Afinal! O que é Educação Inclusiva?



Resumo: Este artigo trata sobre a educação inclusiva de acordo com a visão da UNESCO (2005), fundamenta-se na proposta Educação para todos (1990) e na Declaração de Salamanca (1994). O trabalho justifica-se pela necessidade em revisar alguns conceitos e identificar qual a proposta deste novo paradigma. O termo educação inclusiva requer um olhar cuidadoso pois não limita-se a escola e ao deficiente mas integra todas as formas de educar, englobando todas as pessoas, independente do gênero, idade ou posição socioeconômica pois visa melhorar a qualidade de vida do cidadão. Instiga todos a melhorar-se como ser humano, neste sentido a inclusão busca respostas apropriadas no amplo espectro das necessidades de aprendizagem nos entornos educativos formais e não formais. Ao invés de tratar o ingresso dos alunos com características diferentes na educação corrente como um assunto marginal, a educação inclusiva é um enfoque que analisa como transformar os sistemas educativos e outros ambientes de aprendizagem com a finalidade de responder a diversidade dos estudantes. Para que tanto os professores como os aprendizes adquiram a capacidade de sentir-se cômodos com a diversidade percebendo-a como um elemento enriquecedor na aprendizagem, em lugar de um problema. A metodologia utilizada foi a da investigação ação numa perspectiva dialógica e dialética, na avaliação aponta algumas sugestões no intuito de contribuir com o processo inclusivo com o objetivo de instigar uma reflexão sobre a inclusão visando uma Educação para todos.

Palavras Chaves: inclusao, educação inclusiva e educação para todos.

A pobreza e a violência assusta os habitantes no planeta terra. Segundo o Relatório da UNESCO 2007 no mundo já somos mais de 6 bilhões de pessoas, aproximadamente 209 milhões de pobres e 81 milhões de indigentes. Dados que corresponde aproximadamente a 48% da população que habita o mundo.

Neste contexto a falta de oportunidades de educação trabalho, ocupação e renda resultam em altas doses de exclusão, violência e corrupção em grande parte da sociedade. Isto acontece devido a falta de oportunidades e a distribuição desigual de renda, de acesso a produção, a fragmentação do estado, a ineficiência das medidas tributárias, a corrupção, a incapacidade de gestão, pouco investimento em politica social. As políticas públicas não contam com a participação efetiva dos setores mais carentes em programas socioeconômicos-educacionais, de modo que possam humanizar-se capacitar-se e emancipar-se com os saberes. Sem esquecer a perca do capital social, a fuga de cérebros que por falta de oportunidades abandonam os países e causas importantes que ajudariam no seu desenvolvimento.

A nova ordem social visa a inclusão e atua no mundo com a idéia de instigar o desenvolvimento, envolvendo as pessoas e os países em causas voltadas a humanização. No momento há milhões de pessoas exluídas do sistema pela falta de acesso à sáude e aos serviços públicos. Excluídos do acesso a terra e a outros ativos pela falta de uma capacitação eficaz, excluidos do acesso ao financiamento mediante mercado de crédito e dos trabalhos formais pela falta de uma formação adequada, bem como outros excluídos da participação e da influência política.

No mundo são 77 milhoes de crianças e jovens sem escolaridade entre os que não tem meios para chegar a escola, e os que chegam mas recebem um tratamento discriminatório por razões pessoais e culturais e os que assumem o fracasso escolar como próprio ou por medo de enfrentar os desafios no sistema.

Esta crianças tem entre três e dezoito anos, vivem em condição de indigência ou nas ruas, abandonados nos centros urbanos. Menores deslocados nos conflitos armados, trabalhadores, migrantes, que vivem e convivem com a extrema pobreza. Discriminados pela descapacidade, pela questão de gênero, pela etnia ou pela orientação sexual. Nos dados da Inclusion Internacional/INICO 2009[1]dos cinco por cento (5%) da população com discapacidade que ingresa na escola não conclui o ensino fundamental. Uma questão a ser analisada com muita atenção e cuidado.

Segundo a Unesco 2010[2]as desigualdade sociais no Brasil afetam diretamente as diversas condições de acesso à educação no país e quase todos os indicadores educacionais brasileiros que evidenciam este fato. A desigualdades nos resultados educacionais das crianças, dos jovens e dos adultos brasileiros, penalizando especialmente alguns grupos étnicorraciais, a população mais pobre e do campo, os jovens e adultos que não concluíram a educação compulsória na idade adequada. As desigualdades raciais e étnicas continuam existindo especialmente com relação a alguns grupos específicos, tais como a população indígena, a afrodescendente, os quilombolas, a população carcerária e a rural.

A literatura especializada demonstra que há uma forte correlação entre a origem étnica e as oportunidades educacionais pois estas coexistem lado a lado com as desigualdades sociais e regionais, contribuindo para a exclusão educacional de um número considerável de jovens e adultos em condições desfavoráveis.

A proposta da UNESCO é apoiar os países na implementação de ações afirmativas que promova oportunidades de acesso à educação de qualidade, incluindo todos os grupos da sociedade numa proposta de educação inclusiva.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.