Página anterior Voltar ao início do trabalhoPágina seguinte 


Metodologias do ensino de Teatro. Procedimentos didático-pedagógicos na perspectiva de uma educação (página 2)

Ricardo Ottoni Vaz Japiassu

            O Pós-modernismo,[8] ao denunciar o fetichismo mercantilista transnacional que coisifica os seres humanos e todas as suas relações sociais no capitalismo tardio, aponta para a Utopia exclusivamente via esclarecimento pessoal, singular e insubstituível (o pensamento auto-reflexivo) como única possibilidade de corrigir a consciência fragmentária, deformada e não emancipada - gerada neste caso pela "reificação" ou naturalização do simulacro da Realidade instituído com a emergência da Sociedade Administrada na contemporaneidade.[9] Na Pós-Modernidade, então, seria unicamente através do esclarecimento que se tornaria possível uma mobilização supranacional das pessoas - em movimentos sociais e/ou organizações não-governamentais que têm por objetivo contrapor-se ás investidas perversas do Capital sobre a Humanidade.

            Ora, no capitalismo transnacional encontra-se decretada a "morte" do sujeito econômico - até porque a família "não é mais a célula da sociedade, outrora tão celebrada, já que não constitui mais a base da vida econômica do burguês." [10] Quanto mais planetariamente é exigido de todos que se deixem assalariar, mais as pessoas sucumbem a ter que cuidar de suas próprias vidas. E isso gera o aniquilamento da "vida privada", da individualidade e subjetividade submetendo-as á uma regulação coletiva o tempo todo, sem qualquer perspectiva de "descanso" ou oportunidade para emergência do "eu interior" - do espaço privado.

            O ensino pós-moderno de Teatro, inserido neste contexto de objetificação crescente do sujeito, vai "recortar" alguns conceitos erigidos pela Teoria Crítica (particularmente pela Escola de Frankfurt) e os "colar" ao seu discurso pedagógico, atualizando-os. é o caso dos conceitos de Esclarecimento, Formação Cultural, Semiformação e Indústria Cultural.

            O conceito de Indústria Cultural, por exemplo, ocupa posição central no ensino pós-modernista de Teatro. Este conceito explicita o fato de toda a cultura ter sido convertida em mercadoria e implicar o controle planificado da realidade interior do sujeito, ou seja, trata de referir "o sistema conjunto da cultura de massa dirigista contemporânea orientada numa perspectiva industrial, a que as pessoas são permanentemente submetidas em qualquer revista, em qualquer banca de jornal, em incontáveis situações da vida" [11] de modo a modelar a consciência e o inconsciente de todos.

            As implicações pedagógicas da Teoria Crítica (Escola de Frankfurt) para o ensino pós-modernista de Arte se fazem muito nítidas - embora não explícitas - na proposta triangular formulada por Ana Mae Barbosa:[12] as intervenções educacionais com a linguagem teatral, por exemplo, passam a ser desenvolvidas articulando-se o fazer artístico, a apreciação estética e a contextualização sócio-histórica dos enunciados cênicos.

            A "leitura" ou apreciação estética de obras de arte não possui outra finalidade que não seja o perseguir algum esclarecimento (aufklärung) - quer dizer, buscar o desenvolvimento da consciência emancipadora do sujeito e sua capacidade de vencer os obstáculos impostos pelo fetichismo mercantilista que atravessa a produção artístico-cultural na contemporaneidade, determinando a fusão da cultura com o entretenimento:

 "Divertir-se significa estar de acordo. Isso só é possível se isso se isola do processo social em seu todo, se idiotiza e abandona desde o início a pretensão inescapável de toda obra [de arte], mesmo da mais insignificante, de refletir em sua limitação o todo. Divertir significa sempre: não ter que pensar nisso, esquecer o sofrimento até mesmo onde ele é mostrado. A impotência é a sua própria base. é na verdade uma fuga, mas não, como afirma, uma fuga da realidade ruim, mas da última idéia de resistência que essa realidade ainda deixa subsistir. A liberação prometida pela diversão é a liberação do pensamento como negação [da Nova Ordem mundial estabelecida]." [13]

