Semelhanças entre o budismo e o cristianismo
Contribuições Ecumênicas do Oriente para o Ocidente

  1. Resumo
  2. Introdução
  3. Origem e Correntes atuais do Budismo e Cristianismo
  4. Semelhanças Históricas
  5. Semelhanças doutrinárias
  6. Conclusão
  7. Glossário
  8. Bibliografia

RESUMO:

Pretende mostrar as semelhanças históricas e conceituais entre o Budismo e o Cristianismo, além de fornecer subsídios sobre a filosofia Budista acerca do Vazio, Sincretismo, Ecumenismo, Santidade Feminina e o Eu.

Monografia apresentada à Coordenação do Curso para obtenção do grau de Licenciatura Plena em Ciências da Religião, chancelado pela Universidade do Vale do Acaraú - UVA, em convênio com a Faculdade de Educação Teológica do Nordeste – FAETEN.

INTRODUÇÃO

Este trabalho é o reflexo de quase cinco anos de estudos e reflexões acerca do enigma da inexistência de diferenças entre as religiões, realizado através de pesquisa bibliográfica comparada.

A principal diferença, e talvez única que exista entre as religiões, é que cada religião guarda uma determinada "tecnologia espiritual" que poderia complementar e ajudar suas irmãs a se desenvolverem espiritualmente, quando vistas com olhos ecumênicos.

Traçamos as principais semelhanças entre o Budismo e o Cristianismo, atendo-se mais à corrente Cristã do Catolicismo Romano, e à corrente Budista Tibetana.

A bibliografia selecionada teve como fundamentos principais a Bíblia Sagrada, em especial o Livro de Mateus; o livro "O Evangelho de Buda", do monge Swami Kharishnanda (1998); a obra "Religiões da Humanidade", do Padre Waldomiro Piazza (1991); e "O Despertar do Buda Interior" do Lama ocidental Surya Das (2001). Os termos sublinhados constam no glossário ao final da obra.

Este trabalho pretende quebrar muitas barreiras e dogmas, mostrando visões de certa forma polêmicas, quando destroça o mito do ateísmo Budista. Ateísmo seria a negação ou a omissão em falar sobre Deus? Como o Budismo é então uma religião? Existem Divindades no Budismo?

O trabalho foi dividido em três capítulos, mostrando no Capítulo I a Origem de cada religião separadamente e suas linhas de atuação na atualidade;

O Capítulo II dá um esboço nas semelhanças de fatos históricos entre as duas religiões, penetrando ainda no campo da Devoção a Maria e ao Buda Feminino, nas Mortificações e no Proselitismo. Uma análise sobre o sincretismo é explanada especialmente sobre o ponto de vista oriental, com suas vantagens e conseqüências co-relacionadas.

No Capítulo III apresentamos as semelhanças doutrinárias, procurando intermediar o "fosso" entre o esforço para Iluminação Oriental e Graça Divina do Ocidente. O Budismo centra todos os esforços espirituais no esforço humano, enquanto no Cristianismo é enfatizada a fé como suficiente para a graça Divina. Como conciliar e encontrar semelhanças entre estes dois pontos opostos? Este é mais um quesito a ser analisado e debatido. Debatemos ainda sobre a complexa Doutrina do Vazio, sua relação com a vida cotidiana, prática religiosa e a Negação de Si mesmo; a Fé e as Divindades Budistas .

Esta monografia tem ainda como objetivo esclarecer o Catecismo budista a partir do ponto de vista de um ocidental que tem tradição familiar no Cristianismo, mas que tem estudado o Budismo Tibetano, Budismo Zen, o Hinduísmo reformado de Sri Ramakrishna e os Movimentos Gnósticos contemporâneos, como forma de lançar bases educativas para o corpo docente e discente da área de Ciências da Religião, que precisam romper as amarras que os prendem aos conceitos dogmáticos do Ocidente e do Cristianismo em especial, a ponto de considerar as Escrituras Sagradas e Deus unicamente em sua tradição religiosa, excluindo as restantes, como outrora no período medieval. Nosso tempo não é mais um tempo de dominação, mas um tempo de ênfase no resgate da paz entre os povos. E enquanto houver os preconceitos, inclusive religiosos, jamais o mundo poderá viver em paz.

A grande tentativa desse trabalho foi explorar de forma filosófica e antropológica os fundamentos, semelhanças e contribuições das duas culturas. Acima das diferenças de linguagem, épocas, costumes, história, influências sociais e econômicas, procurou-se penetrar na essência das religiões, no real sentido e resultado que servem a cada ser humano que pratica e se aprofunda sinceramente em sua tradição.

Ao final do estudo, cada um poderá tirar suas próprias conclusões: são o Budismo e o Cristianismo irmãs gêmeas? É possível o Ocidente aprender com a espiritualidade Oriental? É possível aprendermos espiritualidade em outras religiões sem abalar a fé?

Não há intenção alguma em se pôr ponto final a estas questões, mas de gerar idéias novas, palpitantes e férteis, que aproximem não simplesmente as culturas, mas principalmente os povos.

1. ORIGEM E CORRENTES ATUAIS DO CRISTIANISMO E BUDISMO

1.1 Cristianismo

O Cristianismo tem início em meados do Século I com Jesus Cristo, absorvendo e reformando o Judaísmo da época.

Perseguido por ser considerado blasfemo ao se anunciar como filho de Deus, Jesus é preso e morto na cruz. Após 03 dias ressuscita, e encarrega seus discípulos de difundirem seus ensinamentos. Seu grande organizador é o apóstolo tardio Paulo.

Os Cristãos são perseguidos até o ano 313 d.C., quando o imperador romano Constantino lhe concede liberdade de culto. Em 392 d.C. torna-se a religião oficial do império, e no fim da Idade Média se expande para a América e Ásia. No século XIX chega a África (Almanaque Abril, 2004, p.126-127).

