, cuja visão de futuro é promover a excelência da atividade de polícia ostensiva preventiva especializada, quando na execução da segurança para entretenimento.

A presente pesquisa foi desenvolvida em nível exploratório e documental, com técnicas de análise de conteúdo, tendo sido produzido um texto de valor doutrinário, que transforma o entendimento sobre as atividades de polícia ostensiva, hoje desenvolvidas, sob a ótica da gestão pela qualidade em curso na Polícia Militar.

O produto final do presente trabalho não está resumido a uma simples alteração terminológica ou provocação semântica, mas, sobretudo, tem como propósitos provocar a reflexão, a ousadia na ação e estimular os profissionais de segurança pública para que alcancem e mantenham a excelência, objetivo da visão empresarial apresentada.

Obter êxito nessa proposta não é tarefa fácil. Na maioria das vezes, as pessoas estão acostumadas a realizarem trabalhos rotineiros e até mesmo desqualificados. Não existe tensão; portanto, não existe esforço.

A nova proposta exige que se potencialize o esforço, que se promova o comprometimento e se eleve a qualidade.

Há uma reação natural contra propostas desta natureza, vez que se perturba o trabalho em equipe tradicional, que sempre deu bons resultados durante muito tempo. Verifica-se uma incredulidade e insensibilidade generalizadas que só serão vencidas com muita determinação. Uma verdadeira luta para conquistar cada centímetro de terreno.

Esse confronto é um fato natural, faz parte do processo. Ocorre que se as premissas implantadas são elevadas, mas realistas, tudo será uma questão de tempo, paciência, perseverança e trabalho para conseguir o resultado esperado.

O princípio dessa questão é estabelecer um trato de respeito para com as pessoas.

Profissionais verdadeiros desejam alcançar a excelência não somente para destacar-se ante os superiores, mas fazem porque experimentam o sentimento de realizar o extraordinário.

Quando o policial militar tem esse sentimento de triunfador, ele contagia seus entes queridos, amigos e companheiros de trabalho. Alcança a aceitação da sociedade e isso o faz sentir-se orgulhoso.

Quando a pessoa experimenta a emoção dessa realização, nunca volta à situação anterior. A palavra trabalho detém um sentido totalmente distinto, é algo que motiva e faz experimentar um grande respeito por si mesmo, a verdadeira auto-estima.

Dessa maneira, propõe a presente obra seu objetivo, que é a transformação do profissional de segurança pública, isto é, Oficiais e Praças da Polícia Militar do Estado de São Paulo, em todos os postos e graduações, oferecendo possibilidades para a assimilação do arcabouço legal, tendo como ponto de partida o contido nas análises apresentadas nos capítulos de 1 a 7, que sustentam o exercício da profissão no campo da segurança pública e, singularmente, na execução da atividade especializada.

Contribui, ainda, para essa transformação profissional, a real compreensão da amplitude do conceito de segurança, como uma disciplina científica, apresentado no capítulo 8. Essa caracterização científica enobrece o exercício da profissão e reflete, positivamente, na auto-estima do profissional, colocando a matéria em seu devido lugar de importância, no contexto das relações sociais.

Por fim, no capítulo 9, a proposta de transformação profissional, na busca pela excelência na atividade de polícia ostensiva preventiva especializada, ou seja, na Segurança para Entretenimento, implica a compreensão sobre cultura organizacional; a reflexão sobre a ética nas relações interpessoais e na empresa; o entendimento do que vem a ser responsabilidade social; o esforço para a valorização profissional e gestão do conhecimento; a internalização do melhoramento contínuo na Organização; e o compromisso individual e institucional para estabelecer o foco no atendimento às necessidades do cliente, conceitos contemporâneos da gestão pela qualidade.

É muita mudança para ser experimentada de uma só vez. Está patenteado que as organizações que conseguem navegar, com sucesso, através dessa transformação, devem possuir duas características-chave.