 Se, na atualidade, a dissolução total das singularidades em modelos pré-determinados e idealizados de ação encontra-se ao alcance da mão - e do bolso - do "consumidor", o ensino modernista tardio de Teatro, na perspectiva de uma educação emancipadora, necessita então contribuir para a conscientização por parte do sujeito desse processo de reificação ou coisificação no qual somos todos enredados com o advento da Indústria Cultural; isto é, o Teatro-educador pós-moderno procura intervir pedagogicamente tendo por objetivo a superação da semiformação ou deformação do aluno através do oferecimento a ele de uma formação cultural autêntica. Neste sentido, a apreciação estética - evidentemente somada á contextualização e ao fazer teatral autônomo - ocupa posição privilegiada na ação educativa emancipadora porque:

 "Na sociedade espetacularizada, em que o show da realidade, por vezes, substitui a própria realidade, o olhar aguçado aliado ao senso crítico apurado procura estabelecer novas relações com a vida social e com diferentes manifestações espetaculares que buscam retratá-la. O olhar crítico busca uma interpretação apurada dos signos utilizados nos espetáculos diários. A aquisição de instrumentos lingüísticos, arma o espectador para um debate que se trava, justamente, nos terrenos da linguagem." [14]

             O conceito frankfurtiano de Indústria Cultural permite redimensionar a apreciação estética, na proposta triangular ou pós-modernista para o ensino de Teatro, porque concebe a espetacularidade como não estando necessariamente circunscrita á sua dimensão cênica (corporal). A atividade espetacular (consciente ou inconsciente, cotidiana ou extra-cotidiana)[15] transcenderia o espaço cênico (o corpo ou o palco) impregnando de teatralidade (de intencionalidade) as relações humanas materializadas em objetos, quer dizer, objetificadas:

 "A novidade, para os frankfurtianos, não é o fato de as obras de arte serem tidas como mercadorias, porque, em sua tensa história de vida, sempre o foram, antes pela submissão dos artistas a seus patronos e aos objetivos deles, agora pelo fato de o artista ter que se sustentar com o fruto de seu trabalho, em uma sociedade em que tudo se transformou em mercadoria. O novo é o fato de as obras de arte se incluírem, sem resistência, entre os bens de consumo, buscando neles encanto e proteção, abdicando voluntariamente de sua autonomia." [16]

            Portanto a recuperação da autonomia do sujeito criador e da autoconsciência de suas criações artísticas ocuparia importante posição no processo de esclarecimento deflagrado pelo ensino pós-modernista de Teatro. E o alcance desta autonomia e auto-consciência passaria necessariamente pela superação dos limites de uma suposta livre-expressão - em realidade, totalmente subjugada por processos não-conscientes de semiformação ou deformação conduzidos pela Indústria Cultural:

 "A verdade da arte é a negação da acomodação, a que foi conduzida por seu princípio fundamental, o da concordância sem rupturas. Na medida em que a arte constituída em categoria de produção de massas contribui para a ideologia imperante e sua técnica é uma técnica de opressão, a outra arte, aquela que está privada de funções, tem sua função. Somente essa arte em seus produtos mais maduros e coerentes reflete a imagem da repressão total, mas não a de sua ideologia." [17]

3. Metodologias do ensino de Teatro através de jogos

A proposta metodológica de Viola Spolin para a atividade teatral numa perspectiva ludopedagógica - o sistema de jogos teatrais - [18] tem sido exaustivamente estudada por pesquisadores da dimensão educativa do teatro, no Brasil, desde final dos anos setenta.[19]

Os jogos teatrais - do modo como vem sendo aplicados na escolarização brasileira, hoje - acrescentam, aos quatro operadores que estruturam o sistema de Spolin (foco, instrução, platéia e avaliação), três novos procedimentos: (1) o círculo de discussão - importado da pedagogia do oprimido de Paulo Freire; (2) a noção de área de jogo - construída sobre as idéias do teatro invisível de Boal; e (3) os protocolos de sessão - que têm sua base na teoria da peça didática de Brecht e na prática terapêutica psicodramática de Moreno.[20]

Além disso, a proposta metodológica para a atividade teatral na escolarização da qual se fala aqui costuma ser emoldurada pela seguinte "rotina" ou ritual: (1) círculo inicial de discussão - quando o protocolo da sessão anterior é apresentado e define-se o jogador que se responsabilizará pela redação do protocolo daquela sessão; (2) proposição e delimitação da área de jogo; (3) divisão do grupo em equipes; (4) apresentação de propostas para a atividade teatral emolduradas pelo sistema de Spolin; (5) avaliação logo após a apresentação de uma equipe na área de jogo; (6) circulo de discussão para o encerramento dos trabalhos do dia.