Divide-se principalmente em três ramos: Catolicismo, Ortodoxos e Protestantes.

Catolicismo:

Católico deriva do grego, e quer dizer Universal. Tem rígida hierarquia centrada no Papa em Roma, e suas principais características são a canonização de seus mártires, considerados intermediários entre Deus e os homens; a devoção a Maria, considerada intermediária entre os Cristãos e Jesus, seu filho; e as missas. A expansão do Catolicismo associa-se com a expansão do império romano. Em 1960 surge dentro do Catolicismo a corrente chamada Renovação Carismática, que introduz técnicas de manifestação e cura do Espírito Santo. No mesmo ano surge o movimento da Teologia da Libertação, principalmente na América Latina, com o emprego de teorias marxistas para defender a justiça social e a opção pelos pobres. (Almanaque Abril, 2004, p.127-128).

Ortodoxos:

Surgiu em 1054 quando o Império Bizantino rejeitou a hierarquia da Igreja de Roma. Veneram santos, utilizam os mesmos rituais, mas rejeitam a infalibilidade papal, o purgatório (lugar intermediário entre o céu e o inferno) e a doutrina da Imaculada Conceição, na qual Maria teria nascido sem pecado, concebido virgem e ascendida aos céus em vida. Aceita o casamento dos padres.

Possui quatro sedes: Jerusalém, Alexandria, Antioquia e Constantinopla (Almanaque Abril, 2004, p.129).

Protestantismo:

Oriunda da Reforma Protestante da Europa no século XVI, onde se abolem os cultos às imagens, aos santos e à Virgem Maria; suspende-se o celibato dos padres e o uso do latim nas liturgias. Divide-se ainda em Protestantismo Histórico, Pentecostais e Neopentecostais.

O Protestantismo histórico abrange as Igrejas surgidas com a Reforma, que são a Luterana, Presbiteriana, Batista e Metodista.

Os Pentecostais surgem em 1906, em Chicago, E.U.A, em um movimento denominado "Santidade", através da crença no poder do Espírito Santo para curar e garantir a santificação. Atenção especial para a técnica chamada "glossolalia", que é o dom de falar línguas desconhecidas. Incluem-se centenas de Igrejas, tais como Assembléia de Deus e Deus é Amor.

O Neopentecostalismo é formado por grupos autônomos saídos do Pentecostalismo, que extrapolaram as tradições deste grupo, tais como o forte tom emotivo dos cultos, forte presença na mídia, expulsões de demônios seguidos de conversão, e felicidade em vida através de doações à Igreja. Destacam-se as Igrejas Universal do Reino de Deus e a Sara Nossa Terra.

Há ainda grupos saídos do Protestantismo que se apóiam em outras doutrinas ou revelações externas à Bíblia. São as Igrejas dos Mórmons, Adventistas e Testemunhas de Jeová (Almanaque Abril, 2004, p.129-133).

1.2 Budismo

O Budismo nasceu no Século VI a.C. na Índia, com o príncipe Sidarta Gautama, que após passar uma vida de luxos afastado de qualquer ato que pudesse mostrar sofrimento, muda radicalmente ao ver um doente, um velho e um cadáver, abandonando seu palácio para encontrar a Verdade. Depois de pesadas mortificações, vê que o importante é o equilíbrio em sua vida, senta-se para meditar, vence o demônio dos desejos e se Ilumina, reformando a religião predominante, o Hinduísmo, para abrir a espiritualidade a todas as pessoas. Morre aos 80 anos.

Em 253 a.C. o budismo propaga-se por vários países sobre o cetro do rei indiano Ashoka, que após longas batalhas imperialistas para ampliação do seu reino, arrepende-se da matança e converte-se ao Budismo, devido o exemplo compassivo de sua esposa.

No século I desenvolvem-se os conceitos Mahayanas (Grande Veículo), em contestação aos monges que reservavam unicamente para si a condição de devotos, designando que a Iluminação seria conseguida mais rapidamente com o sacrifício pelo outro, ao invés de enclausurar-se do mundo. Isso propaga rapidamente o Budismo entre os leigos, assemelhando-o muito ao Cristianismo, mas é freado no século VII, após a invasão muçulmana na Índia.

No Século VII, ao adentrar nas fronteiras do Tibet, o budismo mescla-se com a religião local chamada de Bon, e adota os ritos mágicos, a devoção e até alguns Deuses Hindus. Este Budismo foi chamada de corrente Vajrayana (Veículo de Diamante).

A religião Budista é altamente sincretista, pois Buda não é considerando um Deus, permitindo assim seus seguidores conviverem com outras religiões (Almanaque Abril, 2004, p.134).

Suas correntes de pensamento são basicamente as linhas Theravada, Tibetana e Zen.

A corrente Budista Theravada são os ortodoxos do Budismo, que enfatizam a vida monástica e seguem fielmente suas escrituras sem aceitar nenhuma alteração. É comum na Tailândia, Ceilão, Sri Lanka e todo o sudeste asiático (Dharmanet, 2005).

A corrente Tibetana teve sua origem no Tibet no século VII d.C., com a vinda do Mestre Indiano de nome Padmasambhava, e enfatizam a devoção aos Mestres chamados de Lamas, e rituais mágicos advindos da religião primitiva do Tibet. Padmasambhava era dotado de muitos poderes, e as tradições tibetanas asseguram que ele era um "não nascido", ou seja, não nascido de um ventre, pois ele simplesmente surgiu.

O Budismo tibetano divide-se ainda em quatro grandes escolas, das quais o Dalai Lama é o chefe espiritual de uma, além de ser o chefe político da nação tibetana, invadida pela China em 1959.

Todas as correntes tibetanas praticam as técnicas tântricas, que são métodos de meditação dotados de grande poder, oriundos da região da Caxemira na Índia, que podem incluir práticas de união sexual (SAMUEL, 1997, p.103). Por isso, alguns Mestres Tibetanos são casados. O Budismo Tibetano disseminou-se também no Nepal, Mongólia e quase toda a região próxima ao Himalaia.