Primeiro, começam dizendo: isso é relevante, isso é importante e isso vale a pena ser feito.

Segundo, quem lidera uma mudança dessa magnitude avalia plenamente a enormidade da tarefa e os desafios que cada unidade ou cada pessoa de sua organização terá de encarar. Com essa profunda avaliação na mente, abordam a mudança com um misto de engajamento e encantamento.

Em geral, as pessoas não mudam fácil ou naturalmente. Elas precisam de tempo e de apoio. O líder sensível sabe disso e reage, abrindo para as pessoas o espaço para lutarem; quiçá, falharem. Sabe que um fracasso é sinal de uma tentativa, e que essas falhas são marcos no caminho para o sucesso.

A Polícia Militar do Estado de São Paulo, ao mergulhar neste processo de rearquitetura empresarial no campo da segurança para entretenimento, para ser identificada como uma organização produtiva contemporânea, deve ter, nos seus clientes internos, seu maior patrimônio e, nos clientes externos, sua razão de existir.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, João Batista de. A proteção jurídica do Consumidor. São Paulo: Saraiva, 1993.

BERNARD, Paul. La notion d’ordre public en droit administratif. Paris: Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence, 1962.

CANAL, Raul. Os Direitos dos Militares na Democracia. Brasília: Thesaurus, 1999.

CHIMENTI, Ricardo Cunha. Sinopses jurídicas - Direito Tributário. 2. ed. v. 16. São Paulo: Saraiva, 2001.

BRASIL. Código Tributário Nacional.

COMPARATO, Fábio Konder. A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva, 1999.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. São Paulo: IMESP, 1988.

COSTA, Alexandre Henriques. Tropa de Choque, A Elite Operacional da PMESP. 1. ed. São Paulo: Livraria Científica Ernesto Reichmman, 2002.

CRETELLA JR, José. Lições de Direito Administrativo. São Paulo: José Bushatsky Editor, 1972.

CRETELLA JR, José. Dicionário de Direito Administrativo. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1978.

DECRETO FEDERAL Nº 88.777/83. Regulamento para as PM e CBM (R-200).

DECRETO-LEI FEDERAL Nº 667/69. Lei básica das Polícias Militares do Brasil.

DELMANTO, Celso. Código Penal Comentado. 3. ed. São Paulo: Renovar, 1991.

EÇA. Matias Aires Ramos da Silva. Reflexões sobre a vaidade dos homens. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva: 1999.

GALBRAITH, Jonh Kenneth. Economia empresarial. São Paulo: Saraiva, 1999.

LAZZARINI, Álvaro et. al. Direito Administrativo da Ordem Pública. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

LEI Federal Nº 8069/90. Estatuto da Criança e do Adolescente.

LEI Estadual Nº 616/74. Organização básica da PMESP.

LEI Estadual Nº 5145/86. Disciplina o comparecimento de policiais em espetáculos artísticos, culturais, circenses ou esportivos.

LEI Estadual Nº 7645/91. Dispõe sobre a utilização do serviço público ou em razão do exercício do Poder de Polícia.

MEIRELLES, Hely Lopes. O Direito Administrativo Brasileiro. 19. ed. São Paulo: Malheiros, 1994.

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 1977.

MORAES, Bismael Batista. Polícia, governo e sociedade. São Paulo: Sonda,1985.

ROLLAMD, Louis. Précis de droit administratif. 9. ed. Paris: Librarie Dalloz, 1947.

ROMEIRO, Jorge Alberto Romeiro. Curso de Direito Penal Militar (Parte Geral). São Paulo: Saraiva, 1994.

SILVA, De Plácido e. Dicionário Jurídico. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1963.

WHITELEY, Richard C. A Empresa Totalmente Voltada Para o Cliente -Do Planejamento à Ação. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

 

 

Ten Cel PM Jorge Augusto Rêgo

regojorge[arroba]bol.com.br

 
As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.