Alguns ajustes nesta "rotina" são necessários para que a proposta possa ser implementada, por exemplo, junto a pré-escolares: (1) ao término de uma sessão as crianças fazem desenhos da atividade teatral do dia e (2) os protocolos de sessão necessitam ser orais - e, sempre que possível, apoiados no vídeo-registro, fotos e/ou desenhos elaborados na sessão anterior (recordação estimulada).

Outra coisa que precisa ser dita aqui é que a maioria das propostas para atividade teatral que costuma ser apresentada aos sujeitos na escolarização nacional tem por base jogos tradicionais infantis brasileiros adaptados ao sistema de Spolin.[21]

Além disso, é preciso ter em mente que a implementação de uma proposta ludopedagógica, na perspectiva emancipadora do ensino pós-modernista de Teatro, necessita articular o fazer teatral espontâneo dos alunos com a apreciação dirigida das manifestações espetaculares cotidianas e extra-cotidianas - o que equivale dizer que a apreciação não deve se resumir apenas á fruição intragrupo das soluções estéticas apresentadas pelas equipes em resposta aos desafios cênicos propostos á turma pelo professor.

Neste sentido, o professor doutor Mauro Roberto Rodrigues da Universidade Estadual de Londrina-UEL propõe a elaboração de protocolos de recepção, que se somariam aos protocolos de processo (os protocolos de sessão aos quais me referi e que têm origem na teoria da peça didática de Brecht e nas práticas terapêuticas psicodramáticas de Moreno) porque "se a experiência artística (espetáculo) for reinserida no contexto da instituição escolar, da formação cultural, ensino e aprendizagem, não poderá ela dispensar (...) a formulação de procedimentos que contribuam para a emergência de uma pedagogia artística específica a cada experiência, a cada obra, a cada espectador." [22]

A reunião de protocolos de processo aos protocolos de recepção no sistema de jogos teatrais pode redimensionar a perspectiva emancipadora do ensino lúdico de Teatro na escolarização. Mas falar em protocolos (de processo, de recepção) implica entender a importância formativa do portfólio (que inclui a reunião dos protocolos elaborados pela turma) para o desenvolvimento da autonomia e auto-consciência do sujeito.

O trabalho pedagógico com o portfólio busca portanto enfatizar a autonomia e auto-consciência do escolar através do traçado de um percurso único, singular e insubstituível na apropriação dos conhecimentos historicamente acumulados e na (co)laboração de novos saberes a respeito da linguagem teatral. A adoção do portfólio como recurso didático-pedagógico representa um claro posicionamento por parte do professor - e da escola - em relação ás práticas avaliativas; trata-se de uma opção por uma avaliação mediadora ou formativa - uma compreensão do processo ensino-aprendizado que vai muito além da mera verificação retrospectiva dos saberes consolidados por parte do aluno. Então eleger o portfólio como instrumento de avaliação seria conceber o educando no centro do processo educacional.[23]

4. O desafio da pós-modernidade ao ensino de Teatro

A implementação do modelo triangular ou pós-modernista para o ensino das artes na escolarização requer, particularmente no que diz respeito ao eixo apreciação, o desenvolvimento de uma ampla rede de apoio ás manifestações espetaculares extra-cotidianas, á produção cultural autônoma nacional e ao trabalho pedagógico sistemático objetivando a (co)laboração de uma leitura crítica dos produtos da Indústria Cultural - que possa ir além, por exemplo, do simples processo de "plugging"[24] do aluno, isto é, de uma apreciação que não se reduza ao reconhecimento "de que o produto que tem mais sucesso é simplesmente aquele que é mais conhecido." [25]