A corrente Zen foi muito difundida na China, Coréia, Vietnam e Japão, e enfatiza a intuição e a meditação, sem dar grande esboço às teorias (PIAZZA, 1991, p.278-322). Difundiu-se muito no Japão, a ponto de se confundir com o próprio povo japonês, pois sincretizou as correntes tradicionais, como o Xintoísmo e o Confucionismo, aliando-se ao governo quando este favorecia o povo (PIAZZA, 1991, p.321-332). Sua técnica revolucionária prega a aniquilação da lógica mental, deixando a mente em seu estado natural, seja através de meditações com perguntas sem respostas, chamadas de Koans, seja através do Zazen, que é uma meditação que visa estender o espaço de tempo existente entre cada pensamento, o chamado não-pensar.

2. SEMELHANÇAS HISTÓRICAS

Seria o Cristianismo um Budismo simplificado?

A complexidade da filosofia do Budismo, e a extrema simplicidade prática e emocional de Jesus, podem aparentar um grande fosso entre ambas. O próprio Buda reconheceu logo após sua iluminação que o conhecimento adquirido seria muito difícil de ser entendido, chegando até mesmo a pensar em não divulgá-lo para ninguém.

Mas nas suas práxis podem ser detectadas numerosas semelhanças, tanto históricas quanto doutrinárias.

Iniciaremos analisando as semelhanças históricas de vários eventos ocorridos entre Eles, os familiares e discípulos com os quais conviviam.

2.1 As mães Imaculadas

Os nascimentos de Buda e Cristos guardam semelhanças entre a santidade de suas mães e seu sangue real, como que justificando uma genética espiritual em botão desenvolvido até o ponto máximo por seus filhos pré-destinados.

Buda nasce de uma Rainha, que é imaculada e pura de desejos, de nome Mayadevi (KHARISHNANDA, 1998, p. 23-25).

Jesus nasce de Maria, a virgem imaculada, cujo esposo possui uma descendência real oriunda do Rei Davi (Mt 1,1-25). Com o passar dos tempos, Maria foi adorada como a consoladora, a protetora, a negociante das recompensas e alívio dos castigos, sendo uma das Santas de máxima adoração dentro do catolicismo.

No entanto, enquanto Maria é santificada por ser a Mãe Imaculada do Salvador, não acontece o mesmo a mãe de Buda, Mayadevi.

Mayadevi com todas sua virtudes, após a morte de seu esposo, abandona seu palácio, converte-se ao Budismo juntamente com seu neto e nora, a família constituída por Buda antes de abandonar o palácio, e todos se tornam monjes. Mas o Budismo sente a necessidade do acalento de uma Divindade feminina, e só doze séculos após, com a introdução do Budismo no Tibet, é que passam a adorar uma Divindade oriunda da Índia, a Arhat conhecida pelo nome de Tara.

O Budismo tibetano, embora seja uma religião dominada pelos homens, já que a grande maioria dos seus líderes Lamas é masculina, possui uma grande devoção por Tara, considerada a protetora do Tibet (DAS, 2001, p.264). Semelhante também com as protetoras ou "padroeiras" dos estados e municípios do Brasil, as "Nossas Senhoras".

Tara é um ser que se sacrifica para proteger e liberar todos os seres. Sua história indica um combate ao machismo, à crença ilusória da superioridade masculina, tal como houve no Judaísmo, Cristianismo e Islamismo. Em um tempo que se perde no espaço, Tara meditava e irradiava muita energia, quando foi avistada por alguns monges que ao vê-la exclamaram: "Grande meditadora, fazemos voto que na próxima encarnação você possa nascer como homem!". Tara respondeu: "Meu desejo é que enquanto haja seres sofrendo, eu possa renascer com o corpo feminino. Estes são meus votos." Tara deu a lição que o caminho da liberação não está limitado ao sexo masculino (TARANATHA, 2005). A devoção a Deusa Tara emocionou e entrou como um raio nas camadas populares da nação Tibetana.

Já o Cristianismo Católico tem sido muito criticado e incompreendido devido à sua devoção a Maria, que ao lado de São Francisco, são os santos mais festejados dentro das camadas populares. As críticas têm vindo especialmente das correntes protestantes, tendo em vista que a Bíblia não relata fatos especiais que evoquem sua santidade, como por exemplo, martírios, torturas, milagres ou alguma reforma que tenha feito no Cristianismo. A grande maioria dos santos teve suas beatificações por martírios (Pedro, Paulo, Santa Claus), pelas reformas que fizeram (Tomás de Aquino e Agostinho), ou pelos milagres e poderes (Francisco de Assis, Santa Tereza D´avila). Já um outro grupo de santos foi canonizado por motivações políticas por expandirem violentamente os domínios da Igreja, como no caso dos santos das Cruzadas.

E Maria? Suas maiores proezas são o acompanhamento dos sofrimentos do filho, sem perder a fé. No entanto, podemos analisar com mais profundidade a santidade de Maria, acima das Escrituras e encontrando a essência religiosa da devoção.

Tal devoção vem do sentimento de necessidade do amor maternal, considerado o maior amor terreno que possa existir. O amor da mãe é incomensurável, sem limites, sem lógica, sem leis, acima do amor filial, fraterno, sexual e qualquer outro sentimento que possa existir. O alento, alimento e sentimentos dos filhos são todos ensinados com a ternura materna. E se fisicamente é assim, por relação e similaridade, o indivíduo que é filho devocional de uma religião, sente a necessidade de um Deus-Mãe, um Deus flexível, consolador, protetor, sentimental, acalentador. Algo que não se vê no aspecto masculino do Deus-Pai, especialmente o Deus do Antigo Testamento, guerreiro, vingativo, rígido e recompensador.

