Nem mais uma palavra

Enviado por Joao Felinto Neto


Partes: 1, 2, 3

  1. Armas letais
  2. Minha versão
  3. Minha insensibilidade
  4. Após anos de prisão
  5. O amor de minha vida
  6. Admiração
  7. Mulher devassa
  8. Obstinação de condenado
  9. Entre chips modernos
  10. Ponto crítico
  11. Enlace amoroso
  12. Sorumbático
  13. Forçado abandono
  14. Meu deserto
  15. A flor do jardim alheio
  16. Complexa unicidade
  17. Dúbia existência
  18. Rosto
  19. Abstraído

ARMAS LETAIS

Filho, volta cedo,

O mundo está cheio

De monstros reais.

Nunca é demais,

Precaução e zelo;

Acho que esse anseio,

Herdei de meus pais.

Devagar rapaz,

A pressa é atropelo,

Haja com respeito

Aos ideais alheios.

Pense no que faz,

Fuja de si mesmo,

Ódio e preconceito

São armas letais.

Somos tão normais

Quanto nossos erros.

Mas ao cometê-los,

Já não dará mais

Para voltar atrás.

SOMBRA DE UMA TRAIÇAO

 

Preciso esquecer essa mulher

Que uma hora diz que quer

E outra nem dá atenção.

Preciso arrancar do coração,

Esse amor que ainda é

Sombra de uma traição.

Não quero alimentar uma paixão

Que me pede pra ter fé

Mas só crê se convier

Com a sua condição.

Não pode sustentar-se a relação

Onde alguém pede perdão

Por aquilo que não é.

ADEUS QUERIDA

Amar é superar intrigas,

Inverdades e querelas.

É entregar-se sem reservas,

Rejeitar as vis mentiras.

Diante de acusações tão severas,

Nada mais me restaria,

Além de dar adeus a ela.

APENAS UM VILAO

Você me elevou a Deus.

Agora me supõe o Diabo.

Nossa que macabro

Tão extrema inversão!

Sou apenas um vilão

Que tem fama de culpado.

O EQUILIBRISTA

Eu não sou nenhum deus,

Nem tampouco, um demônio.

Sou apenas um mortal

Que vive entre o bem e o mal,

Se equilibrando.

ALGUMA PROVA

Será que ainda vivo?

Preciso encontrar alguma prova.

Sob palmos de uma cova,

Não habito.

Mas se é real o mito,

A morte é suposta.

Eu acho que ainda existo.

Pois admito,

Não saber a resposta.

O VESTIDO AZUL

Mesmo no distanciamento,

Não me sai do pensamento,

Ela em seu vestido azul.

Nem as praias lá do sul

Tem tamanho encantamento.

Imagino quando o vento

Faz com que o vestido azul

Partes: 1, 2, 3

Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.