Como possibilitar ás crianças de um vilarejo no interior de Minas a fruição da grandiosidade cênica de um musical infantil como A Bela e a Fera? Como permitir que crianças dos grandes centros urbanos desfrutem a beleza de uma autêntica Marujada mineira? O uso do vídeo, do DVD, da TV, cinema e multimídia seria a "solução"? A espetacularidade do musical infantil ou da Marujada, mediada por áudio-vídeo-registros, seria a rigor ainda linguagem cênica? A relação presencial entre atuantes e observadores nos eventos espetaculares, afinal, é ou não constitutiva da especificidade estética cênica na contemporaneidade? [26]

A professora doutora Maria Lúcia de S. B. Pupo, em artigo que expõe as tendências da pesquisa em Teatro e Educação do programa de pós-graduação em Artes (concentração em Artes Cênicas) da ECA-USP, problematiza a urgência da (co)laboração de instrumentos metodológicos adequados a essa natureza "evanescente" ou efêmera do evento cênico e da linguagem teatral:

"Se o confronto com a investigação universitária no campo das ciências humanas coloca para o jovem pesquisador uma série de questões epistemológicas que vão implicar em escolhas por vezes delicadas, os desafios são de monta no que se refere á pesquisa em artes e especialmente em teatro. Na medida em que as chamadas artes cênicas se caracterizam por serem evanescentes, ou seja, não deixarem traços senão indiretos como textos, imagens, artefatos, os estudos teatrais têm procurado ao longo de sua ainda recente trajetória acadêmica no Brasil, forjar pouco a pouco os instrumentos e as modalidades singulares de sua realização. Dar conta através da linearidade da linguagem escrita da complexidade de processos de criação teatral, analisando-os e refletindo sobre eles consiste sem dúvida uma demanda complexa." [27]

As perguntas são muitas. As respostas a elas também - porque dependem do lugar de onde as buscamos responder. Um caminho alternativo para o desenvolvimento de um ensino pós-modernista de Teatro numa perspectiva lúdica na escolarização seria, por exemplo, a incorporação ás escolas do artista-docente.[28] Neste sentido, cabe aqui mencionar a pesquisa dos professores Narciso Telles e Márcia Mascarenhas (respectivamente da Universidade Federal de Uberlândia e da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais) com a pedagogia teatral de Ilo Krugli.[29]

Mas uma abordagem á dimensão educativa do Teatro na escolarização, hoje, implica sobretudo pensar, discutir e planificar a formação de professores de Teatro no âmbito da Universidade, ao nível de graduação, nas Licenciaturas em Teatro.

Uma tendência contemporânea - inclusive explicitada no anteprojeto de Reforma da Educação Superior, amplamente divulgado pelo Ministério da Educação - é o investimento na autonomia do sujeito ao longo da sua formação acadêmica. Isso equivale deslocar a PESQUISA para o centro das intervenções pedagógicas que têm como objetivo a formação de sujeitos na educação superior.

Um grande desafio neste sentido, por exemplo, é estabelecer uma sólida fundamentação teórico-metodológica para a condução e o desenvolvimento rigorosos tanto da Pesquisa Cênica (pesquisa artística) como da Pesquisa em Artes Cênicas. Em ambos casos têm sido apropriadas abordagens qualitativas.

Na área de Teatro e Educação destacam-se basicamente os métodos (1) da (cri)Ação-Pesquisa [30] ou Prática como pesquisa [31] (as experimentações e experiências estético-pedagógicas do artista-docente) e (2) da Pesquisa-Ação (acompanhamento sistemático de intervenções pedagógicas com a linguagem teatral na escolarização ou no âmbito da ação cultural).

A Pesquisa-Ação na escolarização pode assumir variados aspectos metodológicos como é o caso (1) da Observação Participante ou Pesquisa-Participante e (2) da Etnografia da Prática Escolar ou Estudos do Cotidiano Escolar entre outras modalidades de observação não-dissimulada da realidade educacional e do acompanhamento de experimentos pedagógicos.

Eu gostaria de estar aprofundando a discussão da fundamentação teórico-metodológica da Pesquisa Educacional em Teatro, mas considero que este assunto rompe os limites da consigna que me foi proposta para este excurso. Talvez em uma outra oportunidade isso seja possível.