A devoção de Deus-Mãe remonta desde as religiões mais primitivas até nossos dias, como o culto da Mãe do Grande Espírito dos povos siberianos de 20.000 a.C.; Deusa Ísis do Egito em 3.200 a.C.; Ishtar na Mesotopâmia em 3.000 a.C; a Deusa Kali do Hinduísmo em 2.000 a.C.; e a Deusa Atenas da Grécia em 1.500 a.C (PIAZZA, 1991). Todas essas Deusas tinham uma veneração tão importante quando ao Deus Supremo de todas essas culturas, como Zeus, Brahma, Osíris, Tupã, Amon etc.

O Judaísmo retirou o elemento feminino da devoção, e o Cristianismo o retornou. E a grande figura a preencher esta lacuna é Maria, que mesmo sem participar ou entender profundamente todo o drama do Filho que culminou com sua dramática morte, o apoiou sem hesitar nenhum momento.

A devoção a Maria é um culto essencial, matriarcal, de sentimentos profundos, que preenche os corações dos devotos, especialmente os mais simples. E se torna o devoto mais sensível, mais espiritualizado, mais consolado e firme na compaixão Cristã, de forma nenhuma há que se renegar esse desenvolvimento devocional acontecido no Cristianismo, assim como muitas mudanças, acréscimos e técnicas foram implementadas no Budismo ao longo dos séculos por milhares de Lamas, Rinpoches, Swamis e Mestres Budistas em geral.

2.2 As profecias após o nascimento

Os nascimentos de Buda e Cristo foram considerados em suas épocas distintas como marcos espirituais, pois seriam o advento da vinda dos Mestres dos Mestres, aqueles que abririam os olhos até mesmo dos maiores Mestres de seus tempos.

Mesmo com a diferença cronológica de 500 anos entre os dois nascimentos, duas pessoas aclamadas como sábias fizeram profecias semelhantes sobre a missão que estas crianças desenvolveriam no mundo.

Buda foi profetizado pelo sábio de nome Asita, que ao vê-lo, profetizou que ele libertaria o mundo (KHARISHNANDA, 1998, p.23-25).

A liberdade do mundo profetizada por Asita abrange dois objetivos: o sofrimento e o social. A libertação da cadeia de sofrimentos profetizada aconteceu na época de Buda devido sua religiosidade estar centrada nisso, abominando as especulações e a necessidade peremptória dos ritos, que era a crença predominante da época. Houve também a libertação social, pois sua segunda abominação foi a separação dos indivíduos em castas, que excluía àqueles sem hereditariedade nobre, os chamados párias. Assim, para estes, os ritos de purificação e recompensas celestes não estavam disponíveis, restando apenas uma vida física e espiritual de plena amargura.

No Cristianismo temos a figura do Simeão, que já na sua profecia encaixa dor e separação, quando relata que haverá quedas de muitos em Israel, e será alvo de contradição:

Ora, havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem, justo e temente a Deus, esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele. Simeão o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse: E Simeão os abençoou, e disse a Maria, mãe do menino: Eis que este é posto para queda e para levantamento de muitos em Israel, e para ser alvo de contradição. (Lucas 2,25-34).

E aconteceu mesmo a consolação de Israel, pois com Jesus também os excluídos passaram a absorver a benevolência de Deus, independente de ser escravo, gentio, pagão ou estrangeiro. O Judaísmo da época além de impor inúmeras regras impossíveis de serem cumpridas, enfatizava por demais a hereditariedade judia, excluindo os que não possuíssem o caráter genético. Enfrentar o poder espiritual dominante foi o ponto central da perseguição de Jesus, pois Roma procurava não interferir nestas questões religiosas tão difíceis de Israel. Mexer nesse barril de pólvora seria estourar rebeliões em todos os recantos, o que dificultaria a dominação romana e o recolhimento de impostos. Mais fácil seria dar liberdade religiosa.

E Cristo veio e plantou a contradição, trazendo uma nova concepção ao Judaísmo, sem muitos rituais, sem muitas exigências de purificação e provocando uma divisão de águas entre os abertos a mudanças e os retrógrados.

2.3 A busca dos predestinados

Procede ainda grande semelhança entre a procura dos Reis Magos pela criança Jesus e a tradição do Budismo tibetano à procura das crianças consideradas reencarnações de Mestres espirituais, tais como os Lamas (Instrutores), tradutores e os regentes políticos, os Dalai Lama.

Que mistérios guardam a predestinação da nascimento de certas crianças, gerando a procura dos doutores da época por seu encontro?

O Budismo encontra uma explicação mais plausível, pois defende a Reencarnação. Então grandes Mestres voltam a encarnar sucessivamente por amor à humanidade, para que assim todos os seres cessem seus sofrimentos. Poderiam ficar nas regiões paradisíacas, celestes, gozando da boa-venturança, mas o amor lhes move ao sacrifício de se manifestarem fisicamente, com todas as dores, humilhações e intolerâncias que isso traz (DAS, 2001, p.128-129).

Já o Cristianismo tem nessa passagem atualmente apenas a exposição do cumprimento das profecias, pois não aceita mais a reencarnação. Como dar lógica a vinda de seu maior Mestre, o Deus vivo em carne, se não há toda uma expectativa? Mas a aceitação da reencarnação ou transmigração das almas nem sempre foi assim no Cristianismo, pois até os seis primeiros séculos do Cristianismo a crença na reencarnação era comum:

A crença na reencarnação constituía um dos dogmas das comunidades cristãs primitivas, mas depois foi considerada herética e banida da teologia cristã no Segundo Concilio de Constantinopla em 553 d.C. (KERSTEN, 1998, p.28).

