Hábitos alimentares na adolescência

Enviado por Mauro Fisberg


1. Abstract

O período da adolescência é caracterizado por crescimento físico e desenvolvimento rápidos, com aumento da necessidade de nutrientes. Além destas, características como a crescente independência, alterações psicológicas, busca de autonomia, definição da própria identidade, influência de amigos, demandas escolares e de trabalho, pressões e modificação das preferências alimentares, rebeldia contra os padrões familiares fazem deste um grupo de risco nutricional. Devemos também considerar os fatores de risco para a saúde do adolescente, como o tabagismo, uso de álcool, sedentarismo, excesso de esportes, uso de drogas, hábito de fazer dieta, problemas familiares, como separação ou morte dos pais, gravidez e comportamento alimentar inadequado.

A preocupação, neste período, com a prevenção da saúde relacionada a estes fatores de risco praticamente não existe, devido ao senso de invencibilidade e indestrutibilidade do adolescente.

A supervalorizaçao da imagem corporal e a preferência da nossa sociedade por mulheres magras podem resultar em padrões alimentares restritivos e ingestão inadequada de nutrientes e energia. A busca frenética por padrões de beleza e imagens idealizadas, reforçada pela mídia, pode desencadear transtornos alimentares.

Algumas patologias que antes só se manifestavam em adultos ou idosos vêm sendo encontradas em adolescentes, como o diabetes do tipo II, doenças cardiovasculares, osteoporose e outras. Isto ocorre, principalmente, por causa da alimentação e do estilo de vida inadequados. Estas doenças podem ser prevenidas precocemente, se houver intervenção dos profissionais de saúde junto aos grupos de risco.

Portanto, é importante que os adolescentes, especialmente aqueles com risco nutricional, sejam acompanhados e orientados para modificação dos hábitos alimentares e estilo de vida.

2. Comportamento alimentar dos adolescentes

A formação dos hábitos alimentares é influenciada por uma série de fatores: fisiológicos, psicológicos, socioculturais e econômicos. A aquisição dos hábitos ocorre à medida que a criança cresce, até o momento em que a própria escolherá os alimentos que farão parte da sua dieta. Quando pequena, seu universo se restringe, geralmente, aos pais e cabe a eles determinar que alimentos lhe serão ofertados. À medida que a criança passa a frequentar a escola e a conviver com outras crianças, ela conhecerá outros alimentos, preparações e hábitos. Os adultos são modelos, delineando as preferências alimentares das crianças. Os vínculos afetivos poderão influenciar positiva ou negativamente na fixação dos padrões de consumo alimentar. É grande a influência da televisão na formação dos hábitos alimentares.

É claro que cada um possui preferências e rejeições diferentes, mas o acesso e a possibilidade de experimentar mais de uma vez determinado alimento permitem uma mudança de hábito. São comuns alguns preconceitos, tabus alimentares e atitudes que levam a erros alimentares e prejuízos à saúde, como os pais ou educadores "obrigarem" as crianças a comer determinado alimento em troca de presentes, passeios etc., o que pode resultar em traumas definitivos. A supervalorização dos doces também pode ocorrer, quando estes são premiação para o bom comportamento da criança.

Sabe-se que os adolescentes costumam pular refeições, especialmente o café da manhã, o que pode levar a um menor rendimento escolar. No Brasil há estudos que demonstram que o almoço e o jantar são substituídos por lanches, principalmente quando este é o hábito familiar. Os lanches e refeições rápidas geralmente são alimentos mais ricos em gorduras e carboidratos e pobres em vitaminas, sais minerais e fibras. O consumo excessivo de refrigerantes, balas e doces é um problema comum em todo o mundo. Excessos e restrições são comuns, quer em relação a um alimento em si (por exemplo, carne ou leite) ou à alimentação como um todo.

O adolescente é normalmente "preguiçoso", não gosta de muitos esforços, o que acarreta uma alimentação facilitada, com excesso de comidas prontas, sanduíches, salgadinhos e bolachas (é só abrir e comer!!). Além disso, muitos adolescentes não fazem nenhum tipo de atividade física, restringindo o seu lazer à televisão, ao videogame ou ao computador.