Enfim, tentei expor aqui alguns desafios lançados ao ensino de Teatro na transição paradigmática do pensamento modernista ao pensamento pós-modernista ou modernista tardio. Fiz também uma breve exposição da proposta triangular para o ensino das artes na escolarização, destacando suas implicações pedagógicas na implementação de um método lúdico para o ensino de Teatro. Afinal relacionei algumas metodologias típicas do ensino de teatro através de jogos teatrais, na contemporaneidade, no país.

Proponho-me, a partir deste momento, esforçar-me para elucidar eventuais dúvidas sobre a exposição apresentada. Agradeço a todos sua atenção.

Belo Horizonte, 29 de abril de 2005.

Referências Bibliográficas

ADORNO, T. W. (2002) Filosofia da nova música. São Paulo: Perspectiva.

ADORNO, T. W. (2000). Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra.

ADORNO&HORKHEIMER (2001). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar.

BARBOSA, Ana Mae (2003). "As Escuelas de Pintura al Aire Libre do México: liberdade, forma e cultura". In: PILLAR, Analice Dutra (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, p. 101-117.

BARBOSA, Ana Mae (1998). Tópicos utópicos. Belo Horizonte, C/Arte.

BIÃO, Armindo e GREINER, Cristine (Orgs.) (1998) Etnocenologia - textos selecionados. São Paulo: Annablume.

CABRAL, Beatriz Ângela Vieira (2003) A prática como pesquisa na formação do professor de Teatro. Anais do III Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis: ABRACE/UDESC, p.275-277.

CHAGAS, Amara (1992) A brincadeira prometida...o jogo teatral e os folguedos. São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado).

CHAVES, Ernani e LOUREIRO, Isabel Maria (1997) De Nietzche a Marx - entrevista com Wlfgang Fritz Haug. Praga - estudos marxistas. São Paulo: Hucitec, n. 3, set., p. 127-140.

CHESNAIS, François (1997) A emergência de um regime de acumulação mundial predominantemente financeiro. Praga - estudos marxistas. São Paulo: Hucitec, n. 3, set., p. 19-46.

COELHO, Ana Flora F. de C. (1989) Introdução do texto literário ou dramático no jogo com crianças. São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado).

DE CAMILLIS, Lourdes Stamato (2002) Criação e docência em Arte. Araraquara-SP: JM Editora.

DESGRANGES, Flávio. (2003). A pedagogia do espectador. São Paulo: Hucitec.

DUARTE, Rodrigo (1997) "mundo "globalizado" e estetização da vida" In: RAMOS-DE-OLIVEIRA, Newton e outros (Orgs.) Teoria Crítica, estética e educação. Campinas: Autores Associados/Unimep, p. 22-42.

GUSMÃO, Rita (2003) Espectador: suporte interferente na arte cênica contemporânea. Anais do III Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis: ABRACE/UDESC, p.256-258.

JAPIASSU, Ricardo (2003) Jogos teatrais na pré-escola: o desenvolvimento da capacidade estética na educação infantil. São Paulo: FEUSP (Tese de doutoramento).

JAPIASSU, Ricardo. (2001) Metodologia do ensino de Teatro. Campinas: Papirus.

JAPIASSU, Ricardo (1999) Ensino do teatro nas séries iniciais da educação básica: a formação de conceitos sociais no jogo teatral. São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado).

KOUDELA, Ingrid D. (2001) Brecht na pós-modernidade. São Paulo: Perspectiva.

KOUDELA, Ingrid D. (1996) Texto e jogo. São Paulo: Perspectiva/Fapesp.

KOUDELA, Ingrid D. (1992) Um vôo brechtiano. São Paulo: Perspectiva.

KOUDELA, Ingrid D. (1992) Jogos teatrais. São Paulo: Perspectiva.

KOUDELA, Ingrid D. (1991) Brecht: um jogo de aprendizagem. São Paulo: Perspectiva/Edusp.