Os sábios reis Magos, oriundos provavelmente da Pérsia, terra de conhecimentos mágicos, sobrenaturais, astrológicos, místicos e até astronômicos (pois seguiam uma estrela), chegaram exatamente no ponto certo do encontro do menino, tão distante da cidade que nem mesmo o Rei Herodes tinha conhecimento.

Este é o mesmo procedimento utilizado pelos sábios do Tibet, mesmo na atualidade. No século XIX, uma expedição foi criada com a missão de encontrar a reencarnação do atual XIV Dalai Lama, e esta se baseou em pistas dadas em vida pelo Dalai Lama anterior; nas indicações de um monge funcionário do governo com poderes para ver o futuro, denominado de Oráculo; nas meditações e visões do monge regente do Tibet; e nos cálculos dos Astrólogos do governo, pois a Astrologia é largamente utilizada pelo governo e cidadãos tibetanos em geral (KERSTEN,1988, p.98-100).

2.4 A prova das tentações

A similaridade do caminho percorrido pelos dois Mestres encontra-se também no isolamento de ambos, onde são tentados por demônios para que abandonem o caminho espiritual em favor da opulência, luxúria e riquezas.

Sofrem grandes martírios, indicando a necessidade de controle sobre o corpo.

Após o domínio sobre o corpo, enfrentam as provas de domínio sobre a mente e a força de vontade em enfrentar sua missão.

Buda conviveu com ascetas Jainistas que praticavam horrendas mortificações no corpo e na mente, para assim ter domínio da mente. Dentre as mortificações destaca-se fechar as mãos muito fortemente e por muito tempo, a ponto das unhas atravessarem as palmas; calçar sandálias com pregos; dilacerar suas carnes com laminas ou fogo; morar e dormir com cadáveres. Alimentava-se com apenas dois grãos de arroz por dia, tornado-se tão esquelético que ao tocar o estômago, atingia a coluna (KHARISHNANDA,1998, p.56-57).

Após seis anos de penitências e meditação, tendo-se isolado dos seus companheiros ascetas, é tentado por Mara, príncipe das trevas, com cenas de luxúria, poder e riquezas (KHARISHNANDA,1998, p.62-63).

Já Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto para ser tentado pelo diabo (Mt 4,1-1). Jejuou também quarenta dias e quarenta noites no deserto (Mt 4,2).

As horrendas mortificações de Buda são também semelhantes ao sofrimento de Cristo na prisão e na cruz. Os fatos da tortura cristã inspiraram por séculos a penitência sangrenta como forma de expiação dos pecados. Muitas dessas penitências intentavam imitar seus sofrimentos, seja martirizando-se com objetos cortantes, seja sendo pregado com parafusos na cruz.

Estas tradições chegaram até nossos dias, tendo como exemplo um grupo de penitentes na cidade de Barbalha, interior do Ceará, que costumam fazer rituais de autoflagelação:

Mas o Cariri não abriga apenas fanáticos aguardando o fim do mundo. Grupos de penitentes que praticam a autoflagelação como forma de penitência para aplacar a ira de Deus, obter o perdão dos pecados e chegar ao paraíso, são ainda mais numerosos. Um dos mais tradicionais é o do Sítio Cabeceiras, em Barbalha, cidade a menos de 20 quilômetros de Juazeiro do Norte. Liderado por Joaquim Mulato de Souza, 77 anos, o grupo é uma tradição que vem sendo mantida há pelo menos quatro gerações. (...) As orações são centenárias. A penitência diária para as mulheres é a oração. Já os homens se submetem a um ritual muito mais impressionante que remete aos primeiros séculos da Igreja e a santos mártires e guerreiros como São Sebastião e São Bernardo. Usando chicotes com lâminas afiadas de metal nas pontas, eles se autoflagelam durante longos períodos, enquanto cantam orações onde se louvam sacrifícios, a dor e a redenção que ela traz, como aconteceu com Cristo (ISTOÉ, 1997).

Após tantos séculos, as penitências físicas conseguem perdurar dentro de pequenos grupos, como forma de purificar os pecados e seguir o caminho do Cristo através do domínio da dor no corpo.

A grande diferença entre a tortura do Cristo e as penitências sangrentas destes grupos, é que o Cristo o fez por um motivo maior, e não por questões pessoais. Cristo também entrou em uma novela de penitências com sua prisão, tortura e crucificação, e por vontade própria, mas isso fez para sua mensagem perdurar por séculos, e não para ganhar alguma recompensa espiritual como fazem os penitentes. De outra maneira, talvez o Cristianismo não houvesse se difundido tanto. Imaginem se Cristo não tivesse sido crucificado. Será que isso conseguiria comover tanta gente? Que grande exemplo de vida ele teria dado?

Agora, um homem santo, puro, que enfrentou todos os poderosos da época para ajudar os desamparados, e como conseqüência foi preso, dilacerado e morto nu, vergonhosamente exposto para uma multidão, é algo muito forte para que não deixemos de nos interessar que força era essa que esse homem tinha, e o que tinha para ensinar. Alguém bom sofrendo injustiças é algo que mexe no fundo do ser humano, que atravessa o coração. E essa é a porta de entrada do Cristianismo.

Os penitentes querem seguir Cristo em seus sofrimentos na carne, mas não seguem sua vida de compaixão e ajuda aos outros, tentando melhorar a vida dos mendigos, das crianças de rua, dos presidiários e dos violentos. Preferem distanciar-se da vida. Muito semelhante ao pós-modernismo, em que se prefere morrer um uma escalada de montanha, do que enfrentando poderosos para ajudar necessitados.

Dentro do Budismo não há mais essas penitências, no máximo jejuns ou retiros espirituais com pouca alimentação. Sacrifício só se for pelo próximo.

Antes do Século I o Budismo não era assim, onde os monges isolavam-se da sociedade e faziam grandes sacrifícios em retiros nas cavernas, com disciplinas pesadíssimas de meditação e jejuns. Uma dedução bastante plausível para estas mudanças é que os missionários Cristãos da época tenham influenciado os grandes Mestres Budistas a mudarem seus conceitos de sacrifício monástico para o sacrifício pelo próximo.

