Considerações acerca d"o nariz torcido de Lucio Costa



"... o Patrimônio para mim foi sobretudo uma questão de amizade e afeto, uma oportunidade de convivência e conhecimento devidos a bons amigos. Mas bem sei que um estudo objetivo mostraria como esses amigos, e todos os funcionários que não conheci nem conheço, realizaram profissionalmente com a inteligência e o coração uma das obras mais notáveis que este país já viu." (Antonio Candido – Patrimônio Interior. Revista do Patrimônio Nº 22/1987)

"O problema da recuperação e restauração de monumentos, trata-se de uma casa seiscentista como estas de São Paulo, ou das ruínas desta igreja de São Miguel, no Rio Grande do Sul, é extremamente complexo. Primeira, porque depende de técnicos qualificados cuja formação é demorada e difícil, pois requer, além do tirocínio de obras e de familiaridade com os processos construtivos antigos, sensibilidade artística, conhecimentos históricos, acuidade investigadora, capacidade de organização, iniciativa e comando e, ainda, finalmente, desprendimento. Segundo, porque implica em providências igualmente demoradas, como o inventário histórico-artístico do que existia na região, o estudo da documentação recolhida, o tombamento daquilo que deve ser preservado, a eleição do que mereça restauro prioritário, ..." (Lucio Costa – Compromisso de Brasília. Abril de 1970)

"Todavia, não é fácil deixar de divergir em problemas históricos. E essa divergência, em tese, embora não raro bizantina, é positiva. Dela nascem as grandes pesquisas decisivas. Dela nascem as descobertas fecundas. Duvidem, pois, os que quiserem duvidar." (Fritz Teixeira Salles – Associações Religiosas no ciclo do Ouro. BH/MG. 1963)

Antonio Luiz Dias de Andrade, um ano antes de obter o titulo de Doutor em Arquitetura ao defender a tese UM ESTADO COMPLETO QUE PODE JAMAIS TER EXISTIDO, publicou na revista SINOPSES, em 1992, o artigo O NARIZ TORCIDO DE LUCIO COSTA, colocando em destaque um dos casos analisados na monografia relativos às obras empreendidas nos anos iniciais de atividade do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Neste artigo, após examinar detidamente a documentação relativa às obras de restauração da antiga capela ou igreja de Nª Srª do Rosário, do Embu, chega à conclusão de que este importante exemplar da arquitetura jesuítica paulista, em seu projeto original, jamais possuíra torre sineira. Baseia sua interpretação em uma criteriosa e bem fundamentada análise da correspondência trocada entre os arquitetos Luís Saia (então Diretor da Regional paulista) e Lucio Costa (que chefiava a Divisão de Tombamento e Conservação, no Rio) à época dos trabalhos (1939-41), quando discutiam diversas questões que foram surgindo no desenrolar dos trabalhos, e mais especificamente aquelas atinentes à reconstituição da fachada original da antiga capela jesuítica, e em especial a problemática da torre sineira.

Tentarei, inicialmente, resumir o relato que Antonio Luiz apresentou das propostas então defendidas pelos mencionados arquitetos, a busca por evidências e os testemunhos obtidos bem como as soluções adotadas, e por fim a confrontação dessas soluções com as premissas que orientavam os trabalhos e as interpretações a que chegou.

Antes, porém, quero dizer que torno a esta questão por considera-la um assunto ainda de relativa importância, seja pelo caráter histórico que lhe é próprio seja pelo interesse e a atenção que ainda desperta, enquanto pendência não suficientemente esclarecida, nos técnicos de preservação e, ultimamente, também nos pesquisadores acadêmicos. Outros motivos subsidiários podem ser alinhados: embora diga respeito a apenas um ou dois elementos ou aspectos do monumento arquitetônico, trata-se este de um bem cultural sobre o qual existe um conhecimento que se por um lado é suficiente para determinar a que período corresponde e a que tipo de construção se destina (igreja e residência típica de aldeamento jesuítico dos três primeiros séculos de colonização paulista), de outro, é ainda falto de explicação, incluindo a questão em foco, mas também sobre o seu rico acervo artístico, em especial as belíssimas pinturas de seus forros; segundo, por ter sido objeto de estudos e intervenções em um determinado momento (1939-41) por parte do órgão federal de preservação quando se realizaram obras que o salvaram da destruição, garantiu a sua preservação pela aplicação do instrumento do tombamento e sobre tudo se buscou reconstituir a sua fisionomia original, que era o propósito desde logo declarado pelo SPHAN assim que se tornou alvo de suas atenções a partir de 1937[1]terceiro, e mesmo porque os principais personagens responsáveis pelas investigações e estudos que resultaram nas soluções por fim adotadas no restauro, infelizmente, são todos falecidos – o que os faz merecer de nossa parte o respeito e a deferência de que são merecedores -, aos quais, pelo mérito de ter analisado com profundidade e espírito crítico isento as contribuições respectivas e ter desvelado os princípios e procedimentos que resultaram na sua configuração final, incluo também o ex-colega e coordenador da Regional paulista do IPHAN, o arquiteto Antonio Luiz Dias de Andrade; e, por fim, por entendermos que a questão, por não estar inteiramente esclarecida, demanda ainda pesquisas de natureza historiográfica – sendo o nosso propósito aqui oferecer uma primeira contribuição. Se esta ocorre somente agora, vinte anos após a publicação do artigo, deve-se ao fato de que a busca por documentos relativos aos bens e monumentos tombados – projeto que me propus a desenvolver a partir de 1992 -, não corresponde, na maioria das vezes, à intenção, sempre premente, de encontra-los e analisa-los em face das questões colocadas. Embora não tenha (eu) contribuído, direta e pessoalmente, para nenhum dos estudos que desenvolveu, de sua parte Antonio Luiz dedicou-me atenção e reconheceu algum mérito em trabalhos por mim desenvolvidos, como no estudo que subsidiou o tombamento das pinturas de Padre Jesuíno do Monte Carmelo da VOT do Carmo de S. Paulo, e mesmo em questões que tínhamos entendimentos divergentes, como a da origem do Sítio do Padre Ignácio, jamais manipulou os dados ou interpretações que produzi acerca do monumento.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.