LORENZETTI, Evelyne e RAMIRO, Marina (2004) Por trás das máscaras - um panorama sobre teatro-educação no Brasil. São Paulo: Universidade Bandeirante. (Trabalho de conclusão de curso)

LOUREIRO, Robson e DELLA FONTE, Sandra Soares (2003) Indústria Cultural e Educação em "tempos pós-modernos". Campinas: Papirus.

MALUF, Sheyla Diab. Aspectos metodológicos do trabalho pedagógico com jogos & dramatizações [on-line]. Disponível na internet em http://www.ricardojapiassu.pro.br/Sheila.htm. Acessado em abril de 2005.

MARQUES, Isabel (2001) Ensino de dança hoje - textos e contextos. São Paulo: Cortez.

PUCCI, Bruno (2003). "Indústria Cultural e Educação". In: VAIDERGORN, José & BERTONI, Luci Mara (Orgs.) Indústria Cultural e Educação - ensaios, pesquisas, formação. Araraquara-SP: JM Editora, p. 9-29.

PUPO, Maria Lúcia de S. B. (2003) Um olhar cúmplice. In: SANTANA, Arão P. e outros (Orgs.) Visões da Ilha - Apontamentos sobre Teatro e Educação. São Luiz: UFMa/Sebrae, p. 97-103.

PUPO, Maria Lúcia de S. B. (1997) Palavras em jogo: textos literários e teatro-educação. São Paulo: ECA-USP (Tese de livre docência).

REVERBEL, Olga (1989). Um caminho do Teatro na escola. São Paulo: Scipione.

REVERBEL, Olga (1979). Teatro na sala de aula. Rio de Janeiro: José Olympio.

REVERBEL, Olga (1974). Técnicas dramáticas aplicadas á escola. São Paulo: Editora do Brasil.

RODRIGUES, Mauro Roberto (2003). Poética da pedagogia do teatro: experimentos, mediações e recepção no ensino do Teatro. Anais do III Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis: ABRACE/Udesc, p. 303-305.

SANTOS, Vera Lúcia B. dos (2002). Brincadeira e conhecimento - do faz-de-conta á representação teatral. Porto Alegre: Mediação.

SPOLIN, Viola (2001) Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin. São Paulo: Perspectiva.

SPOLIN, Viola (1999) O jogo teatral no livro do diretor.São Paulo: Perspectiva.

SPOLIN, Viola (1992) Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva.

TELLES, Narciso e MASCARENHAS, Márcia (2003) Trabalhando os caminhos do menino-navegador - Ilo Krugli e o ensino de Teatro. In: SANTANA, Arão P. e outros (Orgs.) Visões da Ilha - Apontamentos sobre Teatro e Educação. São Luiz: UFMa/Sebrae, p. 61-73.

VAZ, Beatriz A. C. (1984) Teatro ou recreação? São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado).

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas (2004). Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. Campinas: Papirus.

Notas

[1] Doutor em Educação (Psicologia e Educação) e mestre em Artes (Artes Cênicas - Teatro) pela USP; licenciado e bacharel em Teatro pela UFBa; professor adjunto do DEDC/Campus XV da Universidade do Estado da Bahia-Uneb.

[2] JAPIASSU, Ricardo. (2001) Metodologia do ensino de Teatro. Campinas: Papirus.

[3] No livro em referência eu deixo "de fora" a proposta "francesa" do Jogo Dramático - difundida no país particularmente pela professora Olga Reverbel do Rio Grande do Sul. Uma exposição desta proposta pode ser encontrada em REVERBEL, Olga (1989). Um caminho do Teatro na escola. São Paulo: Scipione; REVERBEL, Olga (1979). Teatro na sala de aula. Rio de Janeiro: José Olympio; REVERBEL, Olga (1974). Técnicas dramáticas aplicadas á escola. São Paulo: Editora do Brasil e ainda em SANTOS, Vera Lúcia B. dos (2002). "O Teatro como sistema de conhecimento". In: Brincadeira e conhecimento - do faz-de-conta á representação teatral. Porto Alegre: Mediação, cap. 2, p. 35-54. Também é possível conhecer melhor a proposta "francesa" através do texto intitulado Aspectos metodológicos do trabalho pedagógico com jogos & dramatizações da Profª. Drª. Sheyla Maluf da Universidade Federal de Alagoas-UFAl e que se encontra disponível em http://www.ricardojapiassu.pro.br/Sheila.htm e em entrevista com Maria Lúcia de Souza Barros Pupo publicada por LORENZETTI, Evelyne e RAMIRO, Marina (2004) Por trás das máscaras - um panorama sobre teatro-educação no Brasil. São Paulo: Universidade Bandeirante, p. 91-104. (Trabalho de conclusão de curso). Ficam ainda "de fora" do livro os métodos ancorados na razão instrumental, técnica ou profissionalizante - mais usuais nas séries finais do ensino fundamental e particularmente no ensino médio e superior como, por exemplo, (1) o método sistêmico de Stanislavsky e seus desdobramentos nacionais - a análise ativa de Eugênio Kusnet; e o (2) método biomecânico de V. E. Meyerhold, entre outros. O meu objetivo em Metodologia do ensino de Teatro é unicamente dar notícia das propostas metodológicas para o ensino de Teatro que abordam o fazer teatral numa perspectiva emancipadora - ou de desenvolvimento cultural do educando - e que são mais "populares" no âmbito da escolarização nacional nas séries iniciais do ensino fundamental. 

[4] BARBOSA, Ana Mae (2003). "As Escuelas de Pintura al Aire Libre do México: liberdade, forma e cultura". In: PILLAR, Analice Dutra (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, p. 101-117.

[5] Sobre o "sujeito econômico" (homo oeconomicus) consultar ADORNO&HORKHEIMER (2001). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, p. 66.

[6] Evidentemente as raízes históricas e sócio-econômicas da pós-modernidade encontram-se já no século XIX.

[7] CHESNAIS, François (1997) A emergência de um regime de acumulação mundial predominantemente financeiro. Praga - estudos marxistas. São Paulo: Hucitec, n. 3, set., p. 19-46.

[8] Não existe acordo sobre o referente da expressão "pós-modernidade". Consultar LOUREIRO, Robson e DELLA FONTE, Sandra Soares (2003) Indústria Cultural e Educação em "tempos pós-modernos". Campinas: Papirus, p.23.

[9] Para Wolfgang Fritz Haug o pós-moderno deve ser compreendido como ideologia do capitalismo transnacional de alta tecnologia. Consultar CHAVES, Ernani e LOUREIRO, Isabel Maria (1997) De Nietzche a Marx - entrevista com Wolfgang Fritz Haug. Praga - estudos marxistas. São Paulo: Hucitec, n. 3, set., p. 127-140.

[10] ADORNO&HORKHEIMER (2001). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, p. 102.

[11] ADORNO, Theodor W. (2000). "Televisão e formação". In: Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, p. 75-95, p. 88

[12] BARBOSA, Ana Mae (1998). "Arte-educação pós-colonialista no Brasil: aprendizagem triangular" In: Tópicos utópicos. Belo Horizonte, C/Arte, p. 30-51.

 [13] ADORNO&HORKHEIMER (2001). Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, p. 135.

 [14] DESGRANGES, Flávio. (2003). A pedagogia do espectador. São Paulo: Hucitec, p. 177.

 [15] BIÃO, Armindo e GREINER, Cristine (Orgs.) (1998) Etnocenologia - textos selecionados. São Paulo: Annablume.

 [16] PUCCI, Bruno (2003). "Indústria Cultural e Educação". In: VAIDERGORN, José & BERTONI, Luci Mara (Orgs.) Indústria Cultural e Educação - ensaios, pesquisas, formação. Araraquara-SP: JM Editora, p. 9-29, p. 13.

 [17] ADORNO, T. W. (2002) Filosofia da nova música. São Paulo: Perspectiva, p.92-93.

 [18] SPOLIN, Viola (2001) Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin. São Paulo: Perspectiva. SPOLIN, Viola (1999) O jogo teatral no livro do diretor.São Paulo: Perspectiva. SPOLIN, Viola (1992) Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva.

 [19] KOUDELA, Ingrid D. (2001) Brecht na pós-modernidade. São Paulo: Perspectiva; KOUDELA, Ingrid D. (1996) Texto e jogo. São Paulo: Perspectiva/Fapesp; KOUDELA, Ingrid D. (1992) Um vôo brechtiano. São Paulo: Perspectiva; KOUDELA, Ingrid D. (1992) Jogos teatrais. São Paulo: Perspectiva; KOUDELA, Ingrid D. (1991) Brecht: um jogo de aprendizagem. São Paulo: Perspectiva/Edusp; PUPO, Maria Lúcia de S. B. (1997) Palavras em jogo: textos literários e teatro-educação. São Paulo: ECA-USP (Tese de livre docência); VAZ, Beatriz A. C. (1984) Teatro ou recreação? São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado); CHAGAS, Amara (1992) A brincadeira prometida...o jogo teatral e os folguedos. São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado); COELHO, Ana Flora F. de C. (1989) Introdução do texto literário ou dramático no jogo com crianças. São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado); JAPIASSU, Ricardo (1999) Ensino do teatro nas séries iniciais da educação básica: a formação de conceitos sociais no jogo teatral. São Paulo: ECA-USP (Dissertação de mestrado); JAPIASSU, Ricardo (2003) Jogos teatrais na pré-escola: o desenvolvimento da capacidade estética na educação infantil. São Paulo: FEUSP (Tese de doutoramento).

 [20] JAPIASSU, Ricardo (2001) Metodologia do ensino de Teatro. Campinas: Papirus, p. 59-71.

[21] Idem, ibidem, p. 97-217.

 [22] RODRIGUES, Mauro Roberto (2003). Poética da pedagogia do teatro: experimentos, mediações e recepção no ensino do Teatro. Anais do III Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis: ABRACE/Udesc, p. 303-305, p. 304.

 [23] VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas (2004). Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. Campinas: Papirus.

[24] O processo de plugging é descrito por Adorno como o processo através do qual o ouvinte acaba por "gostar" de um sucesso musical, por exemplo, de tanto que as emissoras - pagas pelas gravadoras - o colocam no ar.

[25] DUARTE, Rodrigo (1997) "mundo "globalizado" e estetização da vida" In: RAMOS-DE-OLIVEIRA, Newton e outros (Orgs.) Teoria Crítica, estética e educação. Campinas: Autores Associados/Unimep, p. 22-42, p. 18.

[26] GUSMÃO, Rita (2003) Espectador: suporte interferente na arte cênica contemporânea. Anais do III Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis: ABRACE/UDESC, p.256-258.

[27] PUPO, Maria Lúcia de S. B. (2003) Um olhar cúmplice. In: SANTANA, Arão P. e outros (Orgs.) Visões da Ilha - Apontamentos sobre Teatro e Educação. São Luiz: UFMa/Sebrae, p. 97-103, p. 97.

[28] MARQUES, Isabel (2001) Ensino de dança hoje - textos e contextos. São Paulo: Cortez.

[29] TELLES, Narciso e MASCARENHAS, Márcia (2003) Trabalhando os caminhos do menino-navegador - Ilo Krugli e o ensino de Teatro. In: SANTANA, Arão P. e outros (Orgs.) Visões da Ilha - Apontamentos sobre Teatro e Educação. São Luiz: UFMa/Sebrae, p. 61-73.

[30] DE CAMILLIS, Lourdes Stamato (2002) Criação e docência em Arte. Araraquara-SP: JM Editora.

[31] CABRAL, Beatriz Ângela Vieira (2003) A prática como pesquisa na formação do professor de Teatro. Anais do III Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (Memória ABRACE VII). Florianópolis: ABRACE/UDESC, p.275-277.

 

 

 

Autor:

Ricardo Ottoni Vaz Japiassu  

rjapias[arroba]yahoo.com.br

Prof. Titular UNEB/Campus XV - Valença/Ba
Doutor em Educação pela FE-USP
Mestre em Artes pela ECA-USP
Licenciado e Bacharel em Teatro pela ET-UFBa

Alocução do Prof. Dr. Ricardo Ottoni Vaz Japiassu [1] durante sessão de abertura do II Seminário de Licenciatura em Teatro, realizado pelo Colegiado de Graduação em Artes Cênicas da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG, em 29 de abril de 2005.



 Página anterior Voltar ao início do trabalhoPágina seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.