2.5 O preconceito no início da missão

Embora encerrem o nascimento de Mestres dos Mestres de suas épocas, profetizados como os possuidores dos maiores atributos divinos, Buda e Jesus também foram humanos e viveram em determinado contexto social, parecendo ser incongruente as manifestações físicas e antropológicas de uma pessoa divina que possua carne e ossos, como todos os outros seres humanos.

O preconceito sobre Buda recaiu sobre seus antigos discípulos com quem teve anos de convivência, e acreditavam de acordo com os conceitos Jainistas predominantes na época, que a única forma de ascender espiritualmente e alcançar a iluminação, seria o controle sobre o corpo com as mortificações. Buda, após a iluminação, reverteu esses conceitos e exortou todos a terem uma vida equilibrada. Ao verem que seu antigo tutor se alimentava e se vestia normalmente como todos os outros "impuros", desprezaram-no por considerarem um fracassado nos seus votos da santidade (KHARISHNANDA, 1998, p.77). Como se tornar santo se não se martiriza? As mortificações de Buda foram as maiores de todos eles, e ninguém era capaz de conseguir repeti-las, e por isso o antigo Sidarta tornou-se o Mestre deles antes de sua Iluminação. Agora, voltando e se anunciando como Iluminado, Sidarta-Buda apresenta-se forte, limpo e com roupas normais, algo totalmente adverso a tudo que acreditavam até então. Viraram-lhe os rostos e o consideraram o mais inferior dos humanos, pois conheceu o caminho e desistiu! Assim pensaram os cinco ascetas...

O preconceito contra Jesus já não foi oriundo de sua revolução de conceitos, mas na incapacidade de se compreender como um Messias, o profeta mais esperado de todos os tempos poderia ter uma origem humilde e não ter saído de uma família rica e poderosa. Essa é a conclusão que chegamos quando alinhamos a indagação de Natanael ao ser informado que Jesus é nazareno, quando pergunta "O que pode vir de bom de Nazaré?" (Jo 1,46), e os questionamentos de seus conterrâneos quando interrogavam: "Não é esse o filho do carpinteiro"? De onde vem toda essa sabedoria? (Mt 13,54-58).

O preconceito contra Jesus foi puramente materialista, pois era um homem de origem humilde, sem estrutura educacional e financeira. Para que acreditassem em sua mensagem e reforma, exigiam que ele fosse rico, nobre, de uma classe guerreira ou sacerdotal, como se a sensibilidade para mudar o mundo e o próprio ser humano estivesse vedada aos pobres. Além de ser um pensamento ingênuo, é anti-histórico com os próprios fatos narrados anteriormente com o Antigo Testamento. Primeiro, porque quem vem de uma classe dominante normalmente não quer mudanças para não perder suas riquezas e posição. Segundo, porque todos os grandes reformadores de Israel desenvolveram suas missões devido à aproximação com a pobreza. Moisés, mesmo sendo adotado pela filha do Faraó, enfrentou o Egito porque vivia ao lado dos miseráveis de Israel.

Cristo nasceu na pobreza, em uma caverna sem nenhum conforto, e desde pequeno já via as injustiças, explorações e vedação espiritual do seu povo. Buda nasceu em um palácio, em uma vida cercada dos maiores confortos, mas vendo que tudo isso não eliminaria os problemas da dor humana, e nem jamais conseguiria achar a verdadeira felicidade, abandonou tudo! Abandonou suas riquezas, seus pais, sua esposa, seu filho pequeno, seus amigos e suas vestes, indo viver ao lado de ascetas, mendigos e cadáveres. E tornou-se também um mendigo, ou melhor dizendo, um monge mendicante. Francisco de Assis também faria do mesmo jeito vinte séculos depois, abandonando sua vida fidalga e saindo nu da casa dos seus pais. Tomou essa decisão inspirado na vida de Cristo, mas sua história é muito mais semelhante à vida do Buda.

2.6 Autoridade de Buda e Jesus em apresentarem-se como únicos

Não seria algo totalmente incongruente que duas culturas que se baseiam na compaixão e no amor ao próximo, tenham seus fundadores definindo-se como os maiores, os únicos?

Exatamente por causa desses conceitos, muito enfatizados no Cristianismo, é que houve tanta intolerância religiosa na humanidade, com tantos assassinatos e humilhações às outras religiões. Termos como pagãos e hereges trazem em seu âmago os gritos de sangue de todos os inocentes torturados e mortos absurdamente.

Mas seria esse o propósito de Jesus? Jamais poderíamos conceber isso. Esse pensamento tacanho seria aplicável apenas a empresários sem escrúpulos, no afã de eliminar a concorrência, mas não ao reformador do Ocidente.

O trecho mais forte no Novo Testamento sobre a superioridade de Jesus apresenta-se no Livro de João: "Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14,6).

As interpretações sectárias que se seguiram durante séculos e séculos é que o único caminho seria o Cristianismo, gerando termos insuflados de uma violência sanguinária: paganismo, heresias, idolatria, mitologia etc.

Mas isso foi tudo e continua sendo um grande superficialismo à letra morta, que não resiste a uma análise mais profunda. Tal interpretação só teria sentido se o próprio Cristo já estivesse contaminado com a política imperialista e podre de Roma. Tal contaminação só foi acontecer quatro séculos mais tarde com o imperador Constantino (SAMUEL, 1997. p.199), criando a ideologia que o Reino de Deus estaria condicionado a um cadastro em uma ordem eclesiástica e hierarquizada, bastando para isso um ritual (Batismo), que mesmo inconsciente, garante o passaporte automático para os Céus (ROHDEN, 1990, p.60).