Muitos adolescentes, apesar de terem um bom conhecimento sobre os princípios de uma alimentação equilibrada, têm atitudes que não correspondem a este conhecimento: uma grande porcentagem ingere regularmente "salgadinhos" e outros alimentos ricos em gordura e açúcares simples entre as refeições, em desacordo às recomendações nutricionais. Ocorre alta porcentagem de preferência por bolachas, batatas fritas, pizza, refrigerantes e chocolates como lanche escolar, apesar da disponibilidade de outros alimentos saudáveis.

A dieta costuma ser pobre em fibras, vitaminas e minerais. O caso do cálcio é preocupante, pois esse é um período associado à formação de massa óssea. No entanto, a maioria dos adolescentes não atinge sequer dois terço das recomendações diárias para o cálcio. O ferro é especialmente importante para as meninas, devido às perdas menstruais e para os meninos devido ao aumento da massa magra e do volume sanguíneo.

O hábito de fazer dieta, especialmente entre as meninas, muitas vezes está associado ao uso de medicamentos para emagrecer ou a "técnicas menos convencionais", como recorrer a vômito e laxantes.

3. Diagnóstico nutricional

Para o diagnóstico individual do estado nutricional e do desenvolvimento se devem avaliar a composição corporal e a ingestão alimentar. A antropometria (medidas de peso, estatura, pregas cutâneas e outros) está indicada porque não há necessidade de equipamentos sofisticados, a tomada das medidas é rápida, há facilidade de comparação com padrões já estabelecidos e se pode, também, analisar a velocidade de crescimento. É importante que o profissional seja treinado e o equipamento utilizado adequado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera, atualmente, a população norte-americana como padrão de referência mundial e sugere a comparação dos valores de peso, estatura e idade com os dados de um levantamento populacional feito nos Estados Unidos pelo National Center for Health Statistics (NCHS).

A OMS recomenda a classificação utilizando o índice de massa corporal (IMC), que é o peso (em quilogramas) dividido pela estatura elevada ao quadrado (em metros quadrados), analisando o percentil em que o indivíduo se encontra e a porcentagem de adequação deste índice em relação à população-padrão.

O cálculo da porcentagem de adequação de peso para estatura é muito útil para a classificação de desnutrição energético-protéica e sobrepeso em indivíduos desta faixa etária, associado-se a outros parâmetros clínicos. O percentual de adequação é calculado comparando-se o peso do indivíduo com o peso ideal, referente ao percentil 50, de adolescentes com a mesma idade do indivíduo analisado.

O adolescente cujo IMC for maior que o percentil 95 para idade e sexo tem sobrepeso e outros aspectos da saúde deverão ser avaliados, bem como a dieta, para determinar morbidade psicossocial e risco de futura doença cardiovascular.

Se o percentil do IMC estiver entre 85 e 95, existe risco para sobrepeso. Este também deverá ser avaliado nos aspectos seguintes:

· IMC aumentou nos últimos 12 meses?

· Há história familiar de doença cardiovascular prematura, obesidade, hipertensão ou diabetes mellitus?

· O adolescente expressa preocupação com o próprio peso?

· Os níveis séricos de lipídeos ou a pressão sanguínea estão elevados?

· Existe a possibilidade de anemia? Pedir dosagem de hemoglobina e ferritina.

Se esta avaliação for negativa, estes adolescentes deverão ser orientados para uma alimentação equilibrada, prática de exercícios e devem ser monitorados anualmente. Se for positiva, deve-se avaliar individualmente o paciente, para orientá-lo adequadamente.

A avaliação do consumo alimentar, através de inquérito recordatório das últimas 24 horas, feita por profissional treinado, é um instrumento que subsidia uma intervenção educativa efetiva. O registro alimentar de três dias também pode ter este objetivo, além de avaliar as modificações do comportamento alimentar.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.