Página anterior Voltar ao início do trabalhoPágina seguinte 


A gestão escolar relativa ao processo docente educativo e o papel orientador do gestor (página 2)

Francisca Martins dos Santos

O conceito de Gestão Escolar, relativamente recente, é de extrema importância para que se tenha uma escola que atenda às atuais exigências da vida social: formar cidadãos e oferecer, ainda, a possibilidade de apreensão de competências e habilidades necessárias e facilitadoras da inserção social. Para fim de melhor entendimento, costuma-se classificar a gestão escolar em três áreas, que funcionam interligadas, de modo integrado ou sistêmico: Gestão Pedagógica, (grifo meu) Gestão de Recursos Humanos e Gestão Administrativa.

(Dos Santos, 2006, p.130)

Toda a comunidade educativa na intencionalização (projetualização) da educação. No entanto, cabe ao gestor escolar assegurar que a escola realize sua missão: ser um local de educação, entendida como elaboração do conhecimento, aquisição de habilidades e formação de valores. O gestor deverá animar e articular a comunidade educativa na execução do projeto educacional, incrementando a gestão participativa da ação pedagógico-administrativa, conduzindo a gestão da escola em seus aspectos administrativos, econômicos, jurídicos e sociais. O gestor é o articulados/mediador entre escola e comunidade. Ele deve incentivar a participação, respeitando as pessoas e suas opiniões, no que chamamos de gestão democrática.

O gestor escolar tem de se conscientizar de que ele, sozinho, não pode administrar todos os problemas da escola. O caminho é a descentralização, isto é, o compartilhamento de responsabilidades com alunos, pais, professores e funcionários. O que se chama de gestão democrática onde todos os atores envolvidos no processo participam das decisões.

Uma vez tomada, trata-se as decisões coletivamente, participativamente, é preciso pô-las em práticas. Para isso, a escola deve estar bem coordenada e administrada. Não se que dizer com isso que o sucesso da escola reside unicamente na pessoa do gestor ou em uma estrutura administrativa autocrática na qual ele centraliza todas as decisões. Ao contrário, trata-se de entender o papel do gestor como líder cooperativo, o de alguém que consegue aglutinar as aspirações, os desejos, as expectativas da comunidade escolar e articular a adesão e a participação de todos os segmentos da escola na gestão em um projeto comum. O diretor não pode ater-se apenas às questões administrativas. Como dirigente, cabe-lhe ter uma visão de conjunto e uma atuação que apreenda a escola em seus aspectos pedagógicos, administrativos, financeiros e culturais.

(Libâneo, 2005, p.332)

Considera-se a Gestão Pedagógica o lado mais importante e significativo da gestão escolar. Cuida de gerir a área educativa propriamente dita da escola e da educação escolar. Estabelece objetivos, gerais e específicos, para o ensino. Define as linhas de atuação de acordo com os objetivos e o perfil da comunidade e dos alunos. Propõe metas a serem atingidas. Elabora os conteúdos curriculares.

Acompanha e avalia o rendimento das propostas pedagógicas e dos objetivos e o cumprimento das metas. Avalia o desempenho dos alunos, do corpo docente e da equipe escolar como um todo.

Suas especificidades estão enunciadas no Regime Escolar e no Projeto Político-Pedagógico, também denominado Proposta Pedagógica, da escola. Parte do Plano Escolar ou Plano Político-Pedagógico de Gestão Escolar também inclui elementos da gestão pedagógica: objetivos gerais e específicos, metas, plano de curso, plano de aula, avaliação e treinamento da equipe escolar.

O diretor é o grande articulador da Gestão Pedagógica e o primeiro responsável pelo seu sucesso, auxiliado, nessa tarefa, pelos apoios pedagógicos.

A prática tem mostrado que o diretor é fundamental para dinamizar a construção coletiva do projeto, sua implantação e o acompanhamento e verificação da realização prática do teoricamente proposto.

Profissionais competentes, líderes que tenham capacidade para coordenar esforços coletivos.

(Hengemuhle, 2004, p.191)

Sua função envolve atividades de mobilização, de motivação e de coordenação. Dirigir uma escola implica colocar em ação os elementos do processo organizacional (planejamento, organização, avaliação) de forma integrada e articulada.

Assim, o gestor é a figura que deve possuir e liderança, no clima de organização da escola que pressupõe a liberdade de decidir no processo educativo e não nos gabinetes burocráticos.

(Borges, 2008, p.83)

O gestor escolar tem de se conscientizar de que ele, sozinho, não pode administrar todos os problemas da escola. O caminho é a descentralização, isto é, o compartilhamento de responsabilidades com alunos, pais, professores e funcionários.

Isso, na maioria das vezes, decorre do fato de o gestor centralizar tudo, não compartilhar as responsabilidades com os diversos atores da comunidade escolar.

Na prática, entretanto, o que se dá é a mera rotinização e burocratização das atividades no interior da escola, e que nada contribui para a busca de maior eficiência na realização de seu fim educativo;

(Paro, 2008, p.130)

O gestor escolar deve ser um líder pedagógico que apóia o estabelecimento das prioridades, avaliando, participando na elaboração de programas de ensino e de programas de desenvolvimento e capacitação de funcionários, incentivando a sua equipe a descobrir o que é necessário para dar um passo à frente, auxiliando os profissionais a melhor compreender a realidade educacional em que atuam, cooperando na solução de problemas pedagógicos, estimulando os docentes a debaterem em grupo, a refletirem sobre sua prática pedagógica e a experimentarem novas possibilidades, bem como enfatizando os resultados alcançados pelos alunos.

No entanto abordaram-se vários aspectos referentes à função do gestor na escola pública, como o caráter burocrático no qual se encontra tão envolvido, a parte burocrática à qual são condicionadas, faltando-lhe, muitas vezes, tempo para cuidar da parte pedagógica, a colocação de sua função pedagógica em segundo plano, as relações de poder que se estabelecem, a sua importância como articulador pedagógico e mediador entre a escola e os segmentos da comunidade escolar e local, bem como a importância do exercício da liderança.

Espera-se, demonstrar, como as funções mencionadas são essenciais ao gestor, caso a escola queira democratizar a gestão da escola pública e avançar na melhoria da qualidade do ensino e, conseqüentemente, na qualidade de vida dos educandos, tornando a sociedade mais humana e justa.

Observou-se que esse problema é tratado por muitos profissionais nos últimos cinco anos, além de estarmos conscientes de algumas dificuldades que tem nossa escola referente ao planejamento pedagógico, e tomando em conta que o pedagogo principal da escola é o gestor. Aonde a responsabilidade maior em conduzir todo este processo está voltada para sua pessoa

Decidir aplicar dois instrumentos de medição (questionário), a uma amostra de professores e de gestores com objetivo de medir as ações dos gestores em um determinado número de escolas.

OS INSTUMENTOS MEDIRAM CARACTERISTICAS E QUALIDADES, QUE SE IDENTIFIQUEM COM:

  • EXPERIÉNCIAS PEDAGÓGICAS DO GESTOR E DE CADA PROFESSOR.

  • CONHECIMENTO DO GESTOR E DOS PROFESSORES SOBRE O PAPEL DO GESTOR NA ESCOLA NO CAMPO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO.

  • NÍVEL DE CONSCIENTIZAÇÃO DOS PROFESSORES E DO GESTOR COM RESULTADOS ÓTIMOS DE UM BOM PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO.

  • NÍVEL DE PRIORIDADE QUE Os PROFESSORES DÃO AO TRABALHO DO GESTOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO.

  • POLÍTICA DE PREPARAÇÃO PRÉVIA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PARA OS GESTORES.

As instituições de educação deveriam destinar recursos para uma política eficiente de preparação destinada aos gestores com isso se evitariam transtornos que muitas vezes que gestores despreparados causam ao sistema educacional.

É desejável que os candidatos à eleição ao cargo de gestor tenham formação profissional específica e competência técnica, incluindo liderança, capacidade de gestão e conhecimento de questões pedagógico-didáticas.

(Libâneo, 2005, p332)

Analise de resultado

Gestor: A maioria admite não ter recebido nenhum treinamento ou preparação para exercer a função de gestor. Mostram-se opiniões que sua participação no planejamento pedagógico é importante mais que não precisa ser um líder pedagógico e acredita não ser necessária a troca com os docentes de métodos e técnicas pedagógicas. Além disso, afirma permitir a aplicação de novas técnicas e idéias no enriquecimento do processo ensino aprendizagem, e fica disposto a fazer mudanças fundamentadas para melhorar o trabalho da escola, como por em ordem questões administrativas, financeiras e principalmente pedagógicas. As contradições existentes são inúmeras, isso mostra o seu despreparo para assumir um cargo de gestor escolar.

Professores: Constatou- se a grande preocupação dos professores em relação à questão pedagógica, mais especificamente ao planejamento, se reconhece tempo é insuficientes segundo os professores para desenvolver um trabalho de qualidade, relatam que há um distanciamento entre o gestor escolar e o planejamento pedagógico, alguns professores relatam que nunca houve a participação do gestor escolar durante tal ação, os docentes acreditam que o gestor deve exercer papel importante no planejamento pedagógico, ou seja, um líder pedagógico onde professores e gestor devem reunir-se e trocarem idéias, métodos e técnicas pedagógicas e permitir sua aplicação com o objetivo de obter resultados positivos no processo ensino aprendizagem e melhorar o trabalho da escola em todas as suas dimensões.

Seguem os resultados obtidos nas pesquisas no qual se pode observar que existem paradoxos e contradições em relação ao papel do gestor e as questões pedagógicas que precisam ser quebradas ousando construir um projeto de escola que reflete as (novas) utopias da educação, construindo assim uma gestão democrática e participativa. Consideramos que todo gestor precisa de algum tipo de preparação prévia antes de assumir o cargo de gestor antes mesmo que se cogite a possibilidade de se assumir o cargo. Esta preparação deveria fazer parte das políticas educacionais da secretaria de educação ou de outra entidade responsável em executar tal tarefa.

É muito importante observar a divergência que há entre os professores e gestor quanto ao trabalho docente e o planejamento pedagógico. É notável a afirmação do gestor quando ele diz que não deve ser um líder pedagógico em contrapartida 100% dos docentes acreditam que o gestor deve ser o líder natural da escola.

Considerarmos que o papel do gestor é muito importante para o bom funcionamento da escola. Portanto deve haver um processo de seleção muito sério na escolha dos gestores.

Para concluir deve-se frisar que o gestor escolar deve ser o principal pedagogo, e o maior responsável pelo processo ensino aprendizagem, pois é a pedra angular do edifício educativo que o coletivo docente deve construir dia a dia na escola.

Entendemos que a participação do gestor é fundamental em todas as áreas: administrativa, financeira e principalmente pedagógica. O diretor é, sem dúvida, a "autoridade máxima na escola e o responsável último por ela" (Paro 1995, p. 89).

Referências

  • 1. Alexandre, Thomas Vieira ET al. Gestão Educacional e Tecnologias. São Paulo: Avercamp. 2003.

  • 2. Borges, Heloisa da Silva. Organização do Trabalho Pedagógico e Gestão Escolar. Manaus: Edições UEA Ed. Valer, 2008.

  • 3. Costa, Vera Lucia Cabral ET AL. Gestão educacional e descentralização. 2 ed. São Paulo. Cortez, 1997.

  • 4. Do Santos Fernandez Maria Elizabete. Função do Gestor na Escola Publica. Revista de Divulgação técnica – cientifica do ICPG, Vol.3, n.9-jul-dez/2006.

  • 5. Eleonora, Jorge Ricardo. 1 ed. ,São Paulo: Person Prentice Hall,2007

  • 6. Hora, Dainir Leal. Gestão educacional Democrática. Campinas, SP. Editorial Alinea, 2007 de ensino e praticas pedagógica. Petrópolis, RJ. Vozes, 2004

  • 7. Hengemuhle, Adelar. Gestão de ensino e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ. Vozes, 2004.

  • 8. Jurema, jeferson ; Queiroz, Walace. Metodologia Científica interpretação e produção de texto. Manaus: UEA Edições, 2008.

  • 9. Luck, Heloisa. Gestão Educacional: uma questão paradigmática. E Ed. Petrópolis, RJ. Vozes, 2008.

  • 10. Libâneo, José Carlos. Educação escolar, políticas, estruturas e organização. 2 ed. SP: Cortez,2005.

  • 11. Paro Vitor Henrique. Administração escolar: introdução crítica. 15 ed. São Paulo Cortez, 2008.

 

 

 

Autores:

Lic. Francisca Martins dos Santos (*)

frankyska[arroba]bol.com.br

Dr. Ignácio Estévez Valdés(**)

(*) Professora da Rede Estadual de Ensino atua na Escola Estadual Marechal Rondon, Tabatinga, Estado do Amazonas, Brasil. e-mail: frankyska[arroba]bol.com.br

(**) Professor da Universidade do Estado do Amazonas-UEA, Brasil. Professor da Universidade de Pinar del Rio, Cuba. e-mail: orlangeni[arroba]gmail.com



 Página anterior Voltar ao início do trabalhoPágina seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.