E qual análise mais profunda seria essa? Por incrível que pareça, vamos encontrá-la em um escritor oriental e "pagão": Thich Nhat Hanh, monge Zen Budista, vietnamita, autor de vários livros sobre o Zen, tendo lutado incansavelmente contra a guerra no Vietnã, o que lhe rendeu uma indicação para o Prêmio Nobel da Paz, e também a expulsão e exílio de sua terra natal.

Thich sofreu em sua própria pele a discriminação do invasor contra a religião de seu país, imposta por missionários sectários do cristianismo francês nos anos 70. No entanto, sua luta pela paz o ajudou a ver o outro lado do Cristianismo nas atitudes pacifistas de Martin Luther King e muitos outros nomes, passando a nutrir tanta devoção a Jesus como a Buda, a ponto de possuir uma imagem de cada um em seu altar pessoal! Thich conhece os dois lados da moeda do Cristianismo: seu sectarismo violento e sua compaixão engajada com o social. O Cristianismo ajudou Thich a desenvolver um Budismo engajado com o social, que é a tônica dos seus livros, além do ecumenismo, é claro.

Para Thich, o trecho de João tem a seguinte versão:

Quando Jesus disse" Eu sou o caminho ", Ele quis dizer que, para termos um verdadeiro relacionamento com Deus, precisamos praticar Seu caminho. (...) O" Eu "na declaração Dele é a própria vida, a vida Dele, que é o caminho. (HANH, 1997, p.69).

Essa interpretação dá uma clara manifestação da ausência de egoísmo e verdadeira sinceridade de Jesus, pois o valor de seus ensinamentos não está em suas palavras, mas em sua vida! Ele é o que é sua vida, e nada mais... Não há um "eu" aí, um instituidor de Igrejas, sectarismos e dogmas, mas apenas alguém que cumpre sua tarefa, e exorta que sigam seus passos de compaixão.

Huberto Rohden, professor e escritor brasileiro de renome internacional, compactua com essa visão, quando explica que o nome imposto pelo Anjo Gabriel para o filho de Maria, Jesus, significa "Deus Salvação" ou "Redentor Divino", do hebraico. Tal nome não é a designação de um ser, mas a função visível de uma realidade externa, sua missão a cumprir (ROHDEN, 1990, p.39-40)

Essa separação entre o "eu" e a vida é uma idéia completamente budista. Tal separação e afirmação da inexistência do eu foi estabelecido pelo budismo para contrapor o forte conceito de castas hindu (HANH, 1997, p.68), o qual reforçava a idéia da superioridade de um eu em função de sua hereditariedade, desprezando e massacrando as classes hereditariamente desfavorecidas.

Assim, Buda também se apresenta em diversas ocasiões como Único, ou como O Mais Iluminado.

Logo após sua iluminação, muda seu nome de Sidarta Gautama para "O Iluminado", e ao encontrar novamente seu pai depois de vários anos, autodenomina-se como "O Mestre da Verdade" (KHARISHNANDA, 1998, p.84).

Mesmo com essas denominações, o Budismo não se tornou sectário, mas adotou o respeito compassivo e positivamente sincrético em todos os locais que propagou, adquirindo também o respeito das outras religiões. O próprio Hinduísmo, que teve um grande declínio após o Budismo, considera Buda como a 9ª Encarnação do seu Deus Reformador, Vishnu (Almanaque Abril, 2004,p.134).

No Japão houve praticamente a fusão do budismo com o Xintoísmo, implementando no Budismo uma prática tradicional japonesa que é o culto aos antepassados.

2.7 A disseminação do conhecimento

Ambas as religiões foram disseminadoras em nível mundial, talvez devido ao fato de terem sido radicalmente reformadoras, trazendo a última palavra em espiritualidade para suas épocas.

A orientação de Buda para a divulgação dos seus ensinamentos foi mais doce que a de Jesus, provavelmente por que em sua época e região a violência era bem menor. É de se frisar que Buda recebeu o apoio de muitos Reis, ávidos de conseguirem atingir a Iluminação, ao contrário de Jesus, que foi assassinado devido à velha forma de política podre que derrama o sangue daqueles que ameaçam a intenção do poder perpétuo.

A orientação de Buda foi a divulgação através da alegria, mas APENAS para os que quisessem:

Buda orientou seus discípulos a reunirem todos os que quiserem escutar as doces palavras da lei, estimulando os incrédulos a receberem a verdade e encher de alegria seus corações. (KHARISHNANDA, 1998, p.110).

A premissa no Cristianismo com Jesus já foi mais amarga, para uma época sangrenta, escravocrata, ameaçadora. Entende Jesus que o preconceito e o desprezo irão liderar a recepção aos Apóstolos, preconizando extrema prudência como alerta às armadilhas dos inimigos ocultos, e usa até mesmo um tom de ameaça para o futuro castigo dos desprezadores de sua reforma:

Em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela é digno, e hospedai-vos aí até que vos retireis. E, ao entrardes na casa, saudai-a; se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; mas, se não for digna, torne para vós a vossa paz. E, se ninguém vos receber, nem ouvir as vossas palavras, saindo daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés. Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para a terra de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade. Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudente como as serpentes e simples como as pombas. (Mateus 10,11-16).

Em seu afã de difundir-se mundialmente, o Cristianismo tornou-se uma religião de prosélitos, que consiste na técnica de converter o maior número possível de adeptos, "aderindo-os" no novo engajamento religioso. O proselitismo na história foi feito mediante as milhares missões evangelizantes, não se furtando à utilização da ameaças, assassinatos e outros crimes hediondos, especialmente contra os indígenas.

Para Evaldo Pauli, da Universidade de Santa Catarina, este foi um vício oriundo da cultura judaica, onde os judeus saíam pelo mundo helênico e romano para convertê-los ao Judaísmo (PAULI, 2005).

