Página anterior Voltar ao início do trabalhoPágina seguinte 


A Contribuição das Práticas Pedagógicas Inovadoras na Formação do Autor Cidadão (página 2)

Lisete Maria Massulini Pigatto

Educar-se requer cada vez mais acesso a informações e conhecimentos para desenvolver um cidadão autônomo, participativo, justo, com responsabilidade social. A Portaria nº 35 de 27 de fevereiro de 1998 do Ministério da Fazenda ao oficializar o grupo para atuar com este tema, estabeleceu o objetivo de "promover e coordenar as ações necessárias à elaboração e a implantação de um programa nacional permanente de Educação Fiscal," no intuito de despertar a sociedade para o exercício da Cidadania pró-ativa de forma criativa. Uma modalidade educacional, voltada a uma Educação Social de qualidade que preconiza os quatro pilares básicos da Unesco: aprender a Conhecer, aprender a Fazer aprender a Interagir e aprender a Ser (Delors, 1998) como elementos fundamentais e importantes para que as pessoas enfrentem os problemas que as afligem numa proposta de Inclusão Escolar e Social.

A Conferência de Paz que colocou fim à Primeira Guerra Mundial em 28 de abril de 1919 criou a SDN – Sociedade das Nações ou a Liga das Nações. Uma associação intergovernamental, de caráter permanente baseada nos princípios da segurança coletiva, cooperação econômica social e humanitária, de igualdade entre os estado soberanos. O sentimento pacifista difundido leva as pessoas a buscar cidadania que "se expande e se afirma na sociedade à medida que os indivíduos adquirem direitos e ampliam sua participação na criação do próprio estado. (PEF, p. 21)" A educação como um processo de humanização, adapta-se ao longo do tempo ao novo paradigma que se instala no mundo, o qual instiga a lidar melhor com a globalização e as suas formas de expressão. Assim, aponta a Educação Social como uma proposta viável, capaz de instigar as pessoas à inclusão escolar e social saudável, como uma contraproposta a globalização que procura conquistar apenas comercialmente os países. Na visão de Eguiazú (2002, p. 80) estes querem dominar todos os terrenos "teniendo como uma de sus poderosas herramientas los prestamos y creditos, para "ayudarnos" a desarrolarnos y", quando na verdade estamos cada vez mais empobrecidos.

No intuito de aprender a lidar melhor com a globalização e a diversidade de forma alternativa e interativa com acessibilidade é que se desenvolve este trabalho com os alunos na escola. No intuito de colocar em grau de igualdade e importância os princípios e os valores para a ética, assim como a cultura e a moeda, pois esta deve ser vista como um elemento de troca saudável e não como um instrumento de medo e opressão (Freire, 1987). A moeda é de fundamental importância para impulsionar o desenvolvimento educacional e socioeconômico de um país. Facilita as operações de compra e venda, instiga a arrecadação de impostos para superar as crises materiais e subjetivas, ajudando a organizar e distribuir a renda na sociedade. Segundo Carvalho (2008 p, 38) "o homem é, em Morin, um ser complexo porque é um ser biocultural, onde a dimensão do individuo não deixa nunca de se relacionar com a de espécie e a com a de sociedade, mesmo enquanto ser livre" para ser uma pouco mais feliz.

Sendo assim, as instituições precisam incentivar as práticas pedagógicas inovadoras, os acordos e as parceiras para encantar o aluno. Oportunizar vivências reais, associando a teoria e a pratica para conseguir sucesso nas operações de trocas e nas redes de apoio. Percebe-se assim, que a ausência dos elementos capazes de humanizar e emancipar o aluno impede o seu desenvolvimento integral, inibindo a ação e a transformação individual e coletiva na sociedade Um processo sócio-educativo que precisa ser desenvolvido de forma saudável em todas as etapas na vida de uma pessoa para que obtenha êxito na convivência.

O Projeto justifica-se devido à necessidade em trabalhar o processo de Inclusão Escolar e Social de forma saudável por meio de Práticas Pedagógicas Inovadoras diversificadas. Em função da depredação que vem ocorrendo na escola e dos preconceitos enfrentados por um numero significativo de alunos. Devido à ausência de informações, conhecimentos e empatia por parte de alguns colegas de aula mal preparados e orientados, bem como as condições muitas vezes precárias em que vivem e convivem os nossos alunos.

Estas são as razões que nos instigam a desenvolver projetos desta natureza, para que os alunos consigam aprender a agir e a reagir com mais segurança frente aos desafios apresentados pelo contexto. Devido a esta complexidade, opta-se pela Educação Social, que se caracteriza como uma filosofia, uma ideologia que tem o objetivo de desenvolver o Ser Humano como um Ser Integral, capaz de contribuir com o desenvolvimento e o aprimoramento da sociedade. Nesta perspectiva o Programa de Educação Fiscal e o PIM – Programa para uma Infancia Melhor complementam-se com a proposta desenvolvida na escola. A Educação Social constitui-se no novo paradigma da educação que se desenvolve no mundo e se estende ao serviço social de empregados e empregadores. Segundo Haro, Andrés Escarbajal de; " La Educacíon Social en Marcha", Nau Llisbres Valencia, (1998) orienta-se à polivalência de modo a amenizar os problemas, contribuir com a evolução e a melhoria da sociedade. Para isto intervem nas mais diversas faixas etárias, com crianças, jovens, adultos, idosos, em diferentes contextos sociais, culturais, educativos e econômicos para transformar.

