A crise do Mercosul



  1. Resumo
  2. Introdução
  3. Objetivo
  4. Desenvolvimento
  5. Conclusões
  6. Referências bibliográficas
  7. Anexos

RESUMO

O Mercosul e os problemas internos que mais preocupam os países-membros. As dificuldades de acertos de divergências entre a Argentina e o Brasil, as controvérsias que abalam a credibilidade do Mercosul com impacto em setores específicos da economia de cada País. As dúvidas sobre o futuro do Mercosul e da capacidade política da Argentina e do Brasil.

INTRODUÇÃO

O interesse do autor pelo tema ocorreu do fato que o Mercosul é o maior e mais ambicioso projeto da política externa brasileira segundo o próprio Itamaraty (CORRÊAS, 1998) e assumiu a forma de um imenso compromisso de integração regional na América do Sul.

Este grande acordo comercial é um fato real que foi fruto e ao mesmo tempo conseqüência da aproximação entre o Brasil e a Argentina e o desejo da criação de um mercado comum, embora o Mercosul Político esteja muito longe de uma realidade, segundo Gobbo (2003, p. 39) existem dois tipos de mercados, um é a cooperação e o segundo é a integração econômica, o Mercosul é sem dúvida um poderoso instrumentos de integração com todas as sua dificuldades.

Na prática o Mercosul, na sua forma e como foi criado, passou por várias fases, no início reuniu todos os elementos para a criação de uma área de livre comércio para promover o desenvolvimento e a projeção dos quatro países membros na economia internacional. A segunda fase foi a União Aduaneira, cujo maior marco foi a criação da TEC[1] (GOBBO 2003, p. 44). A terceira fase é a formação do Mercado Comum permitindo circulação de pessoas, bens, serviços e capitais.

Hoje o Mercosul apresenta-se como uma União Aduaneira imperfeita, mas é um forte agente de polarização regional, colocando o Brasil como líder regional e internacional 1 em assuntos envolvendo vias de desenvolvimento nos países que não estão no eixo central das grandes economias globais.

"Washington, EUA -O governo dos Estados Unidos foi efusivo nesta sexta-feira em seus elogios aos resultados da primeira Cúpula de Presidentes da América do Sul e enalteceu o ato de liderança do presidente Fernando Henrique Cardoso de convocar e realizar o histórico encontro. "Eu não poderia estar mais satisfeito", disse ao Estadão.com o embaixador norte-americano em Brasília, Anthony Harrington.".

SOTERO 2000

Justifica-se neste aspecto o interesse pelo tema, pois a fragilidade dos países  membros e as incertezas não permitem a identificação de uma clara definição do destino do Mercosul rumo ao futuro.

OBJETIVO

Este artigo tem o objetivo de apresentar e analisar sob um ponto de vista o Mercosul, sua importância estratégica, sua prática e possíveis projeções resultantes desta análise.

DESENVOLVIMENTO

A fragilidade da América Latina, política, econômica e social, já foi analisada e estudada por muitos, propor soluções isoladas para cada país resolve parcialmente o problema, algumas vezes criam-se outros problemas causados pela polarização econômica, como exemplo podemos citar os Estados Unidos da América e a constante massa de imigrantes que para lá se dirigem todos os anos, uma grande parte desta massa é de origem latina, incluindo brasileiros, com suas conseqüências sociais e econômicas (UOL, 2004).

A concepção do Mercosul, que na sua essência é um projeto comercial entre os países signatários (BRASIL, 2004), prevê uma série de etapas de integração econômica rumo a uma união econômica, os desafios para cumprir estas etapas são os dados de cada país membro (Anexo1). Apesar dos países membros estarem em um mesmo contexto histórico e geográfico, estes possuem diferenças significativas.

Estas diferenças contrastam entre os países membros, pois vão desde a extensão territorial, distribuição da população, capacidade industrial e nível de desenvolvimento, entre outras. As dificuldades enfrentadas por todos os países são comuns, mas as soluções e detalhamento de como resolvê-las é exclusiva para cada país-membro e por causa disso o Mercosul não segue uma linha de soberania supranacional, como é o caso da União Européia. O Mercosul preserva a soberania de cada país-membro (Estado-parte) do tratado (BRASIL, 1994 e ALMEIDA, 2001).

As maiores conseqüências destas diferenças sentiram-se com abalos causados no plano internacional, que afetaram as economias internas dos maiores membros do Mercosul: Brasil e Argentina, estes abalos testaram a solidez do Mercosul, gerando crises de credibilidade e impactos econômicos em alguns setores.

A primeira crise foi causada pela mudança da política cambial brasileira em janeiro de 1999 (ALMEIDA, 2001), se é que podemos chamá-la de crise, foi seguida de uma série de críticas, principalmente por parte da Argentina ao Brasil.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.