Esse proselitismo, além de criar tensões entre os outros grupos religiosos pejorativamente definidos como "pagãos", necessitou do estabelecimento de dogmas para evitar ou adiar a perda dos fiéis de sua escuderia, para que assim não houvesse a ousadia de novas teorias ou interpretações que viessem abalizar a cúpula cristã.

Ao contrário do Cristianismo, a disseminação mundial do Budismo tornou-o sincrético com as demais culturas com as quais se envolvia, adaptando-se e mesclando-se com as tradições culturais e religiosas locais, como por exemplo no Japão, que adotou várias tradições do Xintoísmo. Até nossos dias o Budismo considera o sincretismo algo salutar para sua religião, como se o próprio Budismo crescesse com isso. O Budismo realmente não consegue ser uma religião de multidões em todos os locais que passa. A grande maioria dos grupos budistas brasileiros não passa de cinqüenta integrantes, e isso é ocasionado devido a forma de divulgação do Budismo, através unicamente de palestras e artigos, em revistas ou Internet. O Budismo considera um missionário como um erro bastante grave, algo totalmente inadmissível, pois se alguém tenta propagar sua religião e outro faz o mesmo, tornam-se ambos concorrentes e vêm os conflitos (DALAI LAMA, 2001a, p.198).

O Cristianismo, que herdou o espírito dominador dos judeus e romanos, passou a escravizar povos e desprezar as outras religiões, e no Século XVIII passou a definir a palavra "Sincretismo" como algo totalmente negativo, como "uma reconciliação ilegítima de pontos de vista teológicos opostos, ou heresia contra a verdadeira religião" (FERRETTI , 1999, p.113-130).

Assim o Budismo tornou-se sincrético, e o Cristianismo violentamente sectário.

Seriam dois extremos de uma mesma linha? O ideal seria um meio termo entre o sincretismo e o sectarismo?

Para estas religiões, que trabalham para divulgar seus ensinamentos em amplitude mundial, o termo sincretismo não pode deixar de existir quando se entra em contato e se convive com culturas diferentes.

Embora o Cristianismo e o Budismo tenham chegado a essas culturas trazendo uma nova "tecnologia espiritual", jamais poderiam esmagar toda uma cultura tradicional de uma religiosidade que já existe, e que permite o desenvolvimento de muitos aspectos morais incipientes nas novas culturas.

Assim aconteceu com os espanhóis ao catequizarem os indígenas Maias e Incas, e os portugueses com nossos aborígines. Vieram como culturas superiores, para ensinar o "verdadeiro" Deus, pois consideravam que estes nativos selvagens adoravam deuses falsos. Com o passar do tempo, consideraram os índios como almas perdidas, e chegaram a concluir que os nativos eram seres sem alma!

Só que os indígenas possuíam um sistema comunitário mil vezes mais solidário que os invasores, além de terem um cuidado e adoração extrema com todas as formas de vida, pois viam Deus em tudo. Não poluíam, e só matavam os animais que eram necessários à sua alimentação. Viviam em grande harmonia entre si e com a natureza, um verdadeiro paraíso. Os invasores trouxeram apenas a mentira, politicagem, corrupção, armas, estupros, torturas, desmatamento, exploração e guerra. Conclusão: eram os nativos mais Cristãos que seus dominadores. E estes ainda consideravam sua religião superior, como ainda até hoje consideram...

Tal influencia se nota na própria cultura ocidental, que classifica outras religiões antigas como mitologias, e apresenta os termos "Divindades" e "Deuses" com as iniciais em letras minúsculas, escrevendo e unicamente com a inicial maiúscula o Deus do monoteísmo, como se apenas para Este último houvesse respeito e realidade, sendo os Deuses das outras religiões meras invenções.

E quais são os problemas trazidos pelo sincretismo? Que religião se queixa de ter mesclado elementos de uma nova cultura na sua?

Os africanos foram estraçalhados em suas culturas, trazidos algemados em imundos navios para nossas terras, e considerados inferiores à espécie humana. Para poderem adorar suas Divindades tiveram que sincretizá-las com os Santos Cristãos. Mesmo assim, os grupos religiosos africanos da nossa atualidade, em nada se queixam do sincretismo!

Mas o Cristianismo dominador, teme e abomina o sincretismo. Considera-se livre dele, uma cultura pura, sem as misturas das outras religiões, e isto é o que o afasta tanto do Ecumenismo.

Conta Thich Nhaht Hanh, monge Zen Budista a quem nos referimos anteriormente, que em uma conferência de teólogos e professores de religião, um cristão indiano falou no microfone: "Vamos ouvir falar maravilhas de várias tradições, mas não vamos fazer uma salada de frutas!". Quando foi a vez de Thich falar, sua primeira frase foi: "Uma salada de frutas pode ser deliciosa...". Após, compartilhou a Eucaristia com um padre amigo seu, para horror dos cristãos que estavam no recinto (HANH, 1997, p.23).

Por mais esforço e violência que se faça, é impossível entrar em contato com outra cultura sem sofrer influências. Por isso, nas palavras do célebre Leonardo Boff, é impossível a ausência de sincretismo em qualquer cultura religiosa que ultrapasse nações:

A Igreja em sua estrutura apresenta-se tão sincrética como qualquer outra expressão religiosa [...] o cristianismo puro não existe, nunca existiu nem pode existir. [...] O sincretismo, portanto não constitui um mal necessário nem representa uma patologia da religião pura. É sua normalidade. (BOFF, 1982, p. 150-151).

De forma alguma podemos condenar o sincretismo, mas devemos equipará-lo ao próprio termo Ecumenismo, denotando respeito, tolerância e humildade religiosa, além de uma grande abertura em aprender o novo.

Sincretismo une evangelização e respeito. Sectarismo e tentativa de pureza religiosa unem guerra e atraso cultural. Temos o exemplo muito claro disso nos países que adotaram o Islamismo Fundamentalista, trazendo guerra e dor para o seu povo.

 
As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.