Alguns aspectos da didática e prática na virada do século

Enviado por Reinaldo Toso Júnior


  1. Resumo
  2. Introdução
  3. Objetivo
  4. Desenvolvimento
  5. Conclusão
  6. Referências bibliográficas

RESUMO

Procura-se a delimitação de alguns aspectos da didática e da prática em um contexto econômico mundial vinculado aos problemas históricos e sócio-econômicos do Brasil como o centro de sérias discussões sobre o ensino brasileiro. Identifica-se a necessidade de desenvolver a competitividade da mão de obra nacional para fazer frente aos efeitos negativos da Globalização em países em vias de desenvolvimento e a preocupação de se aproximar os ideais didáticos do cotidiano das pessoas como agente promotor desta competitividade.

INTRODUÇÃO

O interesse do autor pela didática e da prática na formação universitária ocorreu por meio do contato deste com a vida acadêmica ao ingressar no curso de graduação, por ter vivido e acompanhado as transformações dos anos 80, 90 e do início deste século, além de sua experiência docente em cursos de três de graduação noturna .

Também houve o interesse ao observar-se a mudança no mercado de trabalho durante a década de 90 que exigiu maior competitividade no perfil profissional por parte dos jovens ingressantes neste mercado e dos esforços do corpo docente em discutir e tentar propor alterações didáticas que atendam as demandas de mercado e as dificuldades em delinear e aplicar esta abordagem.

OBJETIVO

Este artigo tem o objetivo de apresentar e analisar alguns dos muitos aspectos da didática e da prática na virada do século.

DESENVOLVIMENTO

A industrialização no Brasil não ocorreu no mesmo período da Revolução Industrial na Europa e América do Norte e também não foi no mesmo ritmo, a industrialização no Brasil possuiu momentos históricos de desenvolvimento industrial indo da atividade quase nula até a intensa. Constitui-se de um processo não uniformizado de crescimento.

O maior ímpeto industrial deu-se a partir de 1935-40 quando o Brasil abandona a antiga postura de país exclusivamente agrário e monocultor e passa a desenvolver a indústria de base. A próxima fase de industrialização, ocorrida entre 1950-60, na era JK, que entre outras indústrias trouxe a automobilística seguida das auto-peças.

Nos anos 70 deu-se a consolidação do parque industrial brasileiro com grande projeção nas áreas química e petroquímica e na ampliação e multiplicação das indústrias já instaladas ou nos mercados formados[1].

Passada a Década Perdida (CASTELLS 1999, p. 129-145), os anos 80, caracterizada por um período de estagnação no Brasil, o país entra na década de 90, esta década é marcada como a da Globalização e ocorre no Brasil uma grande abertura da sua economia (PRAXEDES e PILETTI 1997, p.7-9 e 37).

Foi nos anos 90 que a abertura da economia brasileira permitiu novos ingressantes no mercado nacional, mas as sucessivas tentativas de ajustes econômicos para conter a inflação abalaram as empresas até a metade da década (CASTELLS 1999, p. 146-147).

Com o lançamento de um processo de estabilização econômica, chamado de Plano Real, ocorreu finalmente a contenção do mecanismo inflacionário. Foi também nos anos 90 que ocorreu um maior ímpeto na vinda e na concentração da indústria de alta tecnologia baseada em telecomunicação além de outros segmentos que se mantiveram afastados até então (O ESTADO DE SÃO PAULO, matérias diversas, 09/03/2001, 12/03/2001 e 09/02/2000).

O processo de capacitação da mão de obra, para acompanhar estas mudanças, também não ocorreu de maneira uniforme e eficaz. Já Ianni (IANNI 1963, p. 206) alertava para estas dificuldades no Brasil. De fato o processo de globalização, globalização que foi acelerada principalmente com o desenvolvimento dos meios de transporte e de telecomunicações. Mas a globalização não ocorreu de maneira uniforme, não é abrangente, exclui e cria abismos econômicos e pressões sociais terríveis (CASTELLS 1999, p. 120 e PRAXEDES e PILETTI 1997, p. 14).

Se os processos de desenvolvimento econômico e industrial no Brasil não ocorrem de maneira uniforme, também o mesmo se dá na Educação. Há uma série de desconexões entre a didática e a prática. Martins (MARTINS 2003, p.16) explica que os conflitos sociais são capazes de gerar processos pedagógicos e isto vai de encontro a outra afirmação desta autora (MARTINS 2003, p. 39) de que foi ao longo da década de 80, a década perdida citada acima, que os educadores iniciaram uma busca mais árdua para a aproximação entre o pensar e o agir em termos de educação, preocupados que estavam com o decisivo papel da educação na formação da mão de obra qualificada para competir.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.