Uma polivalência interventiva que favorece a Inclusão Escolar e Social. Portanto este tipo de educação exige a construção da escola como um sistema aberto, "pois há um movimento constante de seus membros." (Oliveira 2004, p.15) Uma modalidade de ensino aprendizagem que estimula, motiva e oportuniza o acesso à educação para todos, de modo que possam alcançar qualidade de vida. A Educação Social na escola, associada ao curriculo estende-se de forma direta e indireta as famílias e a comunidade, pois os alunos são os divulgadores das informações e dos conhecimentos trabalhados de forma crítica e reflexiva na sala de aula e nas oficinas de sensibilização com temas de relevancia social.

Nesta dinâmica a escola oferece acesso às informações e aos conhecimentos as pessoas, de acordo com as suas necessidades e potencialidades para que todos consigam aprender a aprender, aprender a fazer, a Ser com autonomia para viver juntos. (Delors, 1998) Numa proposta de aquisição de saberes que levam a desenvolver habilidade e competências para que se obtenha qualidade, pois segundo o PEF (2003, p. 11) uma "escola de qualidade é aquela que ensina a aprender", que oportuniza vivenciar a realidade com criatividade.

O Projeto ajusta-se anualmente, fundamenta-se no Relatório Faure (1974) quando se refere à educação permanente e as Cidades Educativas. No Relatório Delor (1998) ao apontar o homem biológico e filosófico como um Ser inacabado, que necessita aprender para viver e evoluir. Na Pedagogia da Consciência Crítica de Freire (1921 a 1997) ao salientar a importância das relações dialógicas problematizadoras e o respeito à subjetividade humana como condição para a ação e a transformação social. Nos Sete Saberes Necessários a Educação do Futuro e na Teoria da Complexidade de Morin (2001), quando apontam os saberes como elementos fundamentais para que os alunos aprendam a lidar com os problemas e participar do processo de humanização e emancipação com justiça e responsabilidade social.

A proposta desenvolve-se numa sucessão de Temas, Ações e Atividades Educativas vinculadas ao contexto e ao currículo de forma significativa, concomitantemente ao trabalho desenvolvido pelo Professor em Sala de Aula. A Metodologia Recreação e Cidadania[1]utilizada consistem numa diversidade de Práticas Pedagógicas Inovadoras, desenvolvidas de forma alternativa e interativa com os alunos e Professores. A dinâmica alegre e divertida leva-os a atingir os objetivos propostos manifestando vontade em aprender, a fazer, a viver e a conviver com o outro. Nas Oficinas de Recreação e Cidadania, de Sensibilização e outras, trabalha-se a Formação do Autor Cidadão por meio da Arte com dinâmicas lúdicas, recreativas e sistematizadas. Para isto conta com o saber formal da escola, o informal coletivo, as informações e os conhecimentos da Educação Fiscal, para instigar nos alunos e na comunidade a necessidade de conhecer o sistema e a ordem, desenvolvendo as habilidades e as competências imprescindíveis para o exercício da cidadania pró-ativa.

Os Temas trabalhados por meio do Teatro Musicado destacam em 2005 os cuidados com a Ecologia no Planeta e a necessidade em resgatar a nossa historia por meio da Imigração. No ano de 2006, salienta a Importância da Rádio e da Comunicação para desenvolver a Cidadania Pró-Ativa. Em 2007, na peça "No Mundo das Letrinhas" destacam os símbolos como elementos de comunicação e aprendizagem importantes ao ser humano. No ano de 2008 à dinâmica desenvolvida com o Circo vem trazer alegria para a Cidade até então adormecida. Em 2009 destaca o trabalho realizado com "A Evolução Humana", o qual leva o aluno a conhecer as fases naturais do desenvolvimento: a infância, a adolescência e a idade adulta, instigando-os a superar as suas crises sejam materiais ou subjetivas.

As dinâmicas desenvolvidas com a metodologia apresentam bons resultados. Favorecem o desenvolvimento da aprendizagem e da Cidadania pró-ativa nos alunos de forma ética, estética e inclusiva. No teatro musicado e nas Oficinas de dança realizadas percebe-se o desbloqueio emocional do aluno e a sua superação por meio das vivencias, que ampliam as memórias e o estado de consciência. A dança tem ajudado os alunos a superar o medo de aprender a aprender, a fazer e a conviver. Atua como um elemento capaz de melhorar a motricidade fina e ampla, as noções de tempo e espaço, os hábitos e as atitudes fundamentais para o desenvolvimento do comportamento humano de forma saudável. Ao interagir com o outro se identifica como um autor cidadão, capaz de pensar, manifestar o seu pensamento e resolver os problemas com criatividade por meio do dialogo. Percebe-se que o Projeto Alegria ajuda a prevenir a violência, minimiza a insegurança, oportunizando acordos e parcerias. Gradativamente resgata-se a auto-estima e a afetividade dos alunos, melhorando concomitantemente o comportamento, a cognição, o processo de inclusão escolar e social.

Ao trabalhar a formação do autor salientam-se três etapas: início, o meio e o fim do texto que ajuda a organizar o pensamento do aluno, pois se inicia o brincando de teatro. A dinâmica estimula, motiva e oportuniza ao aluno a fazer amizades e a interagir com o outro. Desperta interesse pelo saber e pela pesquisa de forma alternativa e interativa. Constata-se que muitas dificuldades já foram superadas, alunos com problemas de locomoção, fazem um esforço para dançar e subir no palco. Quem não se manifestava, já articula palavras, demonstra vontade de aprender a ler, a escrever para descobrir conceitos e os conteúdos de forma divertida e sistematizada. A proposta inter, trans-disciplinar e multidimensional associa-se ao trabalho de outros Professores numa Gestão de equipe com muita qualidade.

Assim, comprova mais uma vez a relevância da Metodologia Recreação e Cidadania, pois os alunos aprendem a aprender, a respeitar-se, a conhecer o seu tempo e o seu espaço social de aprendizagem por meio das práticas pedagógicas inovadoras. Os laços sócio-afetivos desenvolvidos nas atividades tornam-se cada vez mais fortes, motivando-os a humanização e a emancipação. A dinâmica instiga a uma Cultura de Paz, trabalha com um planejamento muito bem organizado e diversificado, com perseverança e fé em Deus para o sucesso. Conclui-se, que o trabalho sócio-educacional desenvolvido no Projeto Alegria é de relevância social e merece destaque pela inclusão escolar e social que ajuda a promover na sociedade.

Referencia Bibliográfica

CARVALHO, Adalberto. Edgar Morin e a renovação do humanismo. Disponível em: . Acesso em: 20.08.2007. CORREIA, W. F. Subjetividade, o que é isto?

DELORS Jacques, Educação um tesouro a descobrir. SP: Cortez. Brasilia: Unesco, MEC 1998.

Educação Social. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Educa%C3%A7%C3%A3o_social. Acesso 09 de julho 2008.

EGUIAZÚ, Pedro. Globalizacion y autoestima. Editorial paraguay cultural: PY. 2002.

FAURE, Edgar. Aprender a Ser. Lisboa. Bertrand. Difusão européia do Livro, 1974.

FREIRE Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998, 1999.

___________ Pedagogia do Oprimido. 17 ed. RJ: Paz e Terra, 1987.

GREWE, Silvia. Coord. Programa de Educação Fiscal: aprendendo a ser cidadão. 2ª Ed. Secretaria da Fazenda do RS, 2005.

HARO, A. La Educacíon Social en Marcha. Nau Llisbres: Valencia. 1998.

Inclusão Social. Disponível http://pt.wikipedia.org/wiki/Inclus%C3%A3o_social> acesso 02.05. 2008.

MORIN Edgar. Introdução a pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget. 2001.

OLIVEIRA M. Intervenção Psicopedagógica na Escola. Curitiba: Iesde. 2004.

PIGATTO, Lisete. 2008. A Prática Pedagógica desenvolvida com o Projeto Recreação e Cidadania na Escola Municipal de Ensino Fundamental Edy Maya Bertoia na Cidade de Santa Maria, no intuito de delinear o Perfil do Professor para atuar com a Inclusão Social. Tese Doutorado. Disponível em: http://br.monografias.com/trabalhos3/pratica-pedagogica-dos/pratica-pedagogica-dos.shtml. acesso 03.05.09.

PIGATTO Lisete. 2007 Projeto Recreação e Cidadania 2007. Disponível em: http://www.cibersociedad.net/recursos/art_div.php?id=239 acesso em 05 de setembro de 2008.

Relatório Faure 1972 in Wiethein J & Cunha C. Fundamentos para uma nova educação. Brasilia: Unesco. 2000.

SEITENFUS, Ricardo. Manual das organizações internacionais. 5ª Ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Ed. 2008.

TAVARES, G; GERBASE F; OLIVEIRA R; GOMES, S. Programa de Educação Fiscal: Manual do Professor. Alagoas, 2001.

WIETHEIN J & CUNHA C. Fundamentos para uma nova educação. Brasilia: Unesco. 2000.

 

Autora:

Lisete Maria Massulini Pigatto

lisetepigattoaid[arroba]yahoo.com.br

Lisete Maria Massulini Pigatto é Drª em Ciências da Educação pelo Acordo do Mercosul, UTIC, PY. Atua como Educadora Especial no Sistema Estadual e Municipal de Ensino na Cidade de Santa Maria, RS, Brasil.


[1] Metodologia Recreação e Cidadania in: Pigatto Lisete. 2007 Projeto Recreação e Cidadania 2007. Disponível em: http://www.cibersociedad.net/recursos/art_div.php?id=239 acesso em 05 de setembro de 2008.



 Página anterior Voltar ao início do trabalhoPágina seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.