Os interesses por detrás do IASC



  1. Resumo
  2. Introdução
  3. Os antecedentes à criação do IASC – International Accounting Standards Committee (Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade)
  4. Criação de Grupos de trabalho
  5. As Diretivas Européias: primeiro projeto de normatização contábil da Europa
  6. A criação do IASC
  7. IASC e os direitos autorais sobre os IAS
  8. Relações conflituosas entre ICCAP (IFAC) e IASC
  9. A criação do IFAC (Federação Internacional de Contadores)
  10. A pressão dos países do G4+1
  11. O papel da IOSCO na consolidação do IASC
  12. As interferências do FASB no IASC
  13. Perda de espaço para o IASC e as novas obrigações da SEC
  14. Torre de Babel das normas criadas pelas entidades de classe contábeis
  15. Conclusão
  16. Bibliografia

"No contexto da convergência dos padrões contábeis, é inevitável que as

nações mais poderosas política e economicamente dominem ou "capturem" o

processo de padronização para garantir que eles sejam formulados de

acordo com seus interesses nacionais, em vez de no interesse comum dos

mercados de capitais globais. Assim, a verdadeira "internacionalização"

dos padrões pode não ser possível em realidade..." (Rachel Carnachan, p. 38)

RESUMO

Este artigo objetiva apresentar alguns fatos históricos recentes e relevantes sobre a formação do IASC/IASB e evidencia aspectos ainda pouco conhecidos pela maioria dos pesquisadores e estudiosos da Contabilidade brasileira, especialmente, acerca dos bastidores das negociações e das tratativas políticas em torno da sua criação e da condução do processo de elaboração das normas contábeis internacionais. Os elementos históricos, aqui apresentados, se referem também ao processo de formação de outras entidades e grupos de trabalho, como IFAC, G4+1, além de outros, que influenciaram decisivamente na criação do IASC. Os fatos históricos permitem inferir sobre o estressante processo político na condução da criação do IASC/IASB que deságuam, em contrapartida, no abandono dos princípios científicos positivistas para nortear a consolidação das normas contábeis internacionais. E a conclusão deste trabalho é de que a cientificidade contábil, nesse novo milênio, é determinada por organismos de representação de classe, eliminando quase que completamente a academia e os talentos individuais. Esses organismos são criados não para serem foros de discussão, mas para serem os determinantes, os agentes da condução da ciência da Contabilidade. A pesquisa é descritiva com abordagem qualitativa.

Palavras-chave: IASC/IASB; IFAC; G4+1; normas contábeis internacionais;

Introdução

A primeira iniciativa bem sucedida de harmonização de padrões contábeis se deu logo após a Segunda Guerra Mundial, por interesse dos governos de diversos países: a padronização do sistema de contabilidade nacional[1]

Após a II Guerra Mundial foi anunciado o Plano Marshall (1947) e, no ano seguinte, foi criada a Organização Européia de Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OECD. Essas iniciativas levaram à convocação de profissionais da contabilidade e de políticos para tentar harmonizar as questões relativas às contas públicas, que, naquele momento, estavam completamente desequilibradas pela Guerra. O desequilíbrio e a desarmonia das contas dos países, sobretudo, da Europa, dificultavam a implementação de qualquer plano de recuperação econômica. Samuels and Piper (apud Botzem e Quack, 2005, p. 5) fazem o seguinte relato sobre esse período:

Desenvolver a cooperação econômica numa escala transatlântica e européia exigia um mínimo de dados estatísticos comparáveis sobre o desenvolvimento econômico e despesas públicas. O Programa de Recuperação da Europa, em particular, necessitava de tais dados como uma base para a coordenação e distribuição da ajuda americana. Em paralelo, governos nacionais na Europa moveram-se no sentido de um plano econômico para reconstruir e modernizar as economias nacionais [...] Em conseqüência, a harmonização de padrões da contabilidade nacional – uma questão que já tinha sido discutida no período entre guerras – tornou-se parte da agenda política das organizações intergovernamentais entre o final dos anos de 1940 e início dos anos de 1950. A OECD elaborou o sistema padronizado das contas nacionais. Em 1953, os dados já começaram a ser publicados de acordo com aqueles padrões. Ao mesmo tempo, a ONU decidiu organizar o sistema de acordo com suas convicções para poder produzir contas nacionais comparáveis. Os dois sistemas foram fundidos